Só cardeal Sarah não separa do islão o ataque em Nice, condenado por todos os líderes religiosos

| 30 Out 20

basilica notre dame nice, foto wikimedia commons M. Strikis

Basílica de Notre Dame de Nice, local dos atentados. Foto © M. Strikis/Wikimedia Commons.

 

 

As reações ao atentado ocorrido esta quinta-feira, 29, na basílica de Notre-Dame, em Nice, foram praticamente unânimes entre líderes religiosos e políticos. Católicos, protestantes, muçulmanos, foram muitos os que condenaram publicamente os “atos bárbaros” que deixaram três mortos e vários feridos, e que fizeram questão de sublinhar que o terrorismo é contrário a todas as religiões, apelando ao perdão e à paz. Fora do grupo ficou o cardeal Robert Sarah, prefeito da Congregação para o Culto Divino, que se limitiu a falar do islamismo como um “fanatismo monstruoso”.

A primeira reação foi a do bispo católico de Nice, André Marceau, logo após o atentado. “Com a maior emoção, acabo de saber da tragédia que atingiu a comunidade cristã dos Alpes Marítimos esta manhã. E uma vez mais a cidade de Nice”, começou por dizer no seu comunicado. “A minha tristeza é infinita como ser humano diante do que outros supostos seres humanos podem fazer”, sublinhou, informando que todas as igrejas da cidade estariam fechadas até novo aviso “e colocadas sob proteção policial”. Apesar da dor, concluía a sua mensagem com o pedido, em jeito de oração: “Que o espírito de perdão de Cristo prevaleça face a estes atos bárbaros”.

Logo a seguir, Marceau recebia uma mensagem do Papa, assinada pelo secretário de Estado, o cardeal Pietro Parolin, condenando “de maneira enérgica tais atos violentos de terror”, e assegurando a “sua proximidade à comunidade católica da França e a todo o povo francês, que chama à unidade”.

Pouco antes, respondendo aos jornalistas, o diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Matteo Bruni, tinha já afirmado que este era “um momento de dor, num tempo de confusão. Terrorismo e violência nunca podem ser aceites. O ataque de hoje semeou morte num lugar de amor e consolação, como a casa do Senhor”.

Bruni referiu ainda que o Papa rezava “pelas vítimas e seus entes queridos, para que cesse a violência, para que as pessoas voltem a olhar-se como irmãos e não como inimigos, e para que o amado povo francês possa reagir unido ao mal com o bem.”

Com um tom completamente diferente seria a mensagem publicada pelo prefeito da Congregação para o Culto Divino, o cardeal Robert Sarah: “O islamismo é um fanatismo monstruoso que deve ser combatido com força e determinação”, escreveu na sua conta de Twitter. “Não vai parar a sua guerra. Nós, africanos, sabemos disso muito bem. Os bárbaros são sempre os inimigos da paz. O Ocidente, agora a França, deve compreender isso”, acrescentou. Em quatro linhas, Sarah deitava assim por terra o espírito da recente encíclica de Francisco, Fratelli Tutti, na qual a responsabilidade dos líderes religiosos no trabalho por uma cultura da paz e do entendimento entre as diferentes religiões é uma das ideias-chave.

Mais alinhado com o Papa esteve o Conselho Mundial de Igrejas (CMI), que agrupa cerca de 350 igrejas cristãs não católicas (sobretudo protestantes e ortodoxas). Num comunicado divulgado na página da instituição, o secretário-geral interino, o padre ortodoxo romeno Ioan Sauca, afirmou que “não pode haver uma justificação religiosa legítima para esta brutalidade, e toda e qualquer tentativa de justificar tais ataques com base na religião tem de ser categoricamente denunciada”.

De acordo com a agência Reuters, citada pelo jornal Público, também um representante do Conselho Francês da Fé Muçulmana condenou o ataque e, “como sinal de luto e de solidariedade para com as vítimas e os seus familiares”, pediu a “todos os muçulmanos em França que [cancelassem] todas as celebrações” do nascimento do profeta Maomé, que terminavam esta quinta-feira.

Países árabes também repudiam violência em nome da religião

A corrente de solidariedade e condenação estendeu-se a inúmeros líderes de países árabes, destacou o Religión Digital. Entre eles, a Arábia Saudita, o Egito, os Emirados Árabes Unidos, a Jordânia, e até mesmo a Turquia, cujo Ministério dos Assuntos Exteriores emitiu um comunicado afirmando que aqueles que “organizam um ataque tão brutal num lugar sagrado de culto não respeitam os valores religiosos, humanitários e morais”. “Nenhuma razão pode justificar o assassinato de uma pessoa ou a violência”, diz o texto.

O governo da Jordânia assinalou, por seu lado, que “o terrorismo é um inimigo comum que não tem nada a ver com uma religião específica e que vai contra os valores da vida e da paz que a religião islâmica representa”.

Ao início da tarde de quinta-feira, era ainda divulgada a nota da Conferência Episcopal Portuguesa. “Lamentamos e condenamos mais este ato bárbaro e violento que elimina vidas humanas e atinge a paz nessa região”, afirmaram os bispos. “Partilhamos os sentimentos de emoção e de perdão expressos nas palavras de D. André Marceau (…), com o qual estamos em plena sintonia.”

Da parte da Conferência Episcopal de França (CEF), as palavras foram de choque. Hugues de Woillemont, porta-voz daquele organismo, qualificou o atentado como um ato “inominável” e garantiu que os católicos “não podem ser considerados um alvo a abater”. Em comunicado publicado na sua página oficial, a CEF assumiu uma “imensa tristeza” e deixou o apelo: “É urgente lutar contra esta gangrena do terrorismo, assim como é urgente estabelecer uma fraternidade concreta no nosso país.”

O Presidente francês, Emmanuel Macron, anunciou entretanto que o dispositivo militar de segurança passará de três mil para sete mil soldados, o que permitirá proteger os lugares de culto, em particular durante a festividade de Todos os Santos, que se assinala no domingo, 1 de novembro.

Macron convocou para esta sexta-feira o Conselho de Defesa, no qual, assegurou, serão tomadas medidas para “proteger” os cidadãos e responder com “firmeza e unidade” ao atentado, o segundo em França no espaço de poucas semanas, depois da decapitação de um professor de História nos arredores de Paris.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Os Dias da Semana – Um mau poema suja o mundo

Os Dias da Semana – Um mau poema suja o mundo

Bons espíritos sustentam que a poesia ocidental fala quase exclusivamente de amor e de morte. Não seria, também por isso, de estranhar o tema do poema inédito de Joan Margarit, que poderá ter sido escrito no período em que o autor teve de enfrentar o cancro que o vitimaria.

Breves

Peditório digital da Cáritas entre 28 de fevereiro e 7 de março

O peditório nacional da rede Caritas vai pela segunda vez decorrer em formato digital, podendo os donativos ser realizados, durante a próxima semana, de 28 de fevereiro a 7 de março, diretamente no sítio da Cáritas Nacional ou por transferência bancária.

Cardeal Tolentino vence Prémio Universidade de Coimbra

O Prémio Universidade de Coimbra foi atribuído ao cardeal José Tolentino Mendonça, anunciou a instituição nesta quinta-feira, 25. O reitor, Amílcar Falcão, referiu-se ao premiado como “uma figura ímpar, uma pessoa de cultura com uma visão social inclusiva.”

Recolha de bens e fundos para Pemba continua em Braga até 31 de março

O Centro Missionário Arquidiocesano de Braga – CMAB decidiu prolongar até 31 de março a campanha para recolha de bens a enviar para Moçambique, onde serão geridos e distribuídos pela Diocese de Pemba, para apoiar “o meio milhão de pessoas deslocadas que fogem das suas aldeias atacadas por um grupo sem rosto.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

O 7MARGENS em entrevista na Rede Social, da TSF

António Marujo, diretor do 7MARGENS, foi o entrevistado do programa Rede Social, da TSF, que foi para o ar nesta terça-feira, dia 23, conduzido, como habitualmente, pelo jornalista Fernando Alves.

Parlamento palestino vai ter mais dois deputados cristãos

Sete das 132 cadeiras do Conselho Legislativo Palestino (Parlamento) estão reservadas para cidadãos palestinos de fé cristã, determina um decreto presidencial divulgado esta semana. O diploma altera a lei eleitoral recém-aprovada e acrescenta mais dois lugares aos anteriormente reservados a deputados cristãos.

Tribunal timorense inicia julgamento de ex-padre pedófilo

O ex-padre Richard Daschbach, de 84 anos, antigo membro dos missionários da Sociedade do Verbo Divino, começou a ser julgado segunda-feira, 22, em Timor-Leste, acusado de 14 crimes de abuso sexual de adolescentes com menos de 14 anos, de atividades ligadas a pornografia infantil e de violência doméstica.

Prémio para trabalhos académicos sobre templos cristãos

Um prémio no valor de 1.000 euros e uma bolsa de estudo para um estágio de três meses no atelier Meck Architekten (Munique) vai ser atribuído pela Fundação Frate Sole à melhor tese de licenciatura, mestrado ou de doutoramento sobre uma igreja de culto cristão.

Entre margens

Servir: lavar as mãos, lavar os pés, lavar o coração novidade

Depois de alguma leitura, aquela conversa não me saía da cabeça. Lembrei-me do ritual do “Lava pés”, que teve lugar na última ceia de Jesus Cristo, na qual Ele ensinou-nos, entre outras coisas, a partilhar o pão e o vinho (a comida) e a servir (lavou os pés aos seus discípulos). Lembrei-me também de uma tradição ocidental, segundo a qual quando alguém vai à casa de outrem pela primeira vez, a dona de casa deve servir ao visitante o “primeiro copo”. Por ser de “bom tom”, é cortês. E é, porque abre o à vontade ao visitante.

Como o “bicho” mexe com a prática religiosa

A verdade é que um de cada três cristãos praticantes americanos parou de frequentar a igreja com a pandemia, apesar da evidência de que a comunidade de fé exerce um efeito integrativo do ponto de vista social, de estabilização emocional e promove o encorajamento e a esperança dos indivíduos. Curiosamente, as gerações mais novas apresentaram mais dificuldades na substituição das celebrações presenciais pelas online, eventualmente devido a uma maior necessidade gregária.

Direitos Humanos das Pessoas Idosas. Importa-se de repetir?

Todos os textos são incontroversos, lembram que os idosos têm direito a trabalhar ou a ter uma fonte de rendimento, a viver com dignidade e segurança, a poder residir em casa pelo máximo de tempo possível, a formar associações que defendam os seus interesses ou a aceder a programas educacionais próprios; e reafirmam que os mais velhos contribuem para o desenvolvimento das sociedades de que fazem parte (tem o seu quê de irónico, dada a média etária dos “líderes mundiais”).

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

As ignoradas Mães (Madres) do Deserto

As “Mães” do Deserto foram, de par com os Padres do Deserto, mulheres ascetas cristãs que habitavam os desertos da Palestina, Síria e Egito nos primeiros séculos da era cristã (III, IV e V). Viveram como eremitas tal como muitos padres do deserto e algumas formaram pequenas comunidades monásticas.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This