Na escola pública em Itália

Supremo admite presença de símbolos religiosos

| 18 Set 2021

Crucifixos, Museu de Arte Sacra, São Paulo Brasil.

Foto: Crucifixos, Museu de Arte Sacra, São Paulo Brasil. © Aurelino Rodrigues Filho / Wikimedia Commons

 

O supremo tribunal italiano decidiu esta semana que as salas de aula das escolas públicas podem aprovar a presença do crucifixo porque tal não discrimina ninguém, acrescentando que todos os símbolos religiosos podem ser “bem-vindos”, desde que a sua presença seja decidida de maneira democrática, civilizada e “gentil” pelo conjunto dos alunos e professores.

A informação difundida ontem no jornal Crux reporta-se a um acórdão do supremo tribunal italiano votado a 9 de setembro que proíbe a imposição de quaisquer decisões relativas à presença de símbolos religiosos, assunto sobre o qual se devem buscar “soluções razoáveis” entre as diferentes posições ou convicções das pessoas na comunidade escolar. Ou seja: o respeito pela liberdade de religião de qualquer pessoa impõe que tais decisões nunca resultem de uma “tirania” da maioria ou do poder de veto de um único indivíduo.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“A grande substituição”

[Os dias da semana]

“A grande substituição” novidade

Outras teorias da conspiração não têm um balanço igualmente inócuo para apresentar. Uma delas defende que estamos perante uma “grande substituição”; não ornitológica, mas humana. No Ocidente, sustentam, a raça branca, cristã, está a ser substituída por asiáticos, hispânicos, negros ou muçulmanos e judeus. A ideia é velha.

Humanizar não é isolar

Humanizar não é isolar novidade

É incontestável que as circunstâncias de vida das pessoas são as mais diversas e, em algumas situações, assumem contornos improváveis e, muitas vezes, indesejáveis. À medida que se instalam limitações resultantes ou não de envelhecimento, alguns têm de habitar residências sénior, lares de idosos, casas de repouso,…

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This