Na escola pública em Itália

Supremo admite presença de símbolos religiosos

| 18 Set 2021

Crucifixos, Museu de Arte Sacra, São Paulo Brasil.

Foto: Crucifixos, Museu de Arte Sacra, São Paulo Brasil. © Aurelino Rodrigues Filho / Wikimedia Commons

 

O supremo tribunal italiano decidiu esta semana que as salas de aula das escolas públicas podem aprovar a presença do crucifixo porque tal não discrimina ninguém, acrescentando que todos os símbolos religiosos podem ser “bem-vindos”, desde que a sua presença seja decidida de maneira democrática, civilizada e “gentil” pelo conjunto dos alunos e professores.

A informação difundida ontem no jornal Crux reporta-se a um acórdão do supremo tribunal italiano votado a 9 de setembro que proíbe a imposição de quaisquer decisões relativas à presença de símbolos religiosos, assunto sobre o qual se devem buscar “soluções razoáveis” entre as diferentes posições ou convicções das pessoas na comunidade escolar. Ou seja: o respeito pela liberdade de religião de qualquer pessoa impõe que tais decisões nunca resultem de uma “tirania” da maioria ou do poder de veto de um único indivíduo.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

JMJ realizou em 2022 metade das receitas que tinha orçamentado

A Fundação Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023 obteve no ano passado rendimentos de 4,798 milhões de euros (menos de metade do previsto no seu orçamento) e gastos de 1,083 milhões, do que resultaram 3,714 milhões (que comparam com os 7,758 milhões de resultados orçamentados). A Fundação dispunha, assim, a 31 de dezembro de 2022, de 4,391 milhões de euros de resultados acumulados em três anos de existência.

Debate em Lisboa

Uma conversa JMJ “conectada à vida”

Com o objectivo de “incentivar a reflexão da juventude” sobre “várias problemáticas da actualidade, o Luiza Andaluz Centro de Conhecimento (LA-CC), de Lisboa, promove a terceira sessão das Conversas JMJ, intitulada “Apressadamente conectadas à vida”.

Liberdade e verdade

Liberdade e verdade novidade

As religiões, enquanto se consideram guardiãs da verdade, tendem a conviver mal com a afirmação da liberdade individual. Nas suas fileiras, coartam-na, limitam-na, enquanto apelam permanentemente à obediência férrea a uma autoridade que se considera incontestável, porque garante da verdade.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This