Talitha Kum: enfrentar o tráfico humano, dar nova oportunidade às mulheres vítimas

| 10 Out 19

 

Países em guerra, migrações, violência sexual, exploração de países mais desfavorecidos – estas são algumas das causas que levam tantas mulheres a deixar-se enredar nas malhas de redes de tráfico de pessoas. A Talitha Kum, rede de religiosas de apoio a mulheres vítimas de tráfico, quer contrariar a realidade e vai apostar na formação de 400 religiosos, colaboradores e 50 novos líderes, para trabalharem em projetos educacionais.

“Por razões de guerra, violência, migração, os imigrantes sujeitam-se a qualquer coisa” diz a irmã Júlia Bacelar, das Irmãs Adoradoras. Esta religiosa portuguesa integra a Talitha Kum e participou em Roma, há duas semanas, numa assembleia internacional desta rede. “Isso acontece, especialmente, em países acolhedores, em que os refugiados procuram viver por qualquer meio de modo a evitar a guerra e a violência que se abate nos seus países.”

Dados da Organização Internacional das Migrações indicam que, entre 2005 e 2014, ter-se-á reduzido bastante (de menos de 60% para pouco mais de 10%) a percentagem do número de vítimas de tráfico humano destinadas à via da exploração sexual. A partir de 2014, a tendência é de novo de crescimento. Pelo contrário, aumentou o número de pessoas vítimas pelo lado do trabalho escravo (de pouco mais de 30 para cima de 80%), enquanto o número de pessoas sujeitas a ambas as condições aumentou ligeiramente no mesmo período.

Tipos de exploração entre vítimas identificadas de tráfico humano. Fonte: Organização Internacional das Migrações (https://migrationdataportal.org/themes/human-trafficking)

 

Outra leitura que os dados permitem é que só em 2015-16 é que os homens e os rapazes ultrapassaram as mulheres e raparigas como o maior número contingente de vítimas; até aí, eram elas o maior número de vítimas.

Tráfico humano por sexo e idade das vítimas identificadas. Fonte: OIM

 

A origem geográfica de muitas destas vítimas da “indústria” do tráfico humano localiza-se quase sempre em zonas de conflito ou de tensões políticas e sociais. “A maioria tem origem na América Latina e Ásia e África. O centro de receção é, normalmente, a Europa. No caso da China, são levadas para os Estados Unidos,” indica a irmã Júlia. “Temos de estar mais presentes, porque nenhum país tem as mãos limpas” afirma, sobre a realidade, ainda mais quando todos os dados apontam para o aumento das vítimas de tráfico humano.

 

150 mil milhões de dólares por ano

A Organização Internacional de Trabalho (OIT) indica ainda que o trabalho forçado é uma “indústria” que gera cerca de 150 mil milhões de dólares por ano. Em 2012, a OIT calculava que 21 milhões de pessoas são vítimas de escravatura moderna (mas há outros estudos a apontar para mais). Dessas, 14,2 milhões (68%) são destinadas a trabalho escravo, 4,5 milhões (22%) a exploração sexual e 2,2 milhões (10%) a trabalhos forçados.

A estes números, acrescentam-se os vazios legais de alguns países e que aumentam a lista das dificuldades a enfrentar por organizações como a Talitha Kum. “Portugal, neste caso, é um país modelo, que põe estas leis em prática” afirma a religiosa das Irmãs Adoradas Escravas do Santíssimo Sacramento e da Caridade. “Temos muitas vezes sérias dificuldades em ajudar pessoas. Mas a nossa missão é procurarmos aproximar-nos das mulheres, dar-lhes outra hipótese e tentar ajudá-las. Não importa as adversidades.”

Para enfrentar o fenómeno e dificuldades como as referidas, a rede decidiu, na sua reunião de final de setembro, investir fortemente na formação, bem como na constituição de redes locais e no fortalecimento das redes já existentes. Aprofundar o conhecimento da realidade do tráfico de seres humanos em todo o mundo e das causas; aprofundar o pensamento social católico relevante para esta área; estudar psicologia e sociologia em áreas como as relações de ajuda, a cura do trauma e a defesa das vítimas; e conhecer o direito nacional e internacional sobre o tema do tráfico são algumas das áreas prioritárias na ação da rede para os próximos tempos.

Essas tarefas estão implícitas no Manual de Formação da rede, que aponta o acolhimento, a individualização e clarificação dos problemas, a autodeterminação, a solução e o resultado como áreas fundamentais.

 

Garantir uma migração segura

Composta por congregações religiosas pertencentes a 92 países e a cinco continentes, a rede internacional Talitha Kum tem o seu centro em Roma.

Júlia Bacelar, 69 anos, descreve que através da Talitha Kum (expressão aramaica utilizada por Jesus e que significa “menina, eu te digo, levanta-te”) já se envolveu em inúmeras missões de apoio a mulheres vítimas de tráfico humano ou violência doméstica. “Comecei com vítimas de tráfico a partir da década de 1990,” afirma, “ajudando ao nível da intervenção, formação e projetos de integração em diversos países”. Na sequência desse trabalho e dos projetos concretizados por dezenas de grupos de religiosas na ajuda a vítimas de discriminação sexual, decorreu em Roma, em 2009, uma primeira assembleia de várias congregações de religiosas de todo o mundo, que deu origem à rede Talitha Kum.

Para o período 2020-25, a Talitha Kum pretende desenvolver agora seguir três orientações: “O poder de diferenciar entre homens e mulheres em todos os sectores: económico, social, familiar, político, cultural e religiosa”; “o modelo dominante do desenvolvimento neoliberal e capitalismo irrestrito cria situações de vulnerabilidade, exploradas pelos recrutadores, traficantes, empregadores e compradores” e o facto de as “leis e políticas de imigração injustas e inadequadas aliadas à migração e deslocamento forçados coloca[re]m as pessoas em maior risco de serem traficadas”.

“Comprometemo-nos a trabalhar além das fronteiras e confins através de nossas redes a fim de garantir uma migração segura e impedir o recrutamento dos migrantes pelos traficantes, durante sua viagem e acompanhá-los em seu retorno. Comprometemo-nos a usar a nossa voz coletiva e envolver funcionários do governo para promover e fazer cumprir as leis e as políticas de migração” lê-se na declaração final da assembleia geral.

 

O apoio, proximidade e carinho do Papa Francisco

Na reunião de setembro, em Roma, o Papa Francisco encontrou-se com as 200 participantes, dizendo-lhes que elas são “a vanguarda missionária da Igreja”, tendo em conta o trabalho que fazem. Foi um belo elogio, recorda a irmã Júlia. “Em qualquer parte do mundo, temos de ir longe, com facilidade, rapidez e eficácia. Temos uma certa “ousadia”, como ele diz, mas é a forma como operamos e queremos operar.”

A religiosa portuguesa também lamenta que não se possa fazer mais como o Papa Francisco pretende, descrevendo a estrutura eclesiástica como “bastante pesada” quando comparada com a liberdade que as comunidades religiosas têm conseguido.

Júlia Bacelar recorda com afeto o seu encontro com o Papa. “Este ‘bichinho’ dos refugiados e deste tipo de vítimas é importante para ele.” Prova disso foi que, durante o encontro, foi importante e comovente ver que Francisco fez questão de falar “com cada uma das freiras de cada congregação, individualmente”, inteirando-se do trabalho que cada uma realiza. “Ele tem uma capacidade de atenção impressionante”, descreve, “com um olhar profundo que perscruta e está muito atento ao que se diz, tratando cada encontro como se fosse o primeiro.”

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Doentes de covid-19 mantêm “direito e acesso à assistência espiritual e religiosa” nos hospitais

A Coordenação Nacional das Capelanias Hospitalares emitiu um comunicado esta quarta-feira, dia 1, para esclarecer que “os capelães não estão impedidos de prestar assistência espiritual e religiosa”. Têm, isso sim, de cumprir “medidas de contingência existentes nos hospitais”, como todos os profissionais, por forma a minimizar os “riscos de contágio, quer dos capelães quer dos próprios doentes e dos profissionais”, sublinha o documento.

Cardeal Tagle propõe eliminar a dívida dos países pobres

O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, propôs a criação de um Jubileu especial em que os países ricos perdoem a dívida dos países pobres aos quais concederam empréstimos, de forma a que estes tenham condições para combater a pandemia de covid-19.

Oxfam pede “um Plano Marshall de Saúde” para o mundo

A Oxfam, ONG de luta contra a pobreza sediada no Quénia e presente em mais de 90 países, pediu esta segunda-feira, 30, “um plano de emergência para a saúde pública” com a mobilização de 160 biliões de dólares. Este valor permitiria duplicar os gastos com a saúde nos 85 países mais pobres, onde vive quase metade da população mundial.

Peter Stilwell deixa reitoria da única universidade católica da R.P. China

O padre português Peter Stilwell será substituído pelo diácono Stephen Morgan, do País de Gales, no cargo de reitor da Universidade de São José, em Macau.  A mudança, que já estava a ser equacionada há algum tempo, está prevista para julho, depois de um mandato de oito anos naquela que é a única universidade católica em toda a República Popular da China.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Costurar máscaras cirúrgicas em vez de vestes litúrgicas, ou como combater a pandemia no convento

Costurar máscaras cirúrgicas em vez de vestes litúrgicas, ou como combater a pandemia no convento

À medida que a pandemia alastrava, a angústia crescia no pequeno mosteiro do sul de França onde vivem as Irmãs da Consolação do Sagrado Coração e da Santa Face. As 25 religiosas queriam fazer mais do que rezar. Diante da imagem de Nossa Senhora do Povo, que acreditam ter salvo a sua região da peste em 1524, pediram lhes fosse dada uma tarefa: queriam colaborar com a virgem no combate a esta nova pandemia. No dia seguinte, receberam uma chamada do bispo da diocese e outra do presidente da câmara: ambos lhes pediam para fabricar máscaras.

É notícia

Entre margens

A ilusão do super-homem novidade

As últimas semanas em Portugal, e há já antes noutros cantos do mundo, um ser, apenas visível a microscópio, mudou por completo as nossas vidas. Na altura em que julgávamos ter atingido o auge da evolução e desenvolvimento técnico e científico, surge um vírus.

Esse Deus não é o meu!

Os fundamentalismos alimentam-se do medo, do drama e da desgraça. Muitos deles sobrevivem ainda do Antigo Testamento, a fase infantil da revelação divina na perspectiva cristã.

Cultura e artes

Editora francesa oferece “panfletos” sobre a crise

Sendo certo que as doações essenciais neste período de pandemia dizem respeito a tudo o que nos pode tratar da saúde física, não há razão para negligenciar outras dádivas. É o caso de uma das mais famosas editoras francesas, a Gallimard, que diariamente oferece textos que pretendem ser uma terceira via entre a solenidade da escrita de um livro e o anódino da informação de um ecrã.

Nick Cave e o espanto de Maria Madalena defronte do túmulo

É um assombro que espanta Nick Cave, aquele em que Maria Madalena e Maria permanecem junto à sepultura. Para o músico australiano, este é provavelmente o seu momento preferido da Bíblia. Jesus tinha sido retirado da cruz, o seu corpo depositado num túmulo novo, mandado talhar na rocha, e uma pesada pedra rolou para fazer a porta da sepultura. Os doze discípulos fugiram, só Maria Madalena e “a outra Maria” ali ficaram diante do túmulo.

Sete Partidas

Um refúgio na partida

De um lado vem aquela voz que nos fala da partida como descoberta. Um convite ao enamoramento pelo que não conhecemos. Pelo diferente. Um apelo aos sentidos. Alerta constante. Um banquete abundante em novidade. O nervoso miudinho por detrás do sorriso feliz. Genuinamente feliz. O prazer simples de não saber, de não conhecer…

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco