STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

| 19 Jun 20

Newland, North Carolina, USA.Foto © Luís Castanheira Pinto

 

Cheguei a esta cidade onde agora vivo em Novembro do ano passado. Sozinho. A família veio depois, a seguir ao Natal. Estamos todos em Washington D.C. há cerca de 5 meses.

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo vermelho, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Estranhei. É mesmo necessário?…

Os primeiros tempos por aqui foram engolidos pela vertigem da descoberta. Do novo. A casa nova, a rua nova, a escola nova. Os supermercados que desconhecemos. Não sabemos a ordem das prateleiras. Os nomes das ruas. As lojas sem identidade. Os sotaques de uma língua que afinal não aprendemos. O GPS sempre ligado, continuamente perdidos que andamos. A ausência de referências. A busca de experiências passadas que ajudem a descodificar. É preciso esperar na fila? É aqui que se estaciona? Dizemos bom-dia? É costume separar o lixo? As bicicletas andam na estrada? Convidamos os vizinhos?… A mochila de vivências anteriores não ajuda. Apesar de extensa, é limitada. Dá-nos respostas que conhecemos. Não necessariamente as que procuramos. Nem sequer as necessárias. Na verdade, porque não são as respostas que importam. São as questões as que mais valem. É o fascínio de não saber. O fascínio delirante de não saber, de não conhecer. A adrenalina em jorros à procura de sentido. Dos sentidos.

Depois, vêm os lugares que desembrulhamos, como prendas de Natal. Um a um. Revelando cada qual uma surpresa e uma expectativa bem guardadas. Secretas. A Casa Branca. O Capitólio. Nova Iorque. Anápolis. Mount Vernon. Alexandria. Cheaspeake Bay. Cherokee National Forest. Os planos intermináveis de outros sítios a explorar. E mais outros. E ainda mais estes. O carro comprado para viagens. A Primavera a prometer aventura, liberdade. A imaginação a fervilhar de imagens revividas nos écrans. As pastagens dos índios americanos. As explorações de algodão a sul. O bairro francês de New Orleans. Os grandes lagos do Michigan e os imensos parques nacionais. As caraíbas mesmo aqui ao lado e o Hawai mais perto do nunca. Ficamos por aqui?

E claro, um trabalho novo. Caras novas. Gente de muitos outros lugares. Só na minha equipa, Serra Leoa, Uganda, Holanda, Etiópia, Estados Unidos, França, Uzbequistão, Afeganistão, India, Nigéria, Taiwan, Filipinas, Indonésia, Ruanda, Senegal, Polónia. Esqueço-me de alguns. Não importa. Na realidade, não interessam as nacionalidades. Interessam as vidas de mulheres e crianças que se procura salvar. Uma pretensão arrogante, altiva, ilusória talvez. Mas mobilizadora. Terrivelmente mobilizadora. As horas que voam num sufoco de urgência. O peso da relevância e do sentido. Sentir-me parte deste novo mundo profissional faz-me sentir bem. Útil. Necessário. Desejado. Um egoísmo mal disfarçado num projecto maior que tudo isto. As viagens já alinhadas. O contacto directo com quem mais precisa. Sentir a necessidade da presença. Ir lá. Estar lá. Com eles. E o Deus em que acredito em cada um desses rostos.

Entretanto chegou o COVID-19. E tudo parou. STOP. Não era para abrandar. Era para parar. Mesmo. Porque era mesmo necessário. Doeu fundo. Custou. Mas terá sido talvez mais fácil para quem já sabia parar. Quem aprendeu a fazê-lo. Quem o faz por hábito. Sem planear. Sem pensar em apenas abrandar. Bastando apenas saber ler o sinal STOP nas nossas vidas. Parar. E depois continuar.

 

Luis Castanheira Pinto é licenciado em economia, tem-se dedicado às questões do conhecimento, aprendizagem e desenvolvimento de competências e trabalha no Banco Mundial, em Washington DC (Estados Unidos). É casado e pai de três filhos. Viveu anteriormente no Porto, Lisboa, Bruxelas e Copenhaga.

 

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Clubes Terra Justa: a cidadania não se confinou

Clubes Terra Justa: a cidadania não se confinou

Durante esta semana, estudantes e movimento associativo de Fafe debatem o impacto do confinamento na cidadania e na justiça. A Semana Online dos Clubes Terra Justa é assinalada em conferências, trabalhos e exposições, com transmissão exclusiva pela internet. Entre as várias iniciativas, contam-se as conversas com alunos do 7º ao 12º ano, constituídos como Clubes Terra Justa dos vários agrupamentos de escolas de Fafe.

É notícia

Entre margens

De joelhos os grandes sistemas económicos novidade

Mas – dizem –, se existem catástrofes na economia motivada por um vírus exponencial, a “mão humana” lá está para dar alento a esta tempestade. E essa tem um “confinamento” suave, porque quem sofre são os trabalhadores mais vulneráveis, os informais, os pobres, as mulheres, as pessoas de cor, os migrantes e os refugiados. A violência doméstica aumenta, os direitos humanos são atrofiados e a indústria privada farmacêutica e o seu sistema de patentes é orientada para lucros inconcebíveis, em que a defesa da dignidade das mulheres e dos homens é colocada em causa.

O poder tende a corromper e o poder absoluto corrompe absolutamente

Presumir a virtude do sujeito que detém o poder é, para além de naïf, algo injusto. Expor qualquer pessoa à possibilidade do poder sem limites (ainda que entendido como serviço) é deixá-la desamparada nas múltiplas decisões que tem de tomar com repercussões não só em si mesma, mas igualmente em terceiros. E também, obviamente, muito mais vulnerável para ceder a pressões, incluindo as da sua própria fragilidade.

Economista social ou socioeconomista?

Em 2014, a revista Povos e Culturas, da Universidade Católica Portuguesa, dedicou um número especial a “Os católicos e o 25 de Abril”. Entre os vários testemunhos figura um que intitulei: “25 de Abril: Católicos nas contingências do pleno emprego”. No artigo consideram-se especialmente o dr. João Pereira de Moura e outros profissionais dos organismos por ele dirigidos; o realce do “pleno emprego”, quantitativo e qualitativo, resulta do facto de este constituir um dos grandes objetivos que os unia.

Cultura e artes

Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir” novidade

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

Teologia bela, à escuta do Humano novidade

Pensar a fé, a vivência e o exercício do espírito evangélico nos dias comuns, é a tarefa da teologia, mais do que enunciar e provar fórmulas doutrinárias. Tal exercício pede atenção, humildade e escuta dos rumores divinos na vida humana, no que de mais belo e também de mais dramático acontece na comunidade dos crentes e de toda a humanidade.

Morreu João de Almeida, renovador da arquitectura religiosa em Portugal

Em Maio de 2015, manifestava-se, em entrevista ao Expresso um homem “cem por cento contente com a vida”. O arquitecto e pintor João de Almeida, fundador do Movimento de Renovação da Arte Religiosa (MRAR) morreu na segunda-feira, em Lisboa, aos 92 anos. O seu funeral e cremação será esta quarta, 24 de Junho, às 17h, no cemitério do Alto de São João.

Sete Partidas

De Itália, cratera do vulcão covid, desafios e alertas

A covid ainda anda por aí à solta. E lança os tentáculos em direcções complicadas, tentando fazer das suas nas favelas do Rio e S. Paulo, nos musseques de Luanda e Maputo, nos slums de Nairobi e Kampala, nas periferias das megalópoles indianas,… lá, onde parece fácil chegar o fogo e não haver bombeiro que o apague! Rezemos para que tal não aconteça, para bem de todos.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco