Suíça diz não no referendo sobre “multinacionais responsáveis”

| 29 Nov 2020

Não foi avante a proposta de “acabar com as violações dos direitos humanos e a poluição do ambiente”. 

 

Uma proposta para obrigar as empresas multinacionais suíças a prestar contas pelo seu comportamento interno e no estrangeiro, no capítulo dos direitos humanos e da sustentabilidade ambiental, foi este domingo recusada em referendo.

A medida, que foi preparada ao longo dos últimos anos por uma ampla aliança de organizações não governamentais, suscitou uma grande expectativa em numerosos setores sociais, também no estrangeiro, e seria pioneira em termos mundiais.

Apesar de as sondagens terem apontado para a vitória do sim, as forças do não – organizações empresariais, partidos de direita e o governo confederal – acabaram por vencer. No resultado final, ainda que o voto popular tenha sido superior a 50%, o número de cantões que votaram contra (26) determinou a vitória do não, segundo informação da agência Swiss.info. Foram sobretudo os cantões de expressão germânica que mais declaradamente se opuseram a esta proposta de multinacionais responsáveis.

A Conferência dos Bispos Suíços (CES) e a Igreja Evangélica Reformada Suíça emitiram, em inícios de outubro, uma posição comum que vai ao encontro das preocupações com os problemas de direitos humanos e ambientais subjacentes à proposta referendada. O mesmo fez a Comissão Nacional Justiça e Paz (católica) do país.

A rejeição da iniciativa não significa, porém, o abandono total das medidas previstas na proposta referendada. Ainda de acordo com a Swiss Info, “uma contraproposta mais branda entrará automaticamente em vigor”, obrigando as empresas a relatar sobre direitos humanos e padrões ambientais e a conduzir ações em casos de suspeita de trabalho infantil e abastecimento de minerais em áreas de conflito. “No entanto, não estarão vinculadas a uma cláusula de responsabilidade”.

 

O que têm dito os papas sobre a paz

Debate e oração no Rato, em Lisboa

O que têm dito os papas sobre a paz novidade

As mensagens dos Papas para o Dia Mundial da Paz é o tema da intervenção do padre Peter Stilwell neste sábado, 3 de Dezembro (Capela do Rato, em Lisboa, 19h), numa iniciativa integrada nas celebrações dos 50 anos da vigília de oração pela paz que teve lugar naquela capela, quando um grupo de católicos quis permanecer em oração durante 48 horas, em reflexão sobre a paz e contra a guerra colonial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa novidade

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

Ministro russo repudia declarações do Papa

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa novidade

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This