Taizé: continuar o caminho deste novo ano

| 25 Jan 20

Estive presente em mais uma etapa da peregrinação da confiança – o encontro europeu anual promovido pela comunidade de Taizé. A cidade que acolheu este encontro foi Breslávia (Wrocław), na Polónia, e nele participaram mais de 15 mil jovens de todo o mundo.

A beleza da cidade, nas suas pontes, ruas largas, catedrais magníficas esconde a dura realidade por detrás da perfeita geometria: foi uma cidade destruída na II Guerra Mundial e reconstruída no pós-guerra. Em visita guiada ao Parque do Mamute, pelos jovens da paróquia de Oporów (que em português significa ‘Resistência’) podemos ver um monte enorme, erguido com os destroços da cidade deixados pela guerra, lembrando a todos que é possível reconstruir algo a partir do pior cenário.

Foi a primeira vez que visitei uma cidade que viveu a II Guerra Mundial.

A quantidade de jovens ucranianos era significativa, por ser um país vizinho mas não só: a guerra que se vive no leste da Ucrânia, apesar da informação chegar pouco aos nossos media, tem contribuído para uma forte migração de pessoas da Ucrânia para a Polónia.

Estar em Wrocław neste momento, com toda a sua história, com o que se passa agora naquela região e no mundo, fez-me abrir horizontes para o tema escolhido para Taizé para 2020, apresentado no encontro: “Sempre a caminho, mas nunca desenraizados”.

A ideia do povo a caminho é uma das mais antigas, expressa no livro de Génesis na saída de Caim do Éden para a terra ou no episódio de Abrão, quando Deus lhe diz para sair da sua terra para o fazer Pai de muitas nações; ou no Êxodo, na fuga de Moisés com o povo libertado da escravidão caminhando durante quarenta anos no deserto para chegar à Terra Prometida. Algo curioso é que Deus envia os seus profetas e povo a terra estrangeira e ocupada: Abrão, Moisés, Josué ou David.

Vivemos num mundo em movimento, nas nossas cidades recebemos pessoas que estão de passagem, que estão para ficar. Geram-se expectativas de ambos os lados dos que acolhem e do que são acolhidos. Independentemente do lugar onde alguém está, as suas raízes cultura, história e hábitos não desaparecem.

Lembro-me de, num encontro inter-religioso de jovens organizado pelo Alto-Comissariado das Migrações se ter distinguido “multiculturalidade” e “interculturalidade”. No primeiro caso, o conceito remete para uma sociedade partilhada com pessoas de várias culturas que se juntam, cada um na sua, sem relação; numa sociedade intercultural, as pessoas de diferentes culturas não se dividem cada um na sua, mas várias culturas coabitam e interagem lado a lado.

Embora não tenha sido uma passagem escolhida para a reflexão diária, a comparação que Jesus faz identificando-se como a videira “verdadeira”, em que todos somos ramos, ligados à mesma raiz, em que um mesmo Espírito e Palavra seiva no interior, também se liga a este tema. Em qualquer sítio, em diáspora, em qualquer situação mais conturbada deste nosso caminho, a Palavra de Deus e Jesus, não deixa de ser raiz e a ligação à videira estará presente.

O que podemos esperar desta reflexão em Taizé durante o ano?

O tema do acolhimento e dos refugiados certamente estará bem presente também este ano, no “saber ser acolhido e acolher”; a fidelidade a quem somos, à nossa história de vida, que nos permite continuar a percorrer este caminho para Cristo e em Cristo; e, de novo, também a questão da criação será um dos temas das reflexões em Taizé, com base no Salmo 104 “Sempre a Caminho…ligados à Criação”.

Como refere o Salmo 119, 2: “Sou um peregrino sobre a terra: não ocultes de mim teus mandamentos.”

Continuemos o caminho neste novo ano!

 

Catarina Sá Couto é missionária leiga da Igreja Lusitana – Comunhão Anglicana, “jovem líder” da Carta da Terra e representante em Portugal dos Green Anglicans – Rede Lusófona

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

CE volta a ter enviado especial para promover liberdade religiosa no mundo novidade

O cargo de enviado especial para a defesa da liberdade religiosa tinha sido extinto no ano passado pela presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, mas as pressões de inúmeros líderes religiosos e políticos para reverter essa decisão parecem ter surtido efeito. O vice-presidente da CE, Margaritis Schinas, anunciou que a função irá ser recuperada.

Papa assinala sete anos da viagem a Lampedusa com missa especial online

O Papa Francisco celebra esta quarta-feira, 8 de julho, o sétimo aniversário daquela que foi a primeira (e talvez mais icónica) viagem do seu pontificado: a visita à ilha de Lampedusa. A data é assinalada com uma eucaristia presidida por Francisco na Casa Santa Marta, a qual terá início às 10 horas de Lisboa, e será transmitida online através dos meios de comunicação do Vaticano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

O hospital pediátrico Bambino Gesú, em Roma, gerido pelo Vaticano, separou com êxito duas irmãs siamesas de 2 anos, que nasceram unidas pelo crâneo na República Centro Africana. A complexa operação, que durou 18 horas e contou com uma equipa de 30 profissionais de saúde, teve lugar no passado dia 5 de junho, mas o hospital só revelou todos os detalhes esta quarta-feira, 8 de julho, numa conferência de imprensa.

É notícia

Entre margens

Re-cristianizar é preciso! novidade

Muita gente pensa que se eliminarmos a religião da arena pública, também acabarão as noções éticas que (ainda) sustentam a nossa sociedade. Mas para essas pessoas a moral cristã é a mãe de todas as repressões. A sociedade utópica está na música de John Lennon. É preciso deixar de cultivar moralismos “medievais”. Sejamos livres. Sejamos livres para gritar e estrebuchar.

Do confinamento às Minas novidade

Vestígios dos trilhos usados para o contrabando abundante nesta zona da raia. Algum complemento a um salário magro. Histórias de perigos, ousadia, dignidade, persistência e superação. Na aldeia de Santana das Cambas existe um Museu do Contrabando que soubemos estar encerrado.   
Curvo-me perante uma realidade que desconhecia, apenas intuía… Ao olhar para os mineiros envelhecidos e suas famílias passei a vê-los como heróis, príncipes daquela terra, figuras exemplares de cidadania e coragem.

A favor do argumento ontológico

A realidade é um extraordinário abismo de Ilimitado em todas as direções e dimensões. É isto o Absoluto. Não tendo na sua constituição nenhuma descontinuidade, nenhum vazio absoluto (pois nele o nada absoluto [ou Nada] não pode simplesmente ter lugar), o Absoluto é plenitude de Ser. A isto se chega pela simples consideração de que o Nada, precisamente por ser Nada, não existe nem pode existir, pelo que sobra “apenas” aquilo que existe de facto, que é Tudo.

Cultura e artes

Aquilino e Bartolomeu dos Mártires: o “pai dos pobres e mártir sem desejos”

Aquilino Ribeiro, escritor de prosa escorreita, pujante, honrou a dignidade da língua portuguesa à altura de outros antigos prosadores de grande qualidade. Irmanado com a Natureza beirã: aves, árvores, animais e homens. Espirituoso e de fina ironia, é bem o Mestre da nossa Língua. Em “Dom Frei Bertolameu” faz uma espécie de hagiografia do arcebispo de Braga, D. Frei Bartolomeu dos Mártires (1514-1590), canonizado pelo Papa Francisco a 6 de Julho de 2019.

Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir”

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

Teologia bela, à escuta do Humano

Pensar a fé, a vivência e o exercício do espírito evangélico nos dias comuns, é a tarefa da teologia, mais do que enunciar e provar fórmulas doutrinárias. Tal exercício pede atenção, humildade e escuta dos rumores divinos na vida humana, no que de mais belo e também de mais dramático acontece na comunidade dos crentes e de toda a humanidade.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco