Críticas duras dos bispos do país

Situação de pobreza em Angola “continua assustadora”

| 3 Fev 2022

Cafunfo, Lunda Norte, Angola. Foto: Mosaiko

 

A pobreza extrema que atinge já grande parte da população de Angola motivou críticas violentas do presidente da Conferência Episcopal de Angola e São Tomé (CEAST), D. José Imbamba, na sessão de abertura dos trabalhos da primeira reunião plenária anual da CEAST.

De acordo com o retrato dramático feito pelo bispo, e citado pela Fundação AIS, calcula-se que cerca de um terço dos angolanos está desempregado, com a falta de trabalho a afetar de forma brutal, com quase 60 por cento, os mais jovens.

“A situação de pobreza por parte de muitas famílias continua assustadora”, apontou José Imbamba, fazendo, de seguida, um retrato duro e cru desta realidade ao lembrar que é comum ver pessoas à procura de alimentos “nos contentores de lixo, nos degraus nas estradas adjacentes aos postos comerciais”.

“A perda de poder de compra das famílias é um facto gritante e dura há muitos anos, apesar das medidas aqui e acolá que vão surgindo, mas o espectro ainda se mantém vivo. Os produtos da cesta básica permanecem altos, o desemprego de milhares de jovens continua a agitar a vida social e em muitos deles é notório o desespero e a perda de fé no futuro.”

O arcebispo de Saurimo fez também uma referência à seca no sul de Angola que está a gerar também uma situação de fome que está a atingir cada vez mais população.

D. José Imbamba: “A situação de pobreza por parte de muitas famílias continua assustadora”. Foto © Fundação AIS.

Num tempo politicamente muito importante – 2022 será ano de eleições legislativas em Angola – José Imbamba apelou ao sentido de responsabilidade das populações e pediu aos católicos para evitarem o absentismo, criticando o afastamento entre os responsáveis políticos e as populações, que pode gerar até violência.

Organizações criticam Presidente

Já em 12 de dezembro de 2021, diversos representantes da Igreja Católica, organizações de direitos humanos e instituições académicas angolanas assinaram uma nota de protesto contra o Presidente angolano, João Lourenço, acusando-o de ter “relativizado a fome” no país, durante o discurso de encerramento do congresso do seu partido, o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA).

A nota foi enviada a João Lourenço, com conhecimento do Conselho das Nações Unidas para os Direitos Humanos e da Comissão Africana dos Direitos Humanos e dos Povos.

“As palavras proferidas por Vossa Excelência são um insulto direto a todas as famílias que perderam os seus entes queridos por causa da fome. Afinal, desde que a sociedade civil começou o alerta, se o Estado angolano se posicionasse e trouxesse a necessária ajuda, com apoio da Comunidade Internacional, a maior parte das pessoas não teria perecido”, pode ler-se na nota.

“Mais de dez mil angolanos refugiaram-se na República da Namíbia e estão à mercê da ajuda deste Governo, fugidos de suas zonas de origem por causa da fome”, referem ainda, acrescentando que “as cidades do Lubango, Huambo, Benguela e Luanda estão pejadas de pedintes com fome, alguns deles infantes com menos de dez anos”.

No seu discurso, o Presidente angolano havia destacado o aumento da produção alimentar no país, criticando os adversários que, “de manhã à noite só cantam uma música: fome, fome, fome”. “A fome é sempre relativa”, afirmou João Lourenço, perante os militantes do partido que governa o país há 46 anos.

O Programa Alimentar Mundial alertou no final de novembro que Angola vive a maior seca dos últimos quarenta anos. Segundo noticiado pelo 7MARGENS, a situação, que é considerada de “catástrofe” obrigou já pelo menos um milhão e 300 mil pessoas a deslocar-se para outras províncias ou para a vizinha Namíbia, onde possam encontrar água e pasto para o gado.

 

Abusos sexuais: senti que não acreditavam em mim

Testemunho de uma vítima

Abusos sexuais: senti que não acreditavam em mim novidade

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa

Ocaere, divindade autóctone

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa novidade

A doação de uma ara votiva romana guardada ao longo de várias décadas pela família Braga da Cruz, de Braga, enriquece desde esta sexta-feira, dia 1, o espólio do Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa (MADDS), estando já exposta para fruição do público. A peça, que passou a integrar a coleção permanente daquele Museu, foi encontrada num quintal particular no município de Terras de Bouro, pelo Dr. Manuel António Braga da Cruz (1897-1982), que viria, depois, a conseguir que o proprietário lha cedesse.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

Capelania da Univ. Coimbra: Promover o encontro entre ciência e espiritualidade, entre crentes e não-crentes

Contributos para o Sínodo (25)

Capelania da Univ. Coimbra: Promover o encontro entre ciência e espiritualidade, entre crentes e não-crentes novidade

Organizar iniciativas de diálogo com não-crentes e crentes de outras religiões, abrindo a Igreja à sociedade e fazendo dela um motor do progresso social e da comunhão humana; assumir a dimensão da Sinodalidade como verdadeira abertura ao século XXI; e promover o encontro entre a ciência e a espiritualidade, sempre possível, cria pontes da Igreja com as instituições de Ensino Superior – estas são algumas das propostas da comunidade da Capelania da Universidade de Coimbra, em resposta à maior auscultação alguma vez feita à escala planetária, lançada pelo Papa Francisco, para preparar a assembleia do Sínodo dos Bispos de 2023.

Alter do Chão recebe recital de voz e piano

Festival Terras sem Sombra

Alter do Chão recebe recital de voz e piano novidade

O Cineteatro de Alter do Chão acolhe este sábado, 2 de julho, pelas 21h30, um recital da soprano Carla Caramujo e da pianista Lígia Madeira, no âmbito do Festival Terras sem Sombra (FTSS). Intitulado “O Triunfo da Primavera: Canções de Debussy, Poulenc, Fragoso, Lacerda, Schubert e Wolf”, o concerto promete levar o público a diferentes geografias musicais, do século XIX ao período contemporâneo.

A “nuvem escura que nunca larga” as vítimas de abusos sexuais

338 casos já validados

A “nuvem escura que nunca larga” as vítimas de abusos sexuais

17 casos já entregues ao Ministério Público, todos de padres que podem estar ainda no activo; 338 testemunhos validados, com um peso importante de situações ocorridas no confessionário. Uma maioria de vítimas que, ainda assim, continua a considerar-se como católica. Após quase seis meses de trabalho, a Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa fez um novo balanço. E apresentou três depoimentos de vítimas que querem ajudar a que outras como elas também falem e que pedem à Igreja um gesto de reparação.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This