Sri Lanka proíbe burca e ameaça fechar mil madraças

| 15 Mar 21

Buying the dry goods market, CC BY-SA 2.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=38722552

Mulheres de burca num mercado. Foto © CC BY-SA 2.0/Wikimedia Commons.

 

O Governo do Sri Lanka vai proibir, por razões de segurança nacional, o uso de burca nos espaços públicos e fechar cerca de 1000 madraças – escolas muçulmanas, ou escolas de estudos islâmicos – se aprovar o decreto que o ministro do Interior e da Segurança Pública, Sarath Weerasekara, anunciou este fim-de-semana ter assinado. “A burca”, disse o ministro, quando visitava, no sábado 13 de março, um templo budista, “é um símbolo do extremismo religioso” e, segundo ele, as madraças não estão legalizadas e não seguem o plano de educação nacional.

O uso de burca já esteve suspenso após o mortífero ataque do Sábado de Aleluia de 2019 em que diversas explosões de bombas colocadas em três hotéis, duas igrejas católicas e uma protestante fizeram mais de 260 mortos e foram atribuídos a grupos radicais islâmicos. Os muçulmanos não são mais de 9% da população do Sri Lanka (um pouco mais do que os cristãos) que entre os seus 22 milhões de habitantes conta com 70% de budistas.

 

Jornada Nacional Memória & Esperança 2021 já tem site

Homenagem às vítimas da pandemia

Jornada Nacional Memória & Esperança 2021 já tem site novidade

O site oficial da Jornada Nacional Memória & Esperança 2021, iniciativa que visa homenagear as vítimas da pandemia com ações em todo o país entre 22 e 24 de outubro, ficou disponível online esta sexta-feira, 17. Nele, é possível subscrever o manifesto redigido pela comissão promotora da iniciativa e será também neste espaço que irão sendo anunciadas as diferentes iniciativas a nível nacional e local para assinalar a jornada.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Novo ano letivo: regressar ao normal?

Novo ano letivo: regressar ao normal? novidade

Após dois conturbados anos letivos, devido à pandemia, as escolas preparam-se para um terceiro ano ainda bastante incerto, mas que desejam que seja o mais normal possível. O regresso à normalidade domina as declarações públicas de diretores escolares e de pais, alunos e professores. Este desejo de regresso à normalidade, sendo lógico e compreensível, após dois anos de imensa instabilidade, incerteza e experimentação, constitui ao mesmo tempo um sério problema.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This