[Crónicas da Guiné – 5]

Sol Mansi, a rádio que nasceu da guerra ao serviço da Paz

| 15 Fev 2023

Anabela B. Ramalho, Rádio Sol Mansi, Guiné-Bissau

Estúdio da rádio católica Sol Mansi, da Guiné-Bissau: “amanhecer o dia” e promover a paz. Foto © José Alves Jana.

 

Significa “amanhecer o dia”, é a rádio católica da Guiné-Bissau e a mais ouvida no país, segundo um estudo encomendado pela delegação da ONU na Guiné-Bissau. As portas da Sol Mansi, dada a ausência do diretor em Portugal, foram-nos abertas por Anabela Bull Ramalho, diretora-adjunta. Explica-nos que nasceu da guerra a boa ideia que deu origem à rádio. O padre Davide Sciocco, missionário italiano em Mansoa, deu-se conta de que a rádio era um instrumento muito usado para a propaganda política pelas várias forças em conflito na guerra civil de 1998/99 e pensou: “Porque não usá-la ao serviço da paz, da reconciliação e do desenvolvimento?”.

Davide Sciocco pôs mãos à obra e fundou, em 2001, a Sol Mansi, uma pequena rádio local de curto alcance [que na passada segunda-feira, 14, assinalou o Dia Mundial da Rádio, como tantas outras emissoras]. Mas que logo se mostrou muito importante. A população sentia “entusiasmo e orgulho” por ter uma rádio e para isso contribuiu também o facto de a produção se apoiar no contributo de voluntários locais, mais de 120. Era a rádio da população, feita pela população e, por isso, muito ouvida no curto território que conseguia cobrir. Anabela Ramalho vem desse primeiro tempo.

Desde o início, a Sol Mansi assumiu-se como espaço de união, pois acolheu a colaboração tanto de cristãos, católicos e evangélicos, como de muçulmanos (numa proporção de metade/metade), chegando a fazer debates conjuntos.

Anabela B. Ramalho, Rádio Sol Mansi, Guiné-Bissau

Redação da Sol Mansi: “O objetivo é contribuir para a formação integral da pessoa humana, assente na paz, na reconciliação, no diálogo entre as religiões.” Foto © José Alves Jana.

 

O sucesso alcançado levou a que em 2008 tivesse crescido o suficiente para se tornar a rádio nacional da Igreja Católica, agora com três estúdios – Bissau, Mansoa e Bafatá – e três retransmissores que lhe permitem cobrir todo o território. Tem 15 jornalistas e uma rede de 50 correspondentes em todo o país, que “são os ouvidos e olhos” da rádio e trazem à antena a voz dos que costumam não ter voz: “Não só sobre assuntos religiosos, das paróquias, mas também sociais, sobretudo sobre direitos humanos, problemas das mulheres, práticas nefastas… Assim temos notícias de todo o país”. Aposta na qualidade deste serviço, por isso todos os anos reúne em Mansoa, durante duas semanas, esses correspondentes para formação, da qual participam também colaboradores de outras rádios não católicas. É mais um contributo para a qualidade da comunicação social no país.

Logo em 2009, a Rádio Sol Mansi, católica, e a Rádio Corânica de Mansoa, muçulmana, assinaram um protocolo de cooperação na formação e na produção de programas. Em resultado, a rádio católica passou a transmitir um programa islâmico e a rádio islâmica um programa católico, exemplo “talvez único no mundo”. Não admira que seja uma rádio premiada e reconhecida além fronteiras.

Anabela B. Ramalho, Rádio Sol Mansi, Guiné-Bissau

Anabela Ramalho, directora-adjunta: “Passamos as notícias de forma isenta e bem documentados. Não fazemos questão de ser os primeiros a dar a notícia.”  Foto © José Alves Jana.

 

Apesar de ser uma rádio da Igreja Católica, o diretor é pela primeira vez um leigo, nomeado pelo bispo, que é o presidente do conselho de administração. Mas “os programas não são apenas religiosos, são de todo o tipo, a programação é transversal”. Como rádio católica, “o objetivo é contribuir para a formação integral da pessoa humana, assente na paz, na reconciliação, no diálogo entre as religiões e no respeito pela diversidade étnica”. A diversidade étnica aparece “como algo formativo”. E quanto à diversidade religiosa, a rádio tem, para esse fim, colaboradores das várias religiões, mesmo da religião tradicional, e dá espaço na antena às diversas crenças. A matriz de espaço de união entre as várias etnias e as várias religiões continua.

A Rádio Sol Mansi não esquece, porém, a sua origem. “Contribuímos para a divulgação da Doutrina Social da Igreja”, explica Anabela Ramalho, sublinhando que “a Igreja Católica tem contribuído muito para a sociedade guineense”.

A Guiné-Bissau não é um país fácil para quem trabalha na comunicação social. Podemos dizer, pelo que ouvimos e pelas notícias que nos chegam, que ser jornalista é ali uma profissão de risco. As relações com o poder não são nada fáceis. Também na rádio católica? “Passamos as notícias de forma isenta e bem documentados. Não fazemos questão de ser os primeiros a dar a notícia.” Pelo que nos diz, isso tem dado à Sol Mansi algum descanso. Mas… “Por vezes ficamos tensos ao dar uma notícia, mesmo bem documentados, para salvar a nossa pele, não nos sentimos seguros.” Esse esforço faz com que a população confie na Sol Mansi. “Nesta sociedade, a comunicação oral é muito importante. Não temos uma paz absoluta, por isso os ouvintes escutam a Rádio Sol Mansi. Se ainda não noticiámos, as pessoas dizem ‘a Sol Mansi ainda não deu’ e esperam para saber o que se passou.” E, em jeito de síntese, Anabela Ramalho afirma: “O nosso compromisso é com o povo”.

 

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças

Este fim de semana, em Roma

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças novidade

Foi há pouco mais de cinco meses que, para surpresa de todos, o Papa anunciou a realização da I Jornada Mundial das Crianças. E talvez nem ele imaginasse que, neste curto espaço de tempo, tantos grupos e famílias conseguissem mobilizar-se para participar na iniciativa, que decorre já este fim de semana de 25 e 26 de maio, em Roma. Entre eles, estão alguns portugueses.

Cada diocese em Portugal deveria ter “uma pessoa responsável pela ecologia integral”

Susana Réfega, do Movimento Laudato Si'

Cada diocese em Portugal deveria ter “uma pessoa responsável pela ecologia integral” novidade

A encíclica Laudato Si’ foi “determinante para o compromisso e envolvimento de muitas organizações”, católicas e não só, no cuidado da Casa Comum. Quem o garante é Susana Réfega, portuguesa que desde janeiro deste ano assumiu o cargo de diretora-executiva do Movimento Laudato Si’ a nível internacional. Mas, apesar de esta encíclica ter sido publicada pelo Papa Francisco há precisamente nove anos (a 24 de maio de 2015), “continua a haver muito trabalho por fazer” e até “algumas resistências à sua mensagem”, mesmo dentro da Igreja, alerta a responsável.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja”

Terminou a visita “ad limina” dos bispos portugueses

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja” novidade

“Penso que estamos a mudar o paradigma da Igreja”, disse esta sexta-feira, 24 de maio, o bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), numa conversa com alguns jornalistas, em plena Praça de S. Pedro, no Vaticano, em comentário ao que tinha acabado de se passar no encontro com o Papa Francisco e às visitas que os bispos lusos fizeram a vários dicastérios da Cúria Romana, no final de uma semana de visita ad limina.

O mundo precisa

O mundo precisa novidade

O mundo precisa, digo eu, de pessoas felizes para que possam dar o melhor de si mesmas aos outros. O mundo precisa de gente grande que não se empoleira em deslumbrados holofotes, mas constrói o próprio mérito na forma como, concretamente, dá e se dá. O mundo precisa de humanos que queiram, com lealdade e algum altruísmo, o bem de cada outro. – A reflexão da psicóloga Margarida Cordo, para ler no 7MARGENS.

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Testemunho de uma judia-americana que abandonou Biden

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Esta é a história-testemunho da jovem Lily Greenberg Call, uma judia americana que exercia funções na Administração Biden que se tornou há escassos dias a primeira figura de nomeação política a demitir-se de funções, em aberta discordância com a política do governo norte-americano relativamente a Gaza. Em declarações à comunicação social, conta como foi o seu processo interior e sublinha como os valores do judaísmo, em que cresceu, foram vitais para a decisão que tomou.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This