Taizé e os jovens: uma experiência que marca

| 11 Dez 19

Taizé: o apelo ao essencial cativa os jovens. Foto: Direitos reservados

 

Ao longo dos anos em que tenho participado nos encontros de Taizé, no âmbito da minha docência na disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica, acompanhando e partilhando esta experiência com algumas centenas de alunos, tenho-me interrogado acerca do que significa aquilo a que chamamos “espiritualidade de Taizé” – que, no meu entender, é o que leva, ano após ano, milhares de jovens, a maioria repetidas vezes, à colina da pequena aldeia da Borgonha (França).

Quatro palavras, que são, ao mesmo tempo, modos de viver a vida, sobressaem nas reflexões dos jovens: simplicidade, comunhão, silêncio e oração.

A simplicidade manifesta-se na frugalidade da alimentação, na essencialidade das estruturas de apoio e principalmente na relação dos irmãos com os jovens. Este apelo ao essencial cativa os jovens, “intoxicados” pela vida que habitualmente levam, mediatizada, sempre online, cheia de estereótipos sociais, de superficialidade nas relações, na inversão dos valores que realmente importam.

A comunhão faz com que milhares de jovens de geografias, comunidades e culturas tão diferentes, se entendam, sem problemas de língua, porque é com o coração que falam uns com os outros e essa linguagem é universal. Fazem comunhão, quando percebem e aceitam que todos os trabalhos que são convidados a realizar se destinam a toda a comunidade, num sentido fraterno, de que todos estão dependentes de todos e a todos compete contribuir para o bem da comunidade.

Quando, na oração da noite dos sábados, naquela que nós chamamos oração da luz, os milhares de jovens, cada um com uma pequena vela na mão, a acende, a partir do círio pascal, passando a luz de mão em mão, assiste-se a um momento maravilhoso, de comunhão, que a luz de Deus a todos irmana e ilumina.

A grande maioria dos jovens fala do silêncio como uma das mais maravilhosas experiências que Taizé lhes revela. Vivendo vidas ruidosas, exterior e interiormente, eles encontram, nestes longos momentos de silêncio, tempo para pensarem nas suas vidas, nas suas relações com os outros, nos seus projetos de vida. Muitos descobrem, nestes momentos, sentido e orientação para a sua existência. E disso dão testemunho, tantas vezes emocionado.

A oração pauta toda a vida de Taizé. Marca os tempos, foca a atenção dos jovens na essência de Taizé: o encontro com Deus. É sempre espantoso como os jovens, à medida que os dias vão passando, vão aderindo com mais profundidade às orações. De tal modo que muitos ficam na Igreja da Reconciliação, muito para além do tempo das orações comunitárias. Quando nas sextas-feiras, na oração da noite, os jovens são convidados a ajoelhar junto do ícone da cruz e, de fronte colada a ela, têm um encontro com Deus, falando-Lhe das suas angústias, dos seus problemas, dos seus anseios e das suas alegrias, apelando à misericórdia de Deus para eles e para quem amam, assiste-se a um maravilhoso momento de entrega, de interpelação pessoal, que os marca para a vida inteira.

Como tão bem definiu S. João Paulo II, “passa-se por Taizé como se passa por uma fonte. O viajante pára, mata a sede e segue caminho”. Taizé sacia essa sede comum a todos os jovens. Talvez seja esse o verdadeiro espírito de Taizé.

 

Dina Pinto é professora de Educação Moral e Religiosa Católica em Bragança

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

O Papa e os “teístas com água benta cristã”

“Quando vejo cristãos demasiado limpos, que têm toda a verdade, a ortodoxia, e são incapazes de sujar as mãos para ajudar alguém a levantar-se, eu digo: ‘Não sois cristãos, sois teístas com água benta cristã, mas ainda não chegastes ao cristianismo’”. A afirmação é do Papa Francisco, numa conversa sobre o Credo cristão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Eutanásia, hora do debate novidade

Seja qual for a posição de cada um, a reflexão e o debate sobre a eutanásia é uma exigência de cidadania e não uma discussão entre alguns, em círculo fechado, mesmo se democraticamente nos representam. Quando está em jogo o tipo de sociedade que desejo para os meus netos, não quero que outros decidam sem saberem o que penso.

“Qual é o mal de matar?”

A interrogação que coloquei como título deste texto foi usada por Peter Singer que a ela subordinou o capítulo V do seu livro Ética Prática. Para este filósofo australiano, a sacralidade da vida humana é entendida como uma forma de “especismo”, uma designação que ele aplica a todas as teorias que sustentam a superioridade da espécie humana.

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro novidade

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Sete Partidas

Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco