“Sombra Silêncio” – poesia para vigiar o Mistério

| 18 Mar 19

Assim descreve Carlos Poças Falcão, numa breve nota final, os poemas reunidos em Sombra Silêncio: «Cançonetas de um Verão que logo passam, mas que para sempre ficam ligadas à memória mítica de um rosto, de um clima, de um lugar – assim estes poemas. Em caso algum me biografei. Mas em todos eles me vejo e me estranho.»

Trata-se de uma obra que merece aqui ser invocada, chamada para o espaço de leitura, de escuta e de conversação. O poeta vimaranense oferece-nos nestes poemas, numa linguagem sóbria e despojada, um caminho de entrega e confiança pessoal onde Deus surge como um tu, em ritmo e entoação sálmica. O desejo de oração e de escuta entrecruza-se com a nostalgia de um espaço de silêncio e de confiança, onde o corpo e os sentidos são uma abertura ainda por purificar na busca do Mistério.

«Se conseguisse apenas caminhar, quando caminho;/ apenas inspirar e expirar; orar apenas,/ em estado de oração – seria um vivo; os meus sentidos/ noticiavam Deus ao mesmo Deus, em transparência»

 «Daqui, deste ruído, serei eu, Senhor, capaz/ de te ouvir? Parece que meus olhos são mais prontos/ a ver só as fissuras, os derrames e as úlceras/ que assomam dos infernos – mas estão cegos para ti/ embora tu os limpes, lhes dês luz e os procures.»

Nota-se um registo pessoal, de leitura do percurso já feito, meditado, em que a noite e o dia se entrelaçam numa sociedade em que o brilho das luzes e o ruídos das comunicações pedem um outro tipo de olhar e de escutar, de palavras e de gestos. O Mistério revela-se como Sombrae Silêncio, apontando-nos páginas bíblicas como a do episódio de Elias na montanha (1Reis 19, 12), ou da Anunciação a Maria (Lucas 1, 35). Mas nestas páginas somos reconduzidos também, por exemplo, à poesia de Fernando Echevarría, ao Diário de Dag Hammarskjöld ou às lúcidas análises de Eduardo Lourenço.

«Neste humanismo abafa-se – e não sem um tremor/ armamo-nos dos verbos de um programa insubmisso:/ calar e apagar, desconectar, desaparecer./ Manda a democracia que falemos? Nós calamos./ Exige o espectáculo mais brilho? Apagamo-nos./ Devemos estar em rede e ao serviço? Desligamo-nos./ A Coisa Absurda chama-nos? Ah, não comparecemos!» 

Nos ritmos preenchidos e aparentemente caóticos do quotidiano, a poesia surge-nos como um convite à simplicidade da linguagem, à leitura demorada das letras e dos sinais, à vigilância diante do Mistério que visita o nosso real. Sombra Silênciocontém, sem dúvida, esse convite.

«Foi numa dessas horas que descobri que Deus/ não passa bem sem mim – o que não me indigna/ e também não me alivia da grande liberdade. Afinal/ ser homem para Deus é o sabor inicial.»

Sombra Silêncio, de Carlos Poças Falcão; Ed. Operaomnia, Guimarães, 2018, 64 páginas.

[related_posts_by_tax format=”thumbnails” image_size=”medium” posts_per_page=”3″ title=”Artigos relacionados” exclude_terms=”49,193,194″]

Breves

Dia 4 de outubro

Filme “A Carta” exibido em Campo de Ourique

O documentário “A Carta” que relata a história da Encíclica Laudato Si’, recolhe depoimentos de vários ativistas do clima e tem como estrela principal o próprio Papa Francisco vai ser exibido no auditório da Escola de Hotelaria e Turismo na terça-feira, dia 4 de outubro, às 21h15.

Boas notícias

Apoio escolar a crianças de Cabo Delgado

Cristãos e muçulmanos juntos

Apoio escolar a crianças de Cabo Delgado

A tragédia que ocorre na província moçambicana de Cabo Delgado em consequência de ataques de insurgentes que se reivindicam do jihadismo obriga, constantemente, a rever o número de mortos e de deslocados. Mas também impõe que se olhe com muita atenção para o trabalho de apoio aos que se apresentam numa situação mais vulnerável

É notícia 

Entre margens

John Rawls: a religião nos limites da razão

John Rawls: a religião nos limites da razão novidade

John Rawls nasceu há pouco mais de 100 anos (21.2.1921) e A theory of justice, a sua obra mais conhecida e seguramente o mais importante tratado de filosofia política de todo o século XX, data de 1971. Duas datas que os amantes da liberdade e da democracia política têm abundantes razões para celebrar, mas quase despercebidas na imprensa e na pomposamente chamada academia, territórios onde a razão serena vem tendo evidente dificuldade em singrar.

Como árvores desfolhadas

Como árvores desfolhadas

Um dia destes, alguém chamou a minha atenção para as duas árvores defronte à minha casa. Duas árvores da mesma natureza; mas enquanto uma delas estava coberta de folhas, a outra estava desfolhada.

Tecnologia: do centro e das margens

Tecnologia: do centro e das margens

Para sair do centro para a periferia, não basta uma conversão espiritual, é necessária uma revolução tecnológica, que não é digital. Porque quem usar na periferia as técnicas do centro pode acabar eletrocutado, perdão, sociocutado.

Cultura e artes

Os Evangelhos Apócrifos traduzidos por Frederico Lourenço

Pré-publicação 7M

Os Evangelhos Apócrifos traduzidos por Frederico Lourenço novidade

Frederico Lourenço, que tem estado a traduzir a Bíblia, num projeto muito aplaudido, apresenta agora a tradução para português dos evangelhos apócrifos, a partir das línguas originais – latim e grego. Combatidos a partir do século IV e excluídos a partir do século XVI, estes evangelhos apócrifos são agora reunidos numa edição bilingue. Pré-publicação.

Sete Partidas

Vigília

Vigília

Cai a noite. Esta noite é em Berlim. As noites são agora aqui, mas já foram em Coimbra, no Porto, em Lisboa. E estas noites acontecem em todo o mundo, disso tenho a certeza. O que faz um(a) médico(a) passar a noite à volta de um doente que sabe que, após uma primeira avaliação, é quase certo que não vai sobreviver? É quase certo.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This