Sophia Loren regressa aos ecrãs 11 anos depois, para interpretar sobrevivente do Holocausto

| 3 Out 20

sophia loren the life ahead

Em The Life Ahead, Sophia Loren interpreta Madame Rosa, uma judia que cria amizade com um órfão senegalês de 12 anos, depois de este ter tentado roubá-la. Foto: IMDb.

 

 

A atriz italiana Sophia Loren é a protagonista do novo filme da Netflix, The Life Ahead (A Vida à sua Frente). Aos 86 anos, a estrela de cinema regressa aos ecrãs pela primeira vez em mais de uma década para dar vida a uma sobrevivente do Holocausto que toma conta de filhos de prostitutas, num drama realizado pelo seu filho Edoardo Ponti.

O filme, que tem estreia marcada nos EUA para o dia 13 de novembro, é uma adaptação do romance de Romain Gary, The Life Before Us (Uma Vida à Sua Frente, título da ed. portuguesa na Sextante Editora). Sophia Loren interpreta Madame Rosa, uma judia que cria amizade com um órfão senegalês de 12 anos, depois de este ter tentado roubá-la.

“Adorei representar a Madame Rosa. Ela é dura, frágil, é uma sobrevivente. Em muitos aspetos, ela faz-me lembrar a minha própria mãe”, disse Sophia Loren em entrevista ao site Deadline.

Quanto ao argumento, a atriz revelou ser uma “grande fã” do romance que o inspirou. “Antes de mais, a história é tão rica: é divertida, é de partir o coração, é poética, mas também é intemporal porque lida com a importância de ser visto e ouvido. É também uma história muito comovente entre duas personagens que aparentemente estão separadas por tudo: raça, religião, cultura e geração, e no entanto são dois lados da mesma moeda”, sublinhou.

Esta é a terceira vez que Sophia Loren trabalha com o filho, depois da participação no filme Between Strangers, em 2002, e na curta-metragem Human Voice, em 2014, ambas realizadas por Ponti.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Um Grande Homem: Integrado Marginal

José Cardoso Pires por Bruno Vieira Amaral

Um Grande Homem: Integrado Marginal novidade

Integrado Marginal foi leitura de férias junto ao mar, entre nevoeiros e nortadas que me levavam a recorrer a esplanadas cobertas para ler enquanto tomava um café bem quente. Moledo do Minho no seu inquieto esplendor… e capricho! Tinha lido algumas obras de José Cardoso Pires: Lisboa. Livro de Bordo (feito para a Expo 1998); O Burro em Pé (livro para crianças); Alexandra Alpha; De Profundis: Valsa lenta; O Delfim.

Crescimento ou Decrescimento, eis a questão

[Mãos à obra]

Crescimento ou Decrescimento, eis a questão novidade

O conceito de desenvolvimento sustentável tem duas interpretações: para os intelectuais humanistas é um desenvolvimento que respeita o ambiente, de forma abstrata, sem contabilizar desenvolvimento ou impacte ambiental, mas pode levar a questionar o modelo económico e até o modo de vida actuais; para os industriais, políticos e economistas entende-se como um desenvolvimento que possa ser eterno.

A ideia de Deus

A ideia de Deus novidade

Não é certo que quem nasça numa família de forte tradição religiosa esteja em melhores condições do que qualquer outra pessoa para desenvolver a componente espiritual e uma relação com o divino. Pode acontecer exatamente o inverso. Crescer com uma ideia de Deus pode levar-nos a cristalizá-la nos ritos, hábitos ou procedimentos que, a dada altura, são desajustados ou necessariamente superficiais.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This