Não quero senão

  Se aos olhos de alguém transpareço noutros sorrisos me encontro aprendi a voar nos abismos da alma humana inacabada entristecida de arrogâncias falácias perpétuas sem rosto e então me exercito à força me domo ferozmente para que não seja eu jamais a...

O menino que roubou o chocolate

  Esta manhã, à porta do supermercado, como é habitual, estava um menino que pedia leite. Não era o mesmo menino todos os dias: há um género de organização interna entre os pedintes menores dos bairros do Rio de Janeiro, e vão-se espalhando de modo a ocuparem...

A leveza da razão

Nunca ninguém irá mudar o mundo, o mundo está em permanente mutação por si só e cada um de nós mudando com ele. A única coisa que podemos efetivamente mudar é a nossa visão e consciência do mesmo. Li, há pouco, um livro que reúne correspondência entre Gandhi e...

Sacudir a caspa dos ombros

  Na rua sobrevive-se; como se a sobrevivência fosse causa imposta pela própria indignidade da condição humana. Reparem bem: – Meus queridos homens e mulheres, meninos e meninas, peçam licença para ocupar o mundo, mundo esse que por acaso não se lembrou de ter...

Um livro da rua e do 7Margens

É um livro que começou no primeiro confinamento ditado pela pandemia, em Março de 2020. Ana Sofia Brito aproveitou os dias sem sair de casa para vasculhar todos os seus cadernos e papéis. Rasgou muito do que lhe entulhava as gavetas, mas também aproveitou muito –...

Pin It on Pinterest