Solidariedade da AIS com Cabo Delgado: “É fundamental não ficar indiferente ao sofrimento”

| 5 Abr 2021

Distribuição de mantimentos num campo de refugiados. Foto © ACN-Portugal

 

O ataque à cidade de Palma veio agravar a situação já muito alarmante que se vive na província de Cabo Delgado (Norte de Moçambique), mas contribuiu para chamar a atenção da comunidade internacional para um drama que não é recente. Desde há anos, a população – flagelada por doenças como a cólera ou a covid-19 e por uma insurreição terrorista que se reivindica de islamita – tem sido apoiada por diversas instituições e organizações.

O 7MARGENS quis saber como é que elas vêem o que se está a passar, que trabalho desenvolvem e o que podem os portugueses fazer para ajudar os moçambicanos desta zona do nordeste moçambicano. Ficam a seguir as respostas da Ajuda à Igreja que Sofre, depois de termos divulgado as do Centro Missionário Arquidiocesano de Braga.

 

Como vê a Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) a situação em Cabo Delgado?

A Fundação AIS está profundamente preocupada e empenhada em denunciar a situação que se vive em Cabo Delgado, Moçambique, já desde Outubro de 2017. Infelizmente, Moçambique tem sido um país que tem estado no centro das nossas preocupações não só agora, com o apoio aos deslocados que chegam a Pemba, mas já há vários anos, devido ao facto de ser uma Igreja necessitada, uma Igreja pobre que precisa de ajuda para que ela própria possa apoiar a comunidade.

Os grupos jihadistas têm actuado impunemente e quase sem qualquer actuação por parte das forças governamentais. Os ataques dos grupos armados, que se afirmam como sendo do Daesh, o auto-proclamado Estado Islâmico, já começaram em Outubro de 2017, mas foi no ano passado que atingiram uma maior violência com a destruição de aldeias e vilas e todas as suas infraestruturas, com o rapto e decapitação de muitas pessoas. As últimas estimativas apontam para mais de dois mil mortos e mais de 700 mil deslocados.

A violência que se abateu sobre este país tem sido brutal, não só com a destruição das aldeias e vilas, mas também com a que é infligida a milhares de pessoas que viram familiares a serem assassinados brutalmente à sua frente. Os deslocados que têm chegado a Pemba estão muito fragilizados, física e psicologicamente, e precisam muito de apoio para poderem sobreviver e também para ultrapassar os dramas a que assistiram e vivem.

Além de toda a violência, não nos podemos esquecer que estão a surgir surtos de doenças como a cólera e a malária, devido às condições precárias em que se vive nos campos de deslocados, para além da pandemia de covid-19.

Religiosa das Irmãs Pobres de Jesus Cristo, em Mecúfi, que recebeu ajuda de subsistência em 2020, numa operação que abrangeu 26 religiosas em Pemba. Foto © ACN-Portugal.

 

Que acções está a Fundação a empreender para ajudar as vítimas?

A Fundação AIS tem procurado desde a primeira hora ajudar o esforço da Igreja local no apoio às populações deslocadas, tendo concedido uma primeira ajuda de emergência no valor de 160 mil euros. Ao longo dos anos, a AIS também tem prestado ajuda de subsistência aos sacerdotes e irmãs, bem como financiado a formação de seminaristas e de religiosas, além de outros projectos relacionados com as necessidades mais prementes da vida da Igreja em Moçambique.

O anterior bispo de Pemba, D. Luiz Lisboa, pediu-nos ajuda e sublinhou que era muito importante encaminhar o máximo de ajuda possível para os sacerdotes e as irmãs. São eles que estão lado a lado com o povo que sofre. Mas estão, também eles, de mãos vazias. “São padres que não têm nenhum tipo de rendimento e estão em dedicação total ao seu povo e ao trabalho pastoral”.

Por isso, a Fundação apoia todos os sacerdotes que trabalham na diocese, fornece ajuda de emergência aos refugiados, apoia o atendimento pastoral e o acompanhamento psicossocial aos deslocados e apoia também as rádios Sem Fronteiras e São Francisco, da Diocese de Pemba. Programas muitos semelhantes são desenvolvidas nas dioceses vizinhas de Nampula, Nacala e Lichinga.

Refeição para refugiados: os portugueses podem ajudar também através da solidariedade material com os moçambicanos de Cabo Delgado. Foto: Direitos reservados.

 

Como podem os portugueses ajudar?

Os portugueses podem ajudar de várias formas:

– através da oração pelos milhares de deslocados, pelas vítimas mortais, por todos os que perderam familiares e amigos, e pelos que têm provocado a violência;
– fazendo pressão junto do Governo e da comunidade internacional para que ponham fim à violência em Moçambique;
– e também através da solidariedade para com este povo, que é um dos mais pobres do mundo e que, sem o nosso apoio, não conseguirá sobreviver.

Convido todos, por isso, a visitar a página de Internet da Fundação AIS. Diariamente temos notícias sobre a situação em Moçambique e como apoiar Moçambique através da Fundação AIS. É fundamental que não fiquemos indiferentes ao sofrimento do povo de Moçambique e que os possamos apoiar num dos momentos mais violentos e difíceis das suas vidas. Ajude-nos a ajudar Moçambique!

 

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo novidade

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

pode o desejo

pode o desejo novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo I do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 26 de Novembro de 2022.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito novidade

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This