Em audição parlamentar

Strecht pede levantamento do segredo da confissão, Ornelas e Clemente afastam hipótese

| 3 Mai 2023

Bispo José Ornelas durante a audição parlamentar sobre os abusos na Igreja. Foto © Agência EcclesiaHM.

 

“O segredo da Confissão é tão velho como a Igreja e não vai mudar, isso posso garantir”, afirmou o presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), José Ornelas, durante a audição parlamentar a propósito do tema dos abusos sexuais na Igreja, que decorreu na tarde desta terça-feira, 2 de maio. Horas antes, o coordenador da extinta Comissão Independente, Pedro Strecht, havia defendido precisamente o contrário, “quando há questões que se sobrepõem”.

O pedopsiquiatra foi o primeiro a ser ouvido pela Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, tendo referido que o levantamento deste tipo de segredo está previsto, também, “noutras estruturas profissionais, incluindo a dos próprios médicos”. Já o juiz conselheiro jubilado Laborinho Lúcio, antigo ministro da Justiça e também membro da ex-Comissão, reconheceu a existência de “obstáculos enormes do ponto de vista do Direito Canónico e, desde logo para já, neste momento, através da própria Concordata”.

Recorde-se que o artigo 5 da Concordata de 2004 determina que “os eclesiásticos não podem ser perguntados pelos magistrados ou outras autoridades sobre factos e coisas de que tenham tido conhecimento por motivo do seu ministério”.

“Não estamos acima da lei e vamos cumprir a lei, mas nem tudo entra no campo jurídico”, referiu o bispo José Ornelas, sublinhando que a Confissão implica um arrependimento dos atos cometidos e que compete ao confessor convencer as pessoas de que é “seu dever” denunciar os factos às autoridades próprias.

O cardeal-patriarca de Lisboa, Manuel Clemente, que esteve presente a requerimento do grupo parlamentar do Chega, reiterou que este sigilo sacramental, para os católicos, é “absoluto”. O confessor que violar diretamente esse sigilo incorre, de forma automática, em pena de excomunhão, de acordo com o Direito Canónico; a mesma pena é reservada a quem captar por meios técnicos o que for dito entre penitente e confessor.

Questionado sobre eventuais indemnizações às vítimas, o presidente da CEP  respondeu o que já havia dito anteriormente: devem ser decididas caso o caso. Para José Ornelas, o importante é que “ninguém fique sem tratamento”.

Aos deputados, o bispo garantiu que, depois deste estudo na Igreja, a sociedade portuguesa não é a mesma. “O caso Casa Pia foi importante para despertar, mas este foi mais importante e o ter acontecido na Igreja foi importante porque para todos a forma de resolvê-lo e a resposta que estamos a dar é importante para mudar a mentalidade e a cultura”, referiu.

Da parte da socióloga Ana Nunes de Almeida, que também integrou a Comissão e interveio na audição parlamentar, ficou um desafio concreto para a Assembleia da República: “solicitar um inquérito nacional aos abusos sexuais às crianças na sociedade portuguesa, como fizeram os franceses, para se poder ter a medida do que é que isto representa em termos de incidência nacional”. Ana Nunes de Almeida reconheceu que “isto envolve dinheiro, envolve vontade, envolve muita competência”, mas “nada que se compare aos muitos milhares de euros que andam por aí a voar, muitos milhares de milhões de euros que andam por aí a voar em outros setores”.

 

Há menos países a aplicar a pena de morte, mas número de execuções foi o mais elevado em quase uma década

Relatório 2023

Há menos países a aplicar a pena de morte, mas número de execuções foi o mais elevado em quase uma década novidade

A Amnistia Internacional (AI) divulgou na madrugada desta quarta-feira, 29 de maio, o seu relatório anual sobre a aplicação da pena de morte a nível mundial, que mostra que em 2023 “ocorreram 1.153 execuções, o que representa um aumento de mais de 30 por cento em relação a 2022”, sendo que “este valor não tem em conta os milhares de execuções que se crê terem sido realizados na China”. Este “foi o valor mais alto registado” pela organização “desde 2015, ano em que houve 1.634 pessoas executadas”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Há uma “nova vaga de terror contra os cristãos” no Paquistão

Ataques sucedem-se

Há uma “nova vaga de terror contra os cristãos” no Paquistão novidade

O recente ataque a um cristão falsamente acusado de ter queimado páginas do Corão, por uma multidão muçulmana enfurecida, no Paquistão, desencadeou “uma nova vaga de terror” contra a minoria religiosa no país. Depois deste incidente, que aconteceu no passado sábado, 25 de maio, já foram registados outros dois ataques devido a alegados atos de “blasfémia” por parte de cristãos.

A memória presente em pequenas tábuas

Museu Abade de Baçal

A memória presente em pequenas tábuas novidade

“Segundo uma Promessa” é o título da exposição inaugurada a 18 de maio no Museu Abade de Baçal, em Bragança, e composta por uma centena de pequenos ex-votos, registados em tábuas, que descrevem o autor e o recetor de vários milagres, ao longo dos séculos XVIII e XIX. “O museu tem a obrigação de divulgar e de mostrar ao público algum do património que está disperso pela diocese de Bragança-Miranda”, disse ao 7MONTES Jorge Costa, diretor do museu.

A cor do racismo

A cor do racismo novidade

O que espero de todos é que nos tornemos cada vez mais gente de bem. O que espero dos que tolamente se afirmam como “portugueses de bem” é que se deem conta do ridículo e da pobreza de espírito que ostentam. E que não se armem em cristãos, porque o Cristianismo está nas antípodas das ideias perigosas que propõem.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This