[Brasil, Religião e Poder]

“Som da Liberdade” e a discussão fundamental sobre a pornografia e o abuso

| 22 Out 2023

Uma imagem do filme Som da Liberdade

Uma imagem do filme Som da Liberdade

 

Baseado em história real, o filme Som da Liberdade arrecadou mais de 180 milhões de dólares (cerca de 170 milhões de euros) nos cinemas dos Estados Unidos e tornou-se um fenômeno também no Brasil, ocupando o primeiro lugar entre os filmes mais assistidos pelo segundo fim de semana consecutivo. A produção norte-americana toca em um dos problemas mais sensíveis que enfrentamos enquanto sociedade: o tráfico e o abuso sexual infantil. 

No Brasil, 73 mil crianças e adolescentes de zero a 17 anos foram vítimas de estupro entre 2019 e 2021, quase 14 mil no primeiro semestre de 2021– aumento de 6,9% comparado ao mesmo período de 2020. O aumento de casos durante a pandemia pode ser explicado pelo facto de mais de 70% da violência ocorrer dentro de casa. Segundo o Relatório Global sobre Tráfico de Pessoas das Nações Unidas, a proporção de crianças traficadas no mundo triplicou nos últimos 15 anos, e a covid-19 agravou a tendência geral de agravamento no tráfico de pessoas. 

Mas como se pode combater a violência sexual quando ela é amplamente incentivada nas sociedades ocidentais? Existe uma correlação estatística entre consumo de conteúdos pornográficos e a violência sexual. Estudos revelam que filmes com conteúdo de pornografia perpetuam a subserviência feminina e normalizam a sexualização infantojuvenil; em mais de 50% dos casos, as mulheres são retratadas como assistentes, secretárias e donas de casa. “Além disso, a figura feminina aparece muitas vezes infantilizada, trajando uniformes escolares, meias, laços e presilhas, voz pueril e ausência de pêlo pubiano, reafirmando a figura de autoridade e poder do homem sobre “adolescentes”, ingênuas e frágeis”. Um estudo de 2010 analisou o conteúdo de 304 cenas de vídeos pornográficos mais populares e indicou que 88% das cenas apresentavam agressão física e 49% agressão verbal. Outro estudo apontou o aumento significativo da propensão para coerção sexual quando homens eram expostos a materiais pornográficos com ou sem conteúdo violento. Nesse sentido, os discursos e as representações imagéticas extrapolam as telas dos computadores e smartphones, e fazem das mulheres, crianças e adolescentes vítimas reais. 

A pornografia é, na maioria das vezes, o principal referencial de iniciação sexual para os jovens e uma normativa entre os homens. No Brasil, entre as pessoas que assumem consumir o conteúdo, 76% são homens e 24% são mulheres. De todos os consumidores, 58% têm menos de 35 anos. Segundo dados de 2018, o Brasil ocupa a décima posição entre os países que mais consomem pornografia, enquanto os Estados Unidos lideram a lista. Curiosamente, esses países têm um forte apelo religioso e conservador. No caso de famílias em situação de vulnerabilidade social, crianças têm acesso a esse tipo de conteúdo cedo, pois convivem com adultos em espaços pequenos, resultando na violação da privacidade de ambos. Nesse contexto, os abusos sexuais são mais facilmente normalizados e, por isso, muitas pessoas somente entendem o que lhes aconteceu na infância ao se tornarem adultas; em casos como esses, embora os danos psicológicos não pudessem ser decifrados, sempre estiveram presentes, gerando vício em pornografia, comportamentos sexuais nocivos, ansiedade social grave e depressão. 

O filme Som da Liberdade invoca, portanto, uma discussão fundamental, mas foi tristemente capturado por setores ultraconservadores, recebendo apoio do ex-Presidente dos Estados Unidos Donald Trump e sendo, por conseguinte, rechaçado por setores progressistas. O resultado é apenas um: a invisibilidade do grave problema que é a violência sexual infantil. Pessoalmente percebo que a violência sexual infantil não é um problema amplamente discutido e combatido pelos setores progressistas e esta é, portanto, a minha crítica. Neste texto, apontei a correlação entre o consumo de pornografia e a violência sexual, mas, como diz a psicóloga Lylla D’Abreu, “Apesar dos números robustos de consumo e produção de pornografia no Brasil, estudos científicos brasileiros sobre o consumo de pornografia e seus efeitos potenciais, no entanto, é visualmente nula”, e de pronto posso pensar em duas razões – entre tantas – para isso: 1) a pornografia move uma indústria milionária, o que torna essa discussão desinteressante; 2) vivemos um momento histórico de extremos, em que esse assunto só pode ser entendido ou sob a ótica da “moralidade” ou sob a ótica da “liberdade”. Com isso, mais uma vez, perpetuamos a violência e invisibilizamos traumas e sofrimentos reais.

Maria Angélica Martins é socióloga e mestra em Ciências da Religião pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Brasil. Pesquisa a relação entre fenómeno religioso e política com ênfase para o protestantismo histórico e o neocalvinismo holandês.

 

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74

“Para que a memória não se apague”

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74 novidade

A “Revolução dos Cravos”, apesar de pacífica, ceifou a vida a quatro jovens que, no dia 25 de abril de 1974, foram mortos pela PIDE/DGS, à porta da sede da polícia política do Estado Novo, em Lisboa, depois de cercada pela multidão. 50 anos passados, recordamos a mais jovem vítima da “revolução sem sangue”, de apenas 18 anos, que era natural de Trás-os-Montes.

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa

No Museu Diocesano de Santarém

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa novidade

Poderá haver quem fique chocado com algumas das peças e instalações que integram a exposição “LIBERDADE GARANTIDA” (escrito assim mesmo, em letras garrafais), que é inaugurada este sábado, 20 de abril, no Museu Diocesano de Santarém. Mas talvez isso até seja positivo, diz o autor, Miguel Cardoso. Porque esta exposição “é uma chamada de atenção, um grito de alerta e de revolta que gostaria que se tornasse num agitar de consciências para a duríssima realidade da perseguição religiosa”, explica. Aqueles que se sentirem preparados, ou simplesmente curiosos, podem visitá-la até ao final do ano.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito”

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito” novidade

O 7MARGENS irá publicar durante as próximas semanas os depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Este primeiro texto inclui uma pequena introdução de contextualização do autor aos textos que se seguirão, bem como o primeiro de 25 depoimentos. De notar que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir

Mosteiro Trapista de Palaçoulo

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir novidade

As obras de requalificação do Mosteiro Trapista de Palaçoulo já se iniciaram. Numa primeira fase, procedeu-se à retirada de escombros, pela mesma empresa que realizou a construção do mosteiro. Desde o fim do período pascal estão em andamento os processos de reconstrução, tendo estes começado por “destelhar a casa”. Em breve, esperam as irmãs, será possível “voltar a oferecer a hospedaria aos hóspedes”. 

A família nos dias de hoje e não no passado

A família nos dias de hoje e não no passado novidade

Quando dúvidas e confusões surgem no horizonte, importa deixar claro que a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, aprovada pelo Concílio Vaticano II nos apresenta uma noção de família, que recusa uma ideia passadista e fechada, rígida e uniforme. Eis por que razão devemos reler os ensinamentos conciliares, de acordo com a atual perspetiva sinodal proposta pelo Papa Francisco, baseada na liberdade e na responsabilidade.

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Comprado pela Madre Luiza Andaluz, em 1924

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Um século volvido sobre a compra do edifício do Convento das Capuchas, em Santarém, por Luiza Andaluz (fundadora da congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima) para ali acolher cerca de cem raparigas que haviam sofrido a pneumónica de 1918 ou que por causa dela tinham ficado órfãs… o que mudou? O 7MARGENS foi descobrir.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This