Afeganistão

Talibãs obrigam mulheres a cobrir-se

| 11 Jan 2022

Unama/Freshta Dunia

Foto © Unama/Freshta Dunia

 

O Ministério afegão para a Promoção da Virtude e Prevenção do Vício colocou cartazes por toda a capital, Cabul, ordenando às mulheres que se cobrissem.

A medida, a mais recente das restrições que vêm sendo impostas pelo regime dos taliban, foi confirmada pelas autoridades à Agência France Presse (AFP), que divulgou a notícia. Os cartazes mostram perfis de mulheres de cara completamente tapada.

Segundo a interpretação rigorosa da sharia, as mulheres muçulmanas devem usar o hijab. Contudo, “se alguém não seguir, isso não significa que será punido ou espancado, é apenas um incentivo para as mulheres muçulmanas seguirem a lei islâmica”, disse Sadeq Akif Muhajir, porta-voz ministerial, à AFP.

“O que eles estão a tentar fazer é espalhar o medo entre as pessoas”, disse à agência uma estudante universitária, defensora dos direitos das mulheres, que não quis ser identificada.

As mulheres têm vindo a ser excluídas dos empregos públicos e, no caso das raparigas, também das escolas secundárias. Foram, além disso, proibidas de viajar sozinhas em viagens longas. Isto apesar de os taliban terem prometido uma suavização da linha dura que caraterizou o período em que estiveram no poder, de 1996 a 2001.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This