Sopas do Espírito Santo dão a volta ao mundo em novos selos de correio

| 1 Ago 20

Selos. Festas do Espírito Santo. Açores

Um “teatro”, um bodo e uma coroa para a circulação de âmbito nacional; foliões, um “balho” e uma pomba para a Europa; e uma bênção do bodo, as sopas e uma rosquilha de massa sovada para o resto do mundo. O culto do Paráclito, ou seja, “aquele que ajuda, conforta, anima, protege, intercede” está desde a última quinta-feira, 30 de Julho, representado numa emissão filatélica dos Correios de Portugal, dedicada às festas do “Senhor Espírito Santo”, como é habitualmente designada nos Açores a terceira pessoa da Santíssima Trindade cristã.

No arquipélago, recorre-se “a Ele, sobretudo, em busca de ajuda e ânimo”, escreve o historiador e museólogo açoriano Francisco Maduro-Dias na pagela de apresentação da emissão. “Porque alguma doença visitou o lar, a vida não corre bem, em tempo de terramotos ou guerra, quando, perante adversidades em demasia, as forças tendem a faltar. Não é entregar-se, é pedir ajuda! O que é bem diferente e faz todo o sentido a quem mora no meio do oceano, às vezes tempestuoso e agreste.”

O historiador acrescenta que é impossível resumir tudo o que envolvem as festas ao Divino Espírito Santo, como se designam. “Poder-se-á dizer que são momentos de encontro, de partilha, de irmandade, de alegria e de paz, celebrando-se, todos os anos, entre o Domingo de Páscoa e o Domingo da Trindade, sete semanas depois.”

Maduro-Dias diz ainda, sobre o carácter da celebração: “Trata-se de uma festa fortemente comunitária e de cariz solidário profundo. Como já acontecia na Idade Média, o que se pretende, nestas semanas, é recordar que todos são dignos de misericórdia, todos são pobres e merecedores de esmola, todos merecem, ao menos uma vez por ano, ter mesa farta e alegre. Tudo isso sem esquecer, nunca, que o Paráclito é Aquele que conforta, protege e anima.”

São esses diferentes aspectos que acentuam os selos agora postos em circulação: seja a partilha do alimento (pão, bodo, sopas…), a devoção (os impérios ou pequenas capelas) ou o espírito comunitário e a alegria.

 

Rainha Santa trouxe a festa de Itália

Tradicionalmente, no primeiro dia de uma nova emissão, os Correios fazem uma pequena cerimónia de aposição do carimbo com essa data em algum lugar relacionado com o tema (além das estações centrais de Lisboa, Porto, Funchal, Ponta Delgada e Angra do Heroísmo) – o que valoriza os sobrescritos com a emissão e a marca do primeiro dia de circulação junto dos coleccionadores. A apresentação desta nova emissão, com a aposição do carimbo de primeiro dia, decorreu quinta-feira, ao final da tarde, no Império do Terreiro, em Porto Judeu (Angra do Heroísmo), reproduzido no selo destinado a circular em território nacional.

Além dos três selos para circulação, a emissão inclui ainda um bloco filatélico que inclui imagens da Casa do Espírito Santo, na ilha do Corvo, do grupo de foliões da freguesia da Caveira nas orações à Santíssima Trindade, a Casa do Espírito Santo da Caveira (ilha das Flores) e decorações em carros de bois na ilha de São Jorge.

No texto citado, Francisco Maduro-Dias recorda a origem da Itália medieval para as festas e o culto em honra do Divino. A sua chegada a a Portugal deveu-se, segundo a tradição, à Rainha Santa Isabel, mulher do rei D. Dinis. “As navegações oceânicas portuguesas trouxeram este culto até às ilhas atlânticas e, desde então, aqui floresce, tendo acompanhado as rotas de emigração açoriana para o Maranhão e Sul do Brasil, para os Estados Unidos, Bermuda e Canadá.”

As festas incluem sempre um peditório e recolha de bens, a oração do rosário, a coroação e o cortejo, uma refeição festiva e um bodo ou dádiva de esmolas de alimentos. Os impérios, pequenas ermidas que são um dos centros das festas, podem ter uma arquitectura mais próxima de uma capela, ser muito ou pouco ornamentados ou ser quase uma casa no meio das outras, descreve o historiador.

As iguarias tradicionais próprias das festas incluem as sopas do Espírito Santo, “cuja receita varia de ilha para ilha, a alcatra, carne guisada, o arroz doce, e uma variedade assinalável de pães de leite, de água ou de massa sovada, de rosquilhas, de bolos de véspera”, entre outras. Dependendo da ilha e da região, pode haver ainda cantos à porta dos mordomos, ou cantos característicos de foliões.

 

Artigos relacionados

Padre João Felgueiras, 100 anos: várias memórias e três imagens

Missionário em Timor

Padre João Felgueiras, 100 anos: várias memórias e três imagens

O padre João Felgueiras, padre jesuíta e missionário em Timor-Leste desde 1971, atravessou a época colonial portuguesa (até 1975), a ocupação indonésia (1975-1999) e os anos da independência (2002 até hoje). Completando 100 anos neste 9 de Junho (viveu 50 anos em Portugal e outros 50 em Timor-Leste), o jesuíta foi o centro de uma pequena homenagem em Díli, que incluiu a publicação de um livro com vários depoimentos. Dele se extraem vários elementos que a seguir se coligem acerca da vida deste homem e padre que, durante a ocupação indonésia, apoiou a resistência timorense e que chegou a enviar recados para os políticos portugueses (ver texto de Adelino Gomes no final).  

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Ano de S. José em Coimbra

Dia do Ambiente assinalado com plantação de cedro do Líbano

A Paróquia de S. José, em Coimbra assinalou, no passado sábado, o Dia Mundial do Ambiente com a plantação de um Cedro do Líbano no jardim junto à igreja.  Um momento que contou com a presença de Helena Freitas, professora do Departamento de Botânica da Universidade de Coimbra, e de um grupo de crianças da catequese, do Grupo ASJ – Adolescentes de São José e de vários paroquianos.

Vaticano

Papa “magoado” com restos mortais de 215 crianças no Canadá

O Papa Francisco confessou-se magoado com a descoberta dos restos mortais de 215 crianças numa antiga escola católica para crianças indígenas no Canadá, pedindo respeito pelos direitos e culturas dos povos nativos. No entanto, não apresentou um pedido de desculpas, como pretendem o Governo daquele país e dirigentes de comunidades autóctones.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Protestantismo

Colóquio internacional sobre Lutero

“Lutero – 500 anos: herege e inimigo do Estado” é o título do colóquio que tem lugar às 21h00 desta terça-feira, 25 de maio, via zoom, organizado pela Sociedade Portuguesa da História do Protestantismo.

Médicos Sem Fronteiras denunciam a perda de vidas civis em Gaza

Considerando “indesculpáveis e intoleráveis os ataques aéreos israelitas feitos nos últimos dias contra a população e infraestruturas civis em Gaza”, a organização internacional médica-humanitária Médecins Sans Frontières / Médicos Sem Fronteiras (MSF) confirma que a clínica que opera em Gaza foi danificada na sequência dos bombardeamentos de domingo, 16 de Maio. Uma sala de esterilização ficou inutilizável e uma zona de espera foi destruída.

Do interior ao Médio Oriente e ao mundo, quatro jornalistas explicam como gastam a sola dos sapatos

Jornalismo com maior transparência, originalidade e com histórias contadas a partir de pessoas concretas, gastando as solas dos sapatos. Com esse ponto de partida, tendo como pano de fundo a mensagem do Papa para o Dia Mundial das Comunicações Sociais, que se assinalou neste domingo, 16 de Maio, o 70×7, programa da Igreja Católica na RTP2, foi este domingo ao encontro de quatro jornalistas, que procuram dar prioridade à ideia de contar histórias.

Cardeal Marto: sem espiritualidade, caímos em novas escravaturas

O bispo de Leiria-Fátima, cardeal António Marto, defendeu neste domingo o respeito pela dignidade humana, ligada à dimensão espiritual: “Sem esta dimensão espiritual, a vida em sociedade torna-se um caos, fica entregue à lei do mais forte”, afirmou neste domingo, 16.

Entre margens

Moçambique

Ventos, baladas e canções do matrimónio

Tive que escrever um texto sobre Balada de Amor ao Vento, o primeiro romance da primeira romancista moçambicana, Paulina Chiziane. Folheando o livro, encontrei algumas anotações feitas, há algum tempo. Tenho o hábito de borrar nos meus livros, com os pensamentos que me ocorrem, no momento da leitura.

Futebol

A república do ludopédio

Os ingleses inventaram o ludopédio (futebol) e continuam a driblar-nos com ele. Mas isso só é possível porque persistimos em ser provincianos. Deslumbramo-nos com tudo o que vem de fora e nem sequer nos damos ao respeito.

Cultura e artes

Livro

As casas e os espaços dos primeiros cristãos novidade

Esta obra apresenta uma coletânea de textos dos quatro primeiros séculos sobre os espaços que os cristãos criaram para celebrar a sua fé, desde homilias a catequeses pascais, de cartas a escritos teológicos. O leitor é introduzido neste património literário por um amplo estudo de Isidro Lamelas.

Concerto em Lisboa

Música de Pärt e Teixeira para um tempo de confiança

Hinário para um tempo de confiança, obra musical de Alfredo Teixeira, sobre textos de frei José Augusto Mourão, e The Beatitudes (As bem-aventuranças), do estoniano Arvo Pärt, raramente interpretada em Portugal, são as duas peças que marcam o regresso do Ensemble São Tomás de Aquino à sua temporada de concertos, neste sábado, 5 de Junho, às 21h, na Igreja Paroquial de São Tomás de Aquino (R. Virgílio Correia, em Lisboa).

Dia Mundial dos Oceanos

“Ilhas de Plástico” no rio Minho apelam à luta ambiental

Artista idealizou como metáfora do tempo um conjunto de 24 esculturas esféricas de grande dimensão forradas com materiais de plástico, garrafas de água, tubos de diferentes cores e feitios idênticos aos utilizados na construção civil. Unidas entre si formam uma mega-instalação flutuante e ondulante, atractiva, pedagógica, capaz de provocar olhares desencontrados. No próximo dia 8 de Junho, Dia Mundial dos Oceanos, estará fundeada no rio Minho.

Sete Partidas

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco