“Moçambique ainda cheira a sangue”

“Quisemos já exorcizar” os fantasmas da guerra, diz Diamantino Guapo Antunes, bispo português de Tete, no norte de Moçambique, em entrevista à TSF. Mas “Moçambique ainda cheira a sangue”.  Referindo-se aos massacres de Wiriyamu e de Mucumbura que ocorreram durante a...

Pin It on Pinterest