Sudão acaba com pena de morte para cristãos que não se convertam ao islão

| 15 Jul 20

sudao mutilacao genital apostasia

Foi também ratificada a lei que criminaliza a mutilação genital feminina, que o Governo aprovara em maio. Foto © UNICEF/Kate Hold.

O Governo do Sudão prossegue o seu programa de reformas ao Código Penal do país, tendo anunciado que vai eliminar a pena de morte por apostasia (neste caso, a recusa por parte dos cristãos em converter-se ao islão) e despenalizar o consumo de álcool para os mesmos. A criminalização da mutilação genital feminina irá também avançar, depois de ter sido aprovada no passado mês de maio.

O anúncio foi feito pelo ministro da Justiça sudanês, Nasredin Abdul Bari, numa entrevista dada aos meios de comunicação nacionais este domingo, 12 de julho. “Vamos garantir a liberdade religiosa e a igualdade na cidadania e no estado de Direito”, assegurou, citado pelo jornal Religión Digital.

“Todas estas mudanças apontam no sentido da igualdade perante a lei. Eliminámos todos os artigos que conduziram a qualquer tipo de discriminação. Asseguramos ao nosso povo que a reforma legal vai continuar até que eliminemos todas as leis que violam os direitos humanos no Sudão”, sublinhou o ministro. A pena de morte será, no entanto, mantida, ficando reservada aos casos de assassinato e “outros crimes atrozes”.

Um dos casos mais conhecidos da aplicação da lei da apostasia aconteceu em 2014, quando uma mulher cristã foi condenada à morte depois de se ter recusado a renunciar à sua fé, quando se encontrava grávida da sua segunda filha. A acusada, Meriam Yahya Ibrahim, deu à luz 12 dias depois da condenação, já no corredor da morte, onde se encontrava com o seu primeiro filho. Tinha dois anos para amamentar a bebé, período após o qual seria executada, mas acabou por ser posta em liberdade um mês depois, na sequência da enorme pressão internacional que recaiu sobre o regime sudanês.

Abdul Bari salientou que o seu gabinete está particularmente empenhado em eliminar “todas as disposições discriminatórias contra as mulheres e as crianças”. Nesse sentido, o Conselho Soberano do Sudão ratificou a lei que criminaliza a mutilação genital feminina, aprovada em maio. A nova lei prevê uma pena de prisão de até três anos para aqueles que realizem a mutilação genital, e ainda o encerramento de hospitais e clínicas onde a mesma seja praticada.

 

Artigos relacionados

Abolir as armas nucleares

Abolir as armas nucleares

Dinâmicas colectivas mobilizadoras, pronunciamentos de líderes políticos, insistência nos apelos de dirigentes religiosos, são marcos que ajudam a explicar o facto de, a 7 de Julho de 2017, a Assembleia Geral da ONU ter adoptado, numa decisão histórica, o Tratado de Proibição das Armas Nucleares, votado por 122 países, com a ausência dos países detentores de armas nucleares, bem como dos membros da Aliança Atlântica.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Um debate virtual sobre A Economia de Francisco novidade

Com o objectivo de dar um contributo para a reflexão sobre o encontro A Economia de Francisco, que decorreu no final de Novembro, a Capela do Rato (Lisboa) organizou um debate, que decorrerá via Zoom, “sobre as pistas e os caminhos para uma economia mais humana e mais justa”.

Semana pela Unidade dos Cristãos: Aplicação disponibiliza orações em árabe

Pela primeira vez, os cristãos de língua árabe podem acompanhar as orações e meditações bíblicas da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (que se assinala entre 18 e 25 de janeiro) no seu próprio idioma, graças à tradução assegurada pelo Conselho Mundial de Igrejas (CMI), em parceria com o Conselho de Igrejas do Médio Oriente (MECC) e a aplicação bíblica You Version – The Bible App.

Diocese espanhola vende bens patrimoniais para ajudar os pobres

O arcebispo de Valencia (Espanha), cardeal Antonio Cañizares, anunciou a criação da fundação diocesana Pauperibus, através da qual a sua diocese irá vender bens patrimoniais próprios “para aliviar as necessidades dos mais pobres e vulneráveis”, acentuadas pela pandemia de covid-19.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Banco de Tempo, solidariedade e o legado da minha mãe novidade

Pergunto-me ainda porque vivi quatro anos em Lisboa e não conheci um vizinho meu. Vivia num prédio com elevador, diga-se. Cruzava-me com pessoas nesse lugar, mas nunca nos falávamos, um bom dia que fosse… nunca ouvi, e nunca o disse… nunca quebrei o gelo. Tive de o quebrar, agora, dez anos depois, num prédio diferente, quando precisei que um residente em Portugal assinasse uma declaração atestando que um parente meu era seu vizinho. Para se obter um Atestado de Residência, em Portugal, é imperioso que um vizinho o ateste, antes da Junta da Freguesia.

Ihor Homenyuk, morada e conterrâneos

E para que não esqueçamos como é difícil romper a espessa camada do preconceito e da sobranceria nacionalista, não apenas em relação aos trabalhadores da construção civil como Ihor Homenyuk (onde se juntam o preconceito racial com o preconceito de classe), sir Hersch Lauterpacht, o académico de renome mundial, cavaleiro da Ordem do Império Britânico, foi eleito, em 1955, juiz do Tribunal Internacional de Justiça de Haia, “apesar da oposição de alguns que o consideravam insuficientemente britânico”.

O homem que o povo alemão pedia

Porquê escrever, a pretexto de um dia em memória das vítimas do Holocausto, sobre o homem responsável pelo maior genocídio da história? Porque também hoje pululam pequenos homens cheios de ódio, incapazes de lidar com a sua insignificância pessoal, mas cujo ego descomunal estimulado por um contexto favorável os pode transformar em caudilhos de populações exasperadas pelo abandono e pelo medo.

Cultura e artes

“Menina e Moça”, os judeus sefarditas e a emanação feminina de Deus

Gritos de espanto e assombro do poeta judeu português, Samuel Usque, face à perseguição e tragédia do seu povo. Dor que transcende o Universo. Atracou em Sepharad – nome judaico dado à Península Ibérica – nos séculos II ou III, numerosa comunidade judaica que aqui se estabeleceu: artesãos, cientistas, comerciantes, escritores, filósofos, juristas, médicos, frequentadores das cortes e conselheiros de reis.

A vida, o sofrimento e Jesus

Dois autores, ambos presbíteros com profundas experiências e preocupações pastorais – Valdés é biblista argentino, Bermejo é especialista na pastoral da saúde em Espanha – oferecem em Peregrinar a Jesus um contributo notável para aprofundar as difíceis e exigentes questões relacionadas com a saúde, o sofrimento e a relação de fé.

O olhar da raposa

Infelizmente, são ainda muitos os lugares deste mundo onde a pena de morte continua a existir e a ser praticada. Sirvam de exemplo estas notícias do Público de sexta, 11 de Dezembro e Domingo 13 de Dezembro: “Trump autoriza onda de execuções como não se via há 124 anos”; “Alfred Bourgeois é o segundo executado em dois dias pela Administração Trump”; “Irão executa jornalista por inspirar protestos de 2017 contra o regime”.

A pegada de religiosidade na obra de João Cutileiro

“Na vasta obra de João Cutileiro, há uma intermitente, mas persistente, pegada de religiosidade que deixou plasmada em poemas de pedra”, escreve o padre Mário Tavares de Oliveira, cónego da diocese de Évora, num texto que evoca a arte do escultor que morreu no passado dia 5.

Sete Partidas

Angela Merkel

Partilho o último discurso de Ano Novo de Angela Merkel como chanceler alemã. A princípio não gostava muito dela, e desgostei especialmente na época da crise do euro. A rejeição era tal que, há cerca de 15 anos, os meus filhos sentiram necessidade de tomar uma importante decisão pessoal: anunciaram que gostavam muito dos avós “apesar de eles votarem na Angela Merkel”.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This