Suíça aprova em referendo a proibição do rosto velado no espaço público

| 8 Mar 21

Woman_wearing_battula niqab Irão

Mulher com uma tradicional battula, por cima do seu niqab, no sul do Irão. Foto © CC 2.0/Wikimedia Commons

 

A extrema-direita tomou a iniciativa e os cidadãos suíços, por escassa maioria, votaram favoravelmente, este domingo (7 de março) a proibição do uso do niqab (véu que esconde o rosto), com algumas exceções, como, por exemplo, locais de culto.

A medida, apresentada como forma de combater o “islão radical” e o “extremismo”, foi apoiada pelo partido populista de direita UDC, por setores feministas e parte dos eleitores da esquerda, conseguindo aprovação na maioria dos cantões. Países europeus como a França, Bélgica, Dinamarca e Áustria já tomaram medidas semelhantes.

Os opositores a este referendo aduziram várias razões. O Governo federal e o Parlamento opuseram-se, argumentando que “o problema [que o referendo pretendia resolver] não existe”. A solução, caso a consulta popular tivesse recusado a iniciativa, passaria por obrigar as pessoas a mostrarem a cara, sempre que as autoridades o exigissem, para fins de identificação. Outros opositores consideraram o texto da proposta “racista e sexista”, considerando inaceitável que o Estado passe a definir que roupas são ou não são aceitáveis.

 

125 padres e católicos alemães assumem publicamente condição LGBTQI

Manifesto inédito em todo o mundo

125 padres e católicos alemães assumem publicamente condição LGBTQI novidade

Um total de 125 pessoas, incluindo vários padres, trabalhadores a tempo inteiro ou voluntários na Igreja Católica nos países de língua alemã, anunciam hoje a sua condição LGBTQI+. A iniciativa tem o título #OutInChurch. Por uma Igreja sem medo e acompanha, também, a emissão de um documentário televisivo. É a primeira vez na história, em todo o mundo, que um grupo de crentes se assume deste modo, colectivamente, na praça pública.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

A roseira que defende a vinha: ainda a eutanásia

A roseira que defende a vinha: ainda a eutanásia novidade

Há tempos, numa visita a uma adega nacional conhecida, em turismo, ouvi uma curiosa explicação da nossa guia que me relembrou imediatamente da vida de fé e das questões dos tempos modernos. Dizia-nos a guia que é hábito encontrar roseiras ao redor das vinhas como salvaguarda: quando os vitivinicultores encontravam algum tipo de doença nas roseiras, algum fungo, sabiam que era hora de proteger a vinha, de a tratar, porque a doença estava próxima.

Um caderno para imprimir e usar

Sínodo 2021-23

Um caderno para imprimir e usar

Depois de ter promovido a realização de dois inquéritos sobre o sínodo católico 2021-23, o 7MARGENS decidiu reunir o conjunto de textos publicados a esse propósito num caderno que permita uma visão abrangente e uma utilização autónoma do conjunto. A partir de agora, esse caderno está disponível em ligação própria.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This