STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

| 19 Jun 20

Newland, North Carolina, USA.Foto © Luís Castanheira Pinto

 

Cheguei a esta cidade onde agora vivo em Novembro do ano passado. Sozinho. A família veio depois, a seguir ao Natal. Estamos todos em Washington D.C. há cerca de 5 meses.

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo vermelho, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Estranhei. É mesmo necessário?…

Os primeiros tempos por aqui foram engolidos pela vertigem da descoberta. Do novo. A casa nova, a rua nova, a escola nova. Os supermercados que desconhecemos. Não sabemos a ordem das prateleiras. Os nomes das ruas. As lojas sem identidade. Os sotaques de uma língua que afinal não aprendemos. O GPS sempre ligado, continuamente perdidos que andamos. A ausência de referências. A busca de experiências passadas que ajudem a descodificar. É preciso esperar na fila? É aqui que se estaciona? Dizemos bom-dia? É costume separar o lixo? As bicicletas andam na estrada? Convidamos os vizinhos?… A mochila de vivências anteriores não ajuda. Apesar de extensa, é limitada. Dá-nos respostas que conhecemos. Não necessariamente as que procuramos. Nem sequer as necessárias. Na verdade, porque não são as respostas que importam. São as questões as que mais valem. É o fascínio de não saber. O fascínio delirante de não saber, de não conhecer. A adrenalina em jorros à procura de sentido. Dos sentidos.

Depois, vêm os lugares que desembrulhamos, como prendas de Natal. Um a um. Revelando cada qual uma surpresa e uma expectativa bem guardadas. Secretas. A Casa Branca. O Capitólio. Nova Iorque. Anápolis. Mount Vernon. Alexandria. Cheaspeake Bay. Cherokee National Forest. Os planos intermináveis de outros sítios a explorar. E mais outros. E ainda mais estes. O carro comprado para viagens. A Primavera a prometer aventura, liberdade. A imaginação a fervilhar de imagens revividas nos écrans. As pastagens dos índios americanos. As explorações de algodão a sul. O bairro francês de New Orleans. Os grandes lagos do Michigan e os imensos parques nacionais. As caraíbas mesmo aqui ao lado e o Hawai mais perto do nunca. Ficamos por aqui?

E claro, um trabalho novo. Caras novas. Gente de muitos outros lugares. Só na minha equipa, Serra Leoa, Uganda, Holanda, Etiópia, Estados Unidos, França, Uzbequistão, Afeganistão, India, Nigéria, Taiwan, Filipinas, Indonésia, Ruanda, Senegal, Polónia. Esqueço-me de alguns. Não importa. Na realidade, não interessam as nacionalidades. Interessam as vidas de mulheres e crianças que se procura salvar. Uma pretensão arrogante, altiva, ilusória talvez. Mas mobilizadora. Terrivelmente mobilizadora. As horas que voam num sufoco de urgência. O peso da relevância e do sentido. Sentir-me parte deste novo mundo profissional faz-me sentir bem. Útil. Necessário. Desejado. Um egoísmo mal disfarçado num projecto maior que tudo isto. As viagens já alinhadas. O contacto directo com quem mais precisa. Sentir a necessidade da presença. Ir lá. Estar lá. Com eles. E o Deus em que acredito em cada um desses rostos.

Entretanto chegou o COVID-19. E tudo parou. STOP. Não era para abrandar. Era para parar. Mesmo. Porque era mesmo necessário. Doeu fundo. Custou. Mas terá sido talvez mais fácil para quem já sabia parar. Quem aprendeu a fazê-lo. Quem o faz por hábito. Sem planear. Sem pensar em apenas abrandar. Bastando apenas saber ler o sinal STOP nas nossas vidas. Parar. E depois continuar.

 

Luis Castanheira Pinto é licenciado em economia, tem-se dedicado às questões do conhecimento, aprendizagem e desenvolvimento de competências e trabalha no Banco Mundial, em Washington DC (Estados Unidos). É casado e pai de três filhos. Viveu anteriormente no Porto, Lisboa, Bruxelas e Copenhaga.

 

Artigos relacionados

Novo Pacto para as Migrações: Igrejas reconhecem “boas intenções”, mas continuam “muito preocupadas”

Novo Pacto para as Migrações: Igrejas reconhecem “boas intenções”, mas continuam “muito preocupadas” novidade

Depois de terem emitido um comunicado em que diziam “esperar melhor da Europa e dos seus líderes” em relação à política de acolhimento de migrantes e refugiados, o Conselho Mundial de Igrejas (CMI), a Conferência das Igrejas Europeias (CEC) e a Comissão das Igrejas para os Migrantes na Europa (CCME) fizeram questão de entregar o texto em mãos, na passada sexta-feira, 25 de setembro, na sede da Comissão Europeia, em Bruxelas. Recebidos por Vangelis Demiris, membro do gabinete da vice-presidente da comissão, Margaritis Schinas, os representantes das igrejas cristãs em todo o mundo disseram acreditar que há espaço para melhorias no novo Pacto para as Migrações e Asilo apresentado pela Comissão Eurorpeia a 23 de setembro.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

“Basta. Parem estas execuções”, pedem bispos dos EUA a Trump

O arcebispo Paul Coakley, responsável pelo comité de Justiça Interna e Desenvolvimento Humano na conferência episcopal dos EUA (USCCB), e o arcebispo Joseph Naumann, encarregado das ações pró-vida no mesmo organismo, assinaram esta semana um comunicado onde pedem , perentoriamente, ao presidente Donald Trump e ao procurador-geral William Barr que ponham fim às execuções dos condenados à pena de morte a nível federal, retomadas em julho após uma suspensão de quase duas décadas.

ONGs lançam atlas dos conflitos na Pan-Amazónia

Resultado do trabalho conjunto de Organizações Não Governamentais (ONGs) de quatro países, o Atlas de Conflitos Socioterritoriais Pan-Amazónico será lançado esta quarta-feira, 23 de setembro, e irá revelar os casos mais graves de violação dos direitos dos povos da região, anunciou a conferência episcopal brasileira.

Papa apoia bispos espanhóis para ajudar a resolver estatuto do Vale dos Caídos

O Papa Francisco recebeu os novos responsáveis da Conferência Episcopal Espanhola, com quem falou sobre o papel da Igreja Católica no apoio aos mais pobres e mais fragilizados pela pandemia e sobre dois temas que esta semana estarão em debate nas Cortes de Espanha: eutanásia e lei da memória histórica, com o futuro do Vale dos Caídos em questão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Sea-Watch 4 resgata 104 migrantes no Mediterrâneo

Sea-Watch 4 resgata 104 migrantes no Mediterrâneo

O Sea Watch 4 resgatou, de manhã cedo, neste domingo, 23 de Agosto, 97 pessoas que viajavam a bordo de uma lancha pneumática sobrelotada, já depois de ter salvo outras sete pessoas noutra lancha. A presença do navio desde há dias no Mediterrâneo central, é fruto da cooperação entre a Sea Watch, os Médicos Sem Fronteiras (MSF) e a Igreja Protestante alemã, que promoveu uma campanha de recolha de fundos para que ele pudesse zarpar.

É notícia

Entre margens

A trama invisível da cidadania e o valor de educar

“Em Ersília, para estabelecer as relações que governam a vida na cidade, os habitantes estendem fios entre as esquinas das casas, brancos ou pretos ou cinzentos ou pretos e brancos, conforme assinalem relações de parentesco, permuta, autoridade, representação. Quando os fios são tantos que já não se pode passar pelo meio deles, os habitantes vão-se embora: as casas são desmontadas; só restam os fios e os suportes dos fios.”

Fátima e “Avante”

Permitam-me duas ou três reflexões, como cristão católico, sobre a polémica instalada na sociedade portuguesa, relativamente aos acontecimentos na Quinta da Atalaia e na Cova da Iria.

Cultura e artes

Encarnando o irmão Luc

Michael Lonsdale era, naquele final do dia, em Braga, o irmão Luc, assim dando corpo e espírito ao monge com o mesmo nome que foi assassinado na Argélia, em 1996. E é inesquecível a sua participação no filme Dos Homens e dos Deuses, que evoca a vida dos monges do mosteiro argelino de Tibhirine, sete dos quais (Bruno, Célestin, Christian, Cristophe, Michel, Paul, além de Luc) raptados e assassinados por um grupo de islamitas.

Michael Lonsdale: “Gostaria de morrer tranquilamente. Em Deus sobretudo”

Um dos mais fascinantes actores franceses, Michael Lonsdale morreu na passada segunda-feira, 21. Uns lembrar-se-ão de ele ter sido o vice-cônsul de Lahore no filme India Song, de Marguerite Duras, outros não ignorarão o facto de ele se ter empenhado em fazer a vida negra a James Bond. Mas Michael Lonsdale participou em filmes de Truffaut, Malle, Buñuel, Spielberg e outros realizadores não menos relevantes.

Sete Partidas

A reunião de trabalho

A reunião de trabalho convocada pela chefe chegou sem surpresa. Mais uma entre tantas. Comparecemos todos. Através do ecrã, a expressão no rosto e o tom da voz denotavam, no entanto, uma intenção outra. Um assunto especial. Havia efectivamente um assunto especial a abordar. Abertamente. Uma autenticidade sem pudor marcou o tom da conversa. Um cuidado humilde e generoso revelado sem condicionamentos.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco