Taizé assinala 80 anos da comunidade com encontros digitais para os jovens

| 20 Ago 20

Taizé. Igreja românica.

A pequena igreja românica de Taizé, onde os irmãos começaram por rezar Foto © Paulo Bateira, cedida pelo autor.

 

20 de agosto de 1940, sudeste de França, a oito quilómetros da antiga abadia de Cluny, na Borgonha. Roger Schutz, um jovem pastor calvinista suíço de 25 anos, chega pela primeira vez à pequena aldeia de Taizé. Pouco depois, começa a acolher pessoas necessitadas e em dificuldade.

Vigiado pelas forças nazis alemãs, abandonou Taizé, onde voltaria tempo depois, já com alguns companheiros, dando origem à Comunidade de Taizé, procurando viver o espírito de reconciliação, inclusive entre cristãos. Três décadas depois, esse objectivo seria concretizado de forma mais intensa, com a integração do primeiro membro da comunidade oriundo da tradição católica.

Oitenta anos depois, que nesta quinta-feira, 20, se completam, a comunidade continua a reunir monges católicos e protestantes, provenientes de cerca de trinta países do mundo, concretizando o sonho de seu fundador: ser “uma parábola de comunhão, fermento de reconciliação na família humana”, como recorda o Vatican News.

O irmão Roger escrevia, recordando esses primeiros tempos: “Penso que, desde a minha juventude nunca perdi a intuição de que uma vida em comunidade pode ser um sinal de que Deus é amor; só amor. Pouco a pouco crescia em mim a convicção de que era essencial criar uma comunidade de homens decididos a dar toda a sua vida, e que procurassem sempre compreender-se mutuamente e reconciliar-se: uma comunidade onde a bondade do coração e a simplicidade estivessem no centro de tudo.”

Igreja da Reconciliação, Taizé, durante uma das orações depois da reabertura das igrejas: o acolhimento foi reaberto, mas mantêm-se restrições ao número de jovens que podem estar na aldeia. Foto © Taizé.

 

A propósito dos 80 anos da chegada do irmão Roger, Taizé promove, entre os próximos dias 28 a 30 de Agosto, um encontro digital, sobre o tema “Sempre em caminho, nunca desenraizado”.

O irmão Charles-Eugène, um dos primeiros companheiros do irmão Roger, explicou, também ao Vatican News, como será o encontro: além da oração comum, “um momento essencial” da vida de Taizé e dos encontros dos jovens, haverá reflexões bíblicas e debate sobre vários temas, bem como oportunidade de fazer perguntas e de participar num diálogo com um dos irmãos da comunidade. Pequenas conferências e encontros de grupos, também virtuais, bem como uma intervenção do irmão Aloïs, actual prior da comunidade, integram também o programa da iniciativa.

Esta será mais uma forma de contornar a situação anormal criada pela pandemia também na vida do que se passa em Taizé. Com menos jovens, a comunidade ficou também com um problema económico entre mãos, pois os irmãos vivem do seu trabalho, do que produzem e vendem, recorda Charles-Eugène. Na página digital de Taizé, é possível, no entanto, aceder a livros, discos, esmaltes e outros matérias, fruto do trabalho dos irmãos.

 

15 anos da morte do irmão Roger: “antes de tudo um homem de comunhão”
Taizé

Imagem da transmissão via Facebook, da oração de um dos grupos de irmãos em Taizé, no domingo, 22 de Março, durante a quarentena: há orações que continuam a ser transmitidas digitalmente ou em áudio.

Apesar de o acolhimento ter sido reaberto no Pentecostes (final de Maio), “já era um pouco tarde para os jovens se organizarem” e irem à aldeia da Borgonha, “por isso são menos numerosos”. De qualquer forma, as restrições com a distância física permitem que estejam em Taizé apenas 500-600 jovens semanalmente, em vez dos três a quatro mil que seria normal. Na página da comunidade na internet, é possível acompanhar as orações dos sábados á noite ou, diariamente, através de áudio.

Também por causa da pandemia a comunidade, em conjunto com os responsáveis das diferentes igrejas cristãs de Turim, decidiu adiar por um ano o encontro europeu previsto para o final de 2020. “Mas faremos um encontro europeu em Taizé, obviamente com menos jovens, e conectados online com todos os jovens de toda a Europa que queiram participar”, promete o irmão Charles-Eugène. “Depois, no final, quando os jovens partirem de Taizé para o seu país, um ou dois irmãos nossos irão com eles rezar em cada país, criando assim um espírito de unidade, apesar da impossibilidade de estarmos todos juntos.”

No passado domingo, 16 de Agosto, a comunidade evocou os 15 anos da morte do irmão Roger, vítima de uma mulher perturbada que, em 2005, o matou durante a oração da noite. Na ocasião, o irmão Aloïs fez uma oração de acção de graças pela vida do irmão Roger, após o que foi colocado, no coro da igreja, “um ícone que o irmão Roger tanto amou, que ele chamava de ícone da amizade”: um ícone copta, do Egipto, que representa Cristo caminhando com um amigo. “O irmão Roger via neste ícone o facto de que Jesus acompanha cada um de nós como um amigo. Um ícone que mostra um encontro, um caminho comum com Jesus de muita proximidade”, recorda Charles Eugène.

“O irmão Roger foi antes de tudo um homem de comunhão, um homem que desejou criar a paz e a reconciliação ao seu redor, mais com a própria vida do que com muitas palavras, e creio que continuamos neste caminho, gostaríamos de continuar neste caminho”, acrescenta.

Nos últimos anos, Charles-Eugène diz que houve um tema que se tornou cada vez mais importante nos encontros dos jovens e nos diálogos que se fazem na aldeia: “O da ecologia, porque os jovens de hoje estão muito mais sensíveis do que antes à urgência das mudanças climáticas, portanto eles estão muito mais preocupados e procuramos aprofundar esta questão, entre outras que tratamos com eles.” A comunidade fez mesmo uma releitura da encíclica do Papa, para ficar mais atenta às “questões que o Papa levanta”, tendo organizado uma pequena exposição em redor da Igreja da Reconciliação, “para ajudar os jovens e adultos que passam por Taizé a reflectirem” sobre a urgência destas questões.

 

Abolir as armas nucleares

Abolir as armas nucleares novidade

Dinâmicas colectivas mobilizadoras, pronunciamentos de líderes políticos, insistência nos apelos de dirigentes religiosos, são marcos que ajudam a explicar o facto de, a 7 de Julho de 2017, a Assembleia Geral da ONU ter adoptado, numa decisão histórica, o Tratado de Proibição das Armas Nucleares, votado por 122 países, com a ausência dos países detentores de armas nucleares, bem como dos membros da Aliança Atlântica.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Semana pela Unidade dos Cristãos: Aplicação disponibiliza orações em árabe novidade

Pela primeira vez, os cristãos de língua árabe podem acompanhar as orações e meditações bíblicas da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (que se assinala entre 18 e 25 de janeiro) no seu próprio idioma, graças à tradução assegurada pelo Conselho Mundial de Igrejas (CMI), em parceria com o Conselho de Igrejas do Médio Oriente (MECC) e a aplicação bíblica You Version – The Bible App.

Diocese espanhola vende bens patrimoniais para ajudar os pobres novidade

O arcebispo de Valencia (Espanha), cardeal Antonio Cañizares, anunciou a criação da fundação diocesana Pauperibus, através da qual a sua diocese irá vender bens patrimoniais próprios “para aliviar as necessidades dos mais pobres e vulneráveis”, acentuadas pela pandemia de covid-19.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Bispo Manuel Martins evocado nos 94 anos do seu nascimento novidade

Naquele que seria o dia do 94º aniversário do primeiro bispo de Setúbal, D. Manuel Martins, um grupo coordenado por Eugénio Fonseca promove uma sessão de evocação e homenagem, durante a qual intervém Manuel Malheiros, da Liga Portuguesa dos Direitos Humanos/Civitas.  

Indonésia: Paróquias acolhem 15 mil desalojados após terramoto

Na sequência do violento terramoto que atingiu a Ilha de Sulawesi, na Indonésia, na noite de quinta para sexta-feira, dia 15, a Cáritas local criou um centro de emergência para apoio à população afetada, tendo acolhido em duas paróquias um total de 15 mil pessoas que ficaram sem casa. A Conferência Episcopal Italiana (católica) doou, por seu lado, 500 mil euros para ajudar as famílias mais atingidas.

“Pelo amor de Deus, enviem-nos oxigénio”, apela o arcebispo de Manaus

Com o aumento vertiginoso de casos de covid-19 no Estado do Amazonas (Brasil), particularmente na capital Manaus, e com as principais unidades de saúde já sem oxigénio disponível, o arcebispo da diocese, Leonardo Ulrich Steiner, gravou um vídeo apelando à solidariedade de todos. “Pelo amor de Deus, enviem-nos oxigénio”, pediu na mensagem divulgada esta sexta-feira, 15 de janeiro, pelo Vatican News, sublinhando que a região se encontra “num momento de pandemia, quase sem saída”, em que as pessoas estão a morrer “por falta de oxigénio, por falta de camas” nas unidades de cuidados intensivos.

Bangladesh: Incêndio em campo de refugiados rohingya deixa 3.500 sem casa

Um incêndio devastou esta quinta-feira, 14 de janeiro, o campo de refugiados da cidade portuária de Cox’s Bazar, no sul do Bangladesh, tendo destruído mais de 550 casas que abrigavam cerca de 3.500 pessoas da minoria rohingya. Não são conhecidas até ao momento quaisquer vítimas mortais ou feridos graves, mas este incidente “terá roubado a muitas famílias o abrigo e dignidade que lhes restava”, afirmou o diretor da ONG Save the Children no país, Onn van Manen.

Entre margens

Euforia, esperança ou amnésia coletiva novidade

2020 foi um ano em que, em boa parte, nos perdemos. Alguns arriscaram, mas, perante as consequências do destemor inicial, recuaram e reposicionaram a sua forma de vida. Outros não aprenderam nada e exibiram-se heróis, como se os riscos comprovados não existissem, como se as ameaças fossem coisa de fracos e de gente fora de moda. Pois é mesmo disso que tenho medo – de uma amnésia coletiva.

Educados por fantasmas

Aliás, se as crianças e os jovens são hoje educados por fantasmas, os adultos estão longe de ser imunes ao seu fascínio. É como se a envolvência de tal mundo, que afecta ambos, não permitisse um pensamento a frio sobre ele. Ainda que o, por assim dizer, crime de pensar, seja precisamente a única forma possível de nos colocarmos ainda diante desse mundo. À distância que nos permite o pensamento crítico verificamos que estes fantasmas falam. São veículos de ideologia.

E se confinássemos?

Inclinado, como é meu hábito, a confiar nas explicações científicas, e até mesmo na humilde incerteza que toda a séria certeza tem, aceito, evidentemente, que estamos a percorrer o caminho mais seguro para limitar a tragédia e assegurar, tanto quanto possível é prever, uma evolução favorável. Igualmente convicto da boa-fé, rectidão de motivos e sentido do serviço público de quem, em tempos tão difíceis, tem conduzido o país, não me resta qualquer paciência para opiniões avulsas ou teorias da conspiração.

Cultura e artes

A vida, o sofrimento e Jesus

Dois autores, ambos presbíteros com profundas experiências e preocupações pastorais – Valdés é biblista argentino, Bermejo é especialista na pastoral da saúde em Espanha – oferecem em Peregrinar a Jesus um contributo notável para aprofundar as difíceis e exigentes questões relacionadas com a saúde, o sofrimento e a relação de fé.

O olhar da raposa

Infelizmente, são ainda muitos os lugares deste mundo onde a pena de morte continua a existir e a ser praticada. Sirvam de exemplo estas notícias do Público de sexta, 11 de Dezembro e Domingo 13 de Dezembro: “Trump autoriza onda de execuções como não se via há 124 anos”; “Alfred Bourgeois é o segundo executado em dois dias pela Administração Trump”; “Irão executa jornalista por inspirar protestos de 2017 contra o regime”.

A pegada de religiosidade na obra de João Cutileiro

“Na vasta obra de João Cutileiro, há uma intermitente, mas persistente, pegada de religiosidade que deixou plasmada em poemas de pedra”, escreve o padre Mário Tavares de Oliveira, cónego da diocese de Évora, num texto que evoca a arte do escultor que morreu no passado dia 5.

Palavra e Palavras

Durante as semanas de Advento li o novo livro de Valter Hugo Mãe (VHM), Contra Mim. Trata-se de um livro que revela quem é Valter Hugo Mãe. A sua leitura literalmente me encantou e fez emergir múltiplas epifanias.  Um grande livro, um grande escritor. Uma prosa lindíssima e original. Uma profunda busca de Deus.

Auscultar a expressão de um Povo

A chamada Caixa de Correio de Nossa Senhora constitui um arquivo do santuário de Fátima no qual se conservam as mensagens ali enviadas de todo o mundo, a partir da década de 40 do século passado, dirigidas à Mãe de Jesus. Trata-se de cartas, bilhetes, postais, ex-votos, num número que atinge os milhões e que constituem uma expressão de devoção íntima e pessoal de inúmeros católicos de todas as origens sociais, económicas e familiares.

Sete Partidas

Angela Merkel

Partilho o último discurso de Ano Novo de Angela Merkel como chanceler alemã. A princípio não gostava muito dela, e desgostei especialmente na época da crise do euro. A rejeição era tal que, há cerca de 15 anos, os meus filhos sentiram necessidade de tomar uma importante decisão pessoal: anunciaram que gostavam muito dos avós “apesar de eles votarem na Angela Merkel”.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This