Sobre nós

Redação e colaboradores

António Marujo (diretor), Eduardo Jorge Madureira (diretor-adjunto), Jorge Wemans, Manuel Pinto, Acácio Catarino, Alice Caldeira Cabral, Ana Cordovil, Carlos Jalali, Eugénio Fonseca, Fernando Sousa, Guilherme d’Oliveira Martins, Helena Araújo, Helena Fonseca, Isabel Estrada Carvalhais, Jerónimo Trigo, Joaquim Azevedo, Joaquim Franco, José Centeio, Leonor Xavier

 

Sete Margens – Apresentação

7MARGENS é um jornal digital orientado por critérios jornalísticos profissionais e independente de qualquer instituição, religiosa ou outra. Divulga informação sobre o fenómeno religioso, no sentido mais amplo do termo, não se confinando à atualidade das diversas confissões e crenças estabelecidas. Procura dar conta das diferentes formas de busca espiritual que marcam o nosso tempo, desvendando as questões, interrogações e percursos que alimentam essa indagação. Tem consciência de que a informação sobre o fenómeno religioso assim entendido constitui um importante instrumento a favor da paz, da justiça social, do conhecimento mútuo, da tolerância e da cooperação entre os mais diversos atores das nossas sociedades.

7MARGENS é propriedade de uma Associação Cultural Sem Fins Lucrativos, a Porta 18, e aspira a ser financiado exclusivamente pelos seus leitores / apoiantes, mas recorre também a donativos institucionais que publicita regularmente de modo a assegurar total transparência com aqueles que o visitam. O jornal digital tem como referências mais próximas o trabalho de três décadas desenvolvido pelo seu diretor, António Marujo, e a informação oferecida desde 2002 pelo blog Religionline, um dos primeiros em Portugal, iniciado por Manuel Pinto.

7MARGENS rege-se pelo seu estatuto editorial e o seu limiar de existência vive na dependência do interesse e da participação dos seus leitores. Por isso tem em curso uma campanha de recolha de fundos, propondo que cada pessoa / família contribua com €100,00 para este projeto através da conta CGD: PT50 0035 0675 0004 6941 7308 1.

 

Sete Margens – Estatuto Editorial

7MARGENS é um projeto jornalístico de qualidade, atento à busca de sentido, à inquietação espiritual e à dimensão religiosa nas sociedades contemporâneas.

7MARGENS anima uma plataforma digital através da qual difunde a informação que produz e fomenta e acolhe a participação plural do público, em conformidade com os princípios editoriais que a orientam.

7MARGENS pratica um jornalismo inspirado nas regras éticas e deontológicas das melhores práticas profissionais. Recusa a difusão de notícias sem confirmação, a culpa sem provas e noticiar sem ouvir as partes envolvidas. Não publica rumores, nem confunde notícia com opinião. Procura o contraditório e não sacrifica o rigor da notícia à pressa de a publicar.

7MARGENS não é confessional nem proselitista e é independente de quaisquer poderes, incluindo o religioso.

7MARGENS não tem temas-tabu. Valoriza o debate sobre o sentido do religioso e a dimensão espiritual na sociedade democrática, incluindo o ponto de vista ateu e agnóstico.

7MARGENS entende-se como um espaço aberto à livre expressão do pensamento e à polémica, sujeita apenas às regras do bom senso, do bom gosto e do respeito pela diferença.

7MARGENS dedica especial atenção às artes e à cultura, à justiça social, à dignidade e aos direitos humanos, à ecologia e à paz, enquanto lugares de interrogação crítica, da procura espiritual, das vivências religiosas e das próprias religiões.

7MARGENS valoriza as notícias, mas também a entrevista, o testemunho, a reportagem, o debate, a opinião e a crítica cultural, prestando especial cuidado à contextualização dos acontecimentos, factos e processos que relata.

7MARGENS pauta-se pelo seu Estatuto Editorial. Promove a convivência entre culturas diferentes e toma como referência espacial de difusão o universo da lusofonia.

Propriedade de uma associação sem fins lucrativos, 7MARGENS é viabilizado por mecenas e apoiantes, por donativos e receitas de serviços prestados e assegura total transparência quanto aos apoios recebidos.

Setembro de 2018

 

Ficha Técnica

Editor: Jorge Wemans
Proprietária: Associação Porta 18 – Associação Cultural Sem Fins Lucrativos
Rua da Páscoa 12/r/c D 1250-179 LISBOA
NIF: 514 876 905
CGD: PT50 0035 0675 0004 6941 7308 1

 

7 Margens
Inscrita na ERC como publicação periódica sob o registo nº: 127245
Diretor: António Marujo
Diretor-Adjunto: Eduardo Jorge Madureira

 

Redação Lisboa:
Largo da Luz, 11
1600-764 LISBOA

Verão no 7MARGENS

Verão no 7MARGENS

Durante as próximas semanas e até ao início de Setembro o 7MARGENS abrandará ligeiramente o ritmo de publicação. Isto significa, essencialmente, que pode haver dias em que não vai receber a habitual newsletter diária.
Faremos um esforço, de qualquer modo, por manter viva a secção Entre Margens, com opinião de diferentes colaboradores/as, bem como de tentar marcar presença com várias notícias, comentários, reportagens ou entrevistas.

Apoie o 7 Margens

Breves

Núncio que era criticado por vários bispos, deixa Lisboa por limite de idade

O Papa Francisco aceitou nesta quinta-feira, 4 de Julho, a renúncia ao cargo do núncio apostólico (representante diplomático) da Santa Sé em Portugal, Rino Passigato, por ter atingido o limite de idade determinado pelo direito canónico, de 75 anos. A sua acção era objecto de críticas de vários bispos, embora não assumidas publicamente.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

A teologia das pedras

A tentação de lançar pedras sobre os outros é sempre maior do que a de nos colocarmos em frente a um espelho. Mas, cada vez que lançamos uma pedra contra alguém, no fundo estamos a magoar-nos a nós mesmos.

Um género de ideologia

Já houve quem escrevesse que a ideologia de género não existe. Já houve quem escrevesse que quem defende a igualdade de género esconde uma ideologia. Falemos, pois, da realidade e avaliemo-la à luz não de uma ideologia, mas de duas: a ideologia da igualdade e a ideologia dos que clamam contra a ideologia de género.

Cultura e artes

Três rostos para a liberdade

De facto, para quem o sabe fazer, o cinema é mesmo uma arte muito simples: basta uma câmara, um ponto de partida e pessoas que se vão cruzando e dialogando. E temos um filme, quase sempre um magnífico filme. Vem isto a propósito do último trabalho do iraniano Jafar Panahi: Três Rostos.

A potência benigna de Dietrich Bonhoeffer

O influente magistério de Dietrich Bonhoeffer, a sua vigorosa resistência ao nazismo e o singular namoro com Maria von Wedemeyer são três momentos da vida do pastor luterano que merecem uma peculiar atenção na biografia Dietrich Bonhoeffer. Teólogo e mártir do nazismo, da autoria do historiador italiano Giorgio Cavalleri. A obra, publicada pelas Paulinas em Maio, permite agora que um público mais vasto possa conhecer aquele que é geralmente considerado como um dos mais influentes teólogos do século XX.

Festa de Maria Madalena: um filme para dar lugar às mulheres

A intenção do autor é dar lugar às mulheres. Não restam dúvidas, fazendo uma leitura atenta dos quatro Evangelhos que Jesus lhes dá o primeiro lugar. A elas, anuncia-lhes quem é Ele, verdadeiramente. Companheiras de Cristo, continuarão a sua missão, juntamente com os homens. Anunciando, tal como eles, a Paixão e a Ressurreição de Jesus Cristo; curando, baptizando em nome do Senhor. Tornando-se diáconos. Sabe-se, está escrito. Mas, nos Actos dos Apóstolos, elas desaparecem sem deixar rasto.

Mãos cheias de ouro, um canudo e uma intensa criatividade

Na manhã de 7 de Julho, a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) inscreveu o Convento de Mafra, o santuário do Bom Jesus de Braga e o Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra, na sua lista de sítios de Património Mundial. Curta viagem escrita e alguns percursos falados, como forma de convite à viagem para conhecer ou redescobrir os três novos lugares portugueses do Património da Humanidade.

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Parceiros

Fale connosco