Confederação Nacional

Situações de “trabalho escravo” de crianças

| 27 Out 21

Trabalho Infantil

“A pobreza, os conflitos armados e, mais recentemente, a pandemia contribuem, de forma mais estrutural ou mais conjuntural, para o abandono da escola.” Foto © Rana Roy / Wikimedia Commons

 

Continuam a ser numerosas e diversificadas as situações de trabalho escravo de crianças no mundo e o problema não é apenas dos países mais pobres. A mensagem foi sublinhada esta quarta-feira numa videoconferência promovida pela CNASTI – Confederação Nacional de Ação sobre Trabalho Infantil, com apoio da representação em Lisboa da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

A iniciativa, realizada no âmbito do “Ano internacional para a eliminação do trabalho infantil”, contou com intervenções de ativistas dos direitos humanos, nomeadamente em meios infantojuvenis, da Guiné-Bissau e de Moçambique. Nos dois países foi apresentada a problemática da exploração sexual de meninas, que assume aspetos diversificados. Como salientou Adama Baldé, vice-presidente da Rede Nacional das Associações Juvenis, relativamente ao caso guineense, a exploração ocorre tanto nas ilhas de Bissau, com o turismo, como com empresas que chegam ao país para recrutar potenciais modelos e que são em alguns casos caminhos para captar “escravas sexuais”.

Já Moçambique, no dizer da ativista Benilde Nhalivilo, do ROSC – Forum da Sociedade Civil para os Direitos da Criança, do ponto de vista da exploração sexual de crianças é considerado um destino, um ponto de trânsito e de partida. A prostituição de meninas é mesmo tida como uma das áreas mais problemáticas da exploração do trabalho infantil.

O panorama da situação da infância moçambicana é revelador. Há no país mais de 15 milhões de crianças, correspondendo a 52% da população total. Um milhão, com idades entre os 7 e os 17 anos, encontram-se no mercado de trabalho. Uma em cada cinco crianças de idades entre os cinco e os 11 anos e uma em cada quatro de idades entre os 12 e os 17 anos, estão envolvidas em trabalho infantil.

A pobreza, os conflitos armados e, mais recentemente, a pandemia contribuem, de forma mais estrutural ou mais conjuntural, para o abandono da escola. No caso do distrito de Cabo Delgado, as incursões de grupos que espalharam o terror fizeram com que 30 mil crianças tenham ficado fora da escola, vagueando pelas ruas, muitas vezes sem saberem sequer dos seus pais.

O casamento “prematuro” e “combinado” pelas famílias é um problema, tanto na Guiné como em Moçambique, impedindo as meninas de ter uma palavra e de serem sujeito do seu destino. Segundo Adama Baldé, na Guiné-Bissau calcula-se que 47% das jovens entre os 15 e os 27 anos casem com homens substancialmente mais velhos. A consequência, frequentemente, é que elas se convertam em objeto sexual e em criadas do ponto de vista dos trabalhos ligados à casa. “Até quando o marido sai para trabalhar noutras paragens deixa, por vezes, a esposa como criada dos familiares dele”, observou a dirigente juvenil.

Uma outra situação que diz mais respeito aos rapazes guineenses e que chega a configurar tráfico de seres humanos é a prática de recrutamento para os levar para aprender o Alcorão em países vizinhos, como a Gâmbia ou a Guiné-Conacri. Têm surgido relatos em que vários desses miúdos se tornam, nesses países, pedintes de rua para alguns líderes muçulmanos, que chegam a castigar as crianças quando elas não lhes levam as quantidades previamente estipuladas.

Do ponto de vista das duas conferencistas, políticas para acautelar os direitos das crianças e evitar pelo menos as situações mais dramáticas de exploração ou mesmo de escravatura são débeis na Guiné-Bissau, existem formalmente na lei mas sem planos de aplicação e recursos adequados em Moçambique. Já em Cabo Verde, que estava representado na conferência da CNASTI por um inspetor de trabalho, a situação é substancialmente melhor, ainda que haja problemas.

Relativamente a Portugal, não há dados sobre situações de escravatura propriamente dita, entendida como quadros em que as crianças se veem indefesas e com a liberdade coartada, segundo Fátima Pinto, coordenadora da CNASTI, em declarações ao 7MARGENS.

Para ela, não há dúvida de que há situações dessas, ainda que escondidas. Até porque, faz notar, “Portugal é uma porta de entrada e de saída” para muita gente. E, refletindo sobre o país num quadro europeu, refere casamentos “obrigados”, em algumas comunidades; situações de extrema fragilidade económica que levam pais a vender os filhos; grupos organizados que roubam crianças; situações associadas à vinda de migrantes; redes que procuram assediar e cativar através da internet, etc. E admite, na esteira do que revelaram as conferencistas guineense e moçambicana, que possa haver meninas daqueles países que venham para Portugal estudar e acabem como serventuárias em casa de familiares. Até porque, como salientava Adama Baldé, a deficiente qualidade do ensino leva a que muitos jovens que vêm estudar para a Europa comecem a experimentar o insucesso e acabem noutro tipo de atividades, onde a dignidade do trabalho não é valor muito cultivado.

Fátima Pinto anunciou, entretanto, que a CNASTI organiza em 24 de novembro próximo uma outra conferência, desta vez sobre o tema “É possível o fim do trabalho infantil?”, cujo programa será em breve divulgado.

 

Combater bem o mal

Combater bem o mal novidade

Os tempos que se vivem na Igreja Católica suscitam especial dor a todas as pessoas, sejam ou não crentes, provocando revolta em muitos contra um aparentemente imobilismo na resposta a uma crise que já se prolonga por demasiado tempo. A Igreja, enquanto realidade operante no mundo, não ficou imune a este fenómeno transversal à humanidade que é o abuso sexual de menores.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero

Pedro Strecht apresentou membros

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero novidade

Daqui a um ano haverá relatório, que pode ser o fim do trabalho ou o início de mais. A comissão para estudar os abusos sexuais do clero português está formada e quer que as vítimas percam o medo, a vergonha e a culpa. Ou seja, que dêem voz ao seu silêncio. Pedro Strecht apresentou razões, o presidente dos bispos disse que não quer mais preconceitos nem encobrimentos, mas “autêntica libertação, autenticidade e dignidade para todos”.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This