Cinema

Srebrenica, 25 anos depois

| 15 Jun 2021

Quo Vadis, Aida? tem o dom de despertar consciências.

 

Vi há poucos dias na televisão que foi confirmada a condenação do general sérvio Ratko Mladić, responsável pelo tenebroso massacre de Srebrenica, na Bósnia-Herzegovina. Por coincidência, tinha ido ver, na véspera, o filme Quo Vadis, Aida?, precisamente sobre esse momento terrível vergonhoso da nossa história europeia, apenas há 25 anos, em 1995. Não resisti a escrever duas breves notas, mais indignadas do que cinematográficas.

Aviso, desde já, que não é um filme recomendável: pode levar o coração mais indiferente à comoção, tal a desumanidade e a monstruosidade do que passa diante dos nossos olhos.

Acrescento, no entanto, que é um filme de visão obrigatória para todos, a começar pelos mais jovens que nem sequer têm memória destes acontecimentos, apesar de tão recentes. E porquê? Porque era fundamental que tragédias hediondas e desnecessárias como esta não voltassem a repetir-se. E, infelizmente, para nossa vergonha, continuam a acontecer, de maneiras várias, em muitos lugares do nosso Mundo, desta Casa Comum que devia ser da fraternidade e da paz, da amizade e da justiça. Pelo menos.

Como escreve o Papa Francisco na Fratelli Tutti – e como ele próprio testemunha na sua capacidade de abrir-se e dialogar com todos: “Não podemos permitir que a atual e as novas gerações percam a memória do que aconteceu, aquela memória que é garantia e estímulo para construir um futuro mais justo e fraterno”. E também: “Sem memória nunca se avança; não se evolui sem uma memória íntegra e luminosa. Precisamos de manter viva «a chama da consciência coletiva, testemunhando às sucessivas gerações o horror daquilo que aconteceu», que assim «aviva e preserva a memória das vítimas, para que a consciência humana se torne cada vez mais forte contra toda a vontade de domínio e destruição»”. (FT, 248-249)

Devemos então estar muito agradecidos à realizadora bósnia Jasmila Zbanic pelo presente deste filme, assinalando os 25 anos dessa inominável desgraça. Aida é uma personagem ficcional, mas inspirada na experiência concreta de um tradutor bósnio que trabalhou para a ONU. Nunca mais esqueceremos o rosto daquela mulher, daquela mãe, daquela esposa, daquela vizinha, completamente impotente para salvar sequer os seus filhos e marido, quanto mais a imensa multidão dos que tiveram de fugir das suas casas e tentar proteger-se junto do quartel dos capacetes azuis, holandeses naquele caso.

Não esqueceremos esse rosto marcado pela impotência e pela raiva, como não esqueceremos o cinismo e o prazer do poder, a soberba e a falta de compaixão dos soldados sérvios, impantes, a deliciarem-se com o pavor dos outros.

É um filme em tensão, do início ao fim, não nos dá descanso, faz-nos sentir tão impotentes como Aida e todos os que vão ser mortos e abandonados. Só nos resta perguntar, incrédulos: como foi isto possível, em plena Europa? Porquê aquela incapacidade das Nações Unidas? Teria sido possível fazer mais? Ficamos sem saber se foi por ingenuidade ou por falta de força militar aquela entrega dos bósnios-muçulmanos, os homens para serem executados sumariamente, as mulheres para serem levadas para longe da sua cidade. Os soldados holandeses parecem pouco mais do que adolescentes, e os chefes desapoiados e perdidos.

São muitos os sentimentos que a realizadora sabe provocar-nos ao longo da história, mas sente-se que não foi o ódio a motivá-la a fazer o filme; apenas a indignação pelo que aconteceu e, certamente, o apelo para que não volte a acontecer nunca mais.

“O perdão não implica esquecimento. Aqueles que perdoam de verdade não esquecem, mas renunciam a deixar-se dominar pela mesma força destruidora que os lesou. Quebram o círculo vicioso.” (Fratelli Tutti, 250-251)

Não é um filme recomendável, digo mesmo que é difícil, mas é fundamental que nos deixemos confrontar pelo mal que somos capazes de fazer.

 

Quo Vadis, Aida?, de Jasmila Znanic
Título original: Quo Vadis, Aida?
Com Jasna Djuricic, Izudin Bajrovic, Boris Ler
Drama, Histórico, Guerra
FRA/POL/HOL/Bósnia/NOR/ALE/Áustria/ROM/Turquia, 2020
Cores, 101 min., M/14.

 

Manuel Mendes é padre católico e pároco de Esmoriz (Ovar).

 

Judeus do Partido Trabalhista atacam política de Israel

Reino Unido

Judeus do Partido Trabalhista atacam política de Israel novidade

Glyn Secker, secretário da Jewish Voice For Labor – uma organização que reúne judeus membros do Partido Trabalhista ­–, lançou um violento ataque aos “judeus que colocam Israel no centro da sua identidade” e classificou o sionismo como “uma obscenidade” ao discursar no dia 10 diante de Downing Street, durante um protesto contra os ataques de Israel na faixa de Gaza.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

Nos 77 anos do ataque atómico

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

“Apelo a todos os membros” do Parlamento japonês, “bem como aos membros dos conselhos municipais e provinciais” para que se “encontrem com os hibakusha (sobreviventes da bomba atómica), ouçam como eles sofreram, aprendam a verdade sobre o bombardeio atómico e transmitam o que aprenderem ao mundo”, escreve, numa carta lida nas cerimónias dos 77 anos do ataque atómico sobre Nagasaki, por um dos seus sobreviventes, Takashi Miyata.

Mar Egeu: dezenas de pessoas desaparecidas em naufrágio

Resgatadas 29 pessoas

Mar Egeu: dezenas de pessoas desaparecidas em naufrágio

Dezenas de pessoas estão desaparecidas depois de um barco ter naufragado no mar Egeu, na quarta-feira, ao largo da ilha grega de Cárpatos, divulgou a ACNUR. A embarcação afundou-se ao amanhecer, depois de da costa sul da vizinha Turquia, em direção a Itália. “Uma grande operação de busca e resgate está em curso.”

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This