Talitha Kum: enfrentar o tráfico humano, dar nova oportunidade às mulheres vítimas

| 10 Out 19 | Cooperação e Solidariedade, Direitos Humanos, Igreja Católica, Newsletter, Papa Francisco, Sociedade - homepage, Trabalho e Economia, Últimas

 

Países em guerra, migrações, violência sexual, exploração de países mais desfavorecidos – estas são algumas das causas que levam tantas mulheres a deixar-se enredar nas malhas de redes de tráfico de pessoas. A Talitha Kum, rede de religiosas de apoio a mulheres vítimas de tráfico, quer contrariar a realidade e vai apostar na formação de 400 religiosos, colaboradores e 50 novos líderes, para trabalharem em projetos educacionais.

“Por razões de guerra, violência, migração, os imigrantes sujeitam-se a qualquer coisa” diz a irmã Júlia Bacelar, das Irmãs Adoradoras. Esta religiosa portuguesa integra a Talitha Kum e participou em Roma, há duas semanas, numa assembleia internacional desta rede. “Isso acontece, especialmente, em países acolhedores, em que os refugiados procuram viver por qualquer meio de modo a evitar a guerra e a violência que se abate nos seus países.”

Dados da Organização Internacional das Migrações indicam que, entre 2005 e 2014, ter-se-á reduzido bastante (de menos de 60% para pouco mais de 10%) a percentagem do número de vítimas de tráfico humano destinadas à via da exploração sexual. A partir de 2014, a tendência é de novo de crescimento. Pelo contrário, aumentou o número de pessoas vítimas pelo lado do trabalho escravo (de pouco mais de 30 para cima de 80%), enquanto o número de pessoas sujeitas a ambas as condições aumentou ligeiramente no mesmo período.

Tipos de exploração entre vítimas identificadas de tráfico humano. Fonte: Organização Internacional das Migrações (https://migrationdataportal.org/themes/human-trafficking)

 

Outra leitura que os dados permitem é que só em 2015-16 é que os homens e os rapazes ultrapassaram as mulheres e raparigas como o maior número contingente de vítimas; até aí, eram elas o maior número de vítimas.

Tráfico humano por sexo e idade das vítimas identificadas. Fonte: OIM

 

A origem geográfica de muitas destas vítimas da “indústria” do tráfico humano localiza-se quase sempre em zonas de conflito ou de tensões políticas e sociais. “A maioria tem origem na América Latina e Ásia e África. O centro de receção é, normalmente, a Europa. No caso da China, são levadas para os Estados Unidos,” indica a irmã Júlia. “Temos de estar mais presentes, porque nenhum país tem as mãos limpas” afirma, sobre a realidade, ainda mais quando todos os dados apontam para o aumento das vítimas de tráfico humano.

 

150 mil milhões de dólares por ano

A Organização Internacional de Trabalho (OIT) indica ainda que o trabalho forçado é uma “indústria” que gera cerca de 150 mil milhões de dólares por ano. Em 2012, a OIT calculava que 21 milhões de pessoas são vítimas de escravatura moderna (mas há outros estudos a apontar para mais). Dessas, 14,2 milhões (68%) são destinadas a trabalho escravo, 4,5 milhões (22%) a exploração sexual e 2,2 milhões (10%) a trabalhos forçados.

A estes números, acrescentam-se os vazios legais de alguns países e que aumentam a lista das dificuldades a enfrentar por organizações como a Talitha Kum. “Portugal, neste caso, é um país modelo, que põe estas leis em prática” afirma a religiosa das Irmãs Adoradas Escravas do Santíssimo Sacramento e da Caridade. “Temos muitas vezes sérias dificuldades em ajudar pessoas. Mas a nossa missão é procurarmos aproximar-nos das mulheres, dar-lhes outra hipótese e tentar ajudá-las. Não importa as adversidades.”

Para enfrentar o fenómeno e dificuldades como as referidas, a rede decidiu, na sua reunião de final de setembro, investir fortemente na formação, bem como na constituição de redes locais e no fortalecimento das redes já existentes. Aprofundar o conhecimento da realidade do tráfico de seres humanos em todo o mundo e das causas; aprofundar o pensamento social católico relevante para esta área; estudar psicologia e sociologia em áreas como as relações de ajuda, a cura do trauma e a defesa das vítimas; e conhecer o direito nacional e internacional sobre o tema do tráfico são algumas das áreas prioritárias na ação da rede para os próximos tempos.

Essas tarefas estão implícitas no Manual de Formação da rede, que aponta o acolhimento, a individualização e clarificação dos problemas, a autodeterminação, a solução e o resultado como áreas fundamentais.

 

Garantir uma migração segura

Composta por congregações religiosas pertencentes a 92 países e a cinco continentes, a rede internacional Talitha Kum tem o seu centro em Roma.

Júlia Bacelar, 69 anos, descreve que através da Talitha Kum (expressão aramaica utilizada por Jesus e que significa “menina, eu te digo, levanta-te”) já se envolveu em inúmeras missões de apoio a mulheres vítimas de tráfico humano ou violência doméstica. “Comecei com vítimas de tráfico a partir da década de 1990,” afirma, “ajudando ao nível da intervenção, formação e projetos de integração em diversos países”. Na sequência desse trabalho e dos projetos concretizados por dezenas de grupos de religiosas na ajuda a vítimas de discriminação sexual, decorreu em Roma, em 2009, uma primeira assembleia de várias congregações de religiosas de todo o mundo, que deu origem à rede Talitha Kum.

Para o período 2020-25, a Talitha Kum pretende desenvolver agora seguir três orientações: “O poder de diferenciar entre homens e mulheres em todos os sectores: económico, social, familiar, político, cultural e religiosa”; “o modelo dominante do desenvolvimento neoliberal e capitalismo irrestrito cria situações de vulnerabilidade, exploradas pelos recrutadores, traficantes, empregadores e compradores” e o facto de as “leis e políticas de imigração injustas e inadequadas aliadas à migração e deslocamento forçados coloca[re]m as pessoas em maior risco de serem traficadas”.

“Comprometemo-nos a trabalhar além das fronteiras e confins através de nossas redes a fim de garantir uma migração segura e impedir o recrutamento dos migrantes pelos traficantes, durante sua viagem e acompanhá-los em seu retorno. Comprometemo-nos a usar a nossa voz coletiva e envolver funcionários do governo para promover e fazer cumprir as leis e as políticas de migração” lê-se na declaração final da assembleia geral.

 

O apoio, proximidade e carinho do Papa Francisco

Na reunião de setembro, em Roma, o Papa Francisco encontrou-se com as 200 participantes, dizendo-lhes que elas são “a vanguarda missionária da Igreja”, tendo em conta o trabalho que fazem. Foi um belo elogio, recorda a irmã Júlia. “Em qualquer parte do mundo, temos de ir longe, com facilidade, rapidez e eficácia. Temos uma certa “ousadia”, como ele diz, mas é a forma como operamos e queremos operar.”

A religiosa portuguesa também lamenta que não se possa fazer mais como o Papa Francisco pretende, descrevendo a estrutura eclesiástica como “bastante pesada” quando comparada com a liberdade que as comunidades religiosas têm conseguido.

Júlia Bacelar recorda com afeto o seu encontro com o Papa. “Este ‘bichinho’ dos refugiados e deste tipo de vítimas é importante para ele.” Prova disso foi que, durante o encontro, foi importante e comovente ver que Francisco fez questão de falar “com cada uma das freiras de cada congregação, individualmente”, inteirando-se do trabalho que cada uma realiza. “Ele tem uma capacidade de atenção impressionante”, descreve, “com um olhar profundo que perscruta e está muito atento ao que se diz, tratando cada encontro como se fosse o primeiro.”

Artigos relacionados

Mais 14 cristãos mortos a sangue frio no Burkina Faso

Mais 14 cristãos mortos a sangue frio no Burkina Faso

Pelo menos 14 cristãos protestantes foram “executados” durante o serviço religioso que decorria neste domingo, numa igreja protestante no leste do Burkina Faso. O ataque ocorreu em Hantoukoura, perto da fronteira com o Níger (leste do país) e terá sido executado por um dos vários grupos jihadistas que operam na região.

Apoie o 7 Margens

Breves

Cordão humano pelo direito a horários dignos e compatíveis com vida familiar

Um cordão humano de trabalhadores do comércio e serviços manifestou-se nesta quinta-feira, 12, diante do centro comercial Vasco da Gama, em Lisboa, a pedir horários dignos, a conciliação entre a vida profissional e familiar e melhores salários. Na acção de sensibilização, organizada pelo Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP), filiado na CGTP-IN, os trabalhadores empunharam faixas e distribuíram panfletos contestando a “violência e desumanização dos horários de trabalho” que impedem muitos de acompanhar os filhos menores, por exemplo.

Formação sobre cuidador informal começa em Lisboa

Consciencializar todos os que se confrontam com familiares em situações limite de dependência e doença prolongada é um dos objectivos principais da formação sobre cuidadores informais promovida pela paróquia de São Lourenço de Carnide (Igreja de Nossa Senhora da Luz), que nesta quinta-feira, 12 de Dezembro, se inicia em Lisboa.

Formação avançada em património religioso lançada na Católica

A Faculdade de Ciências Humanas (FCH) da Universidade Católica Portuguesa e o Departamento de Turismo do Patriarcado de Lisboa organizaram um programa de formação avançada em Turismo e Património Religiosos, com o objetivo de “promover a aquisição de competências nos domínios do conhecimento e divulgação do património artístico religioso da diocese de Lisboa”.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

A viagem começou a 3 de Fevereiro, diante da Sé do Porto: “Quando estacionámos o jipe em frente à catedral do Porto, às 15h30, a aragem fria que fustigava o morro da Sé ameaçava o calor ténue do sol que desmaiava o seu brilho no Rio Douro.” Terminaria doze dias depois, em Bissau: “Esta África está a pedir, em silêncio e já há muito tempo, uma obra de aglutinação de esforços da comunidade internacional, Igreja incluída, para sair do marasmo e atonia de uma pobreza endémica que tem funestas consequências.”

É notícia

Entre margens

Porque quererá alguém estudar teologia?

O livro que estamos aqui a apresentar comemora os 50 anos de uma Faculdade de Teologia, e da única que existe em Portugal. Quando li o livro achei que era uma óptima oportunidade para tornar explícitas várias perguntas. São perguntas que me parecem importantes, nomeadamente: para que serve estudar teologia? E, o que é exactamente estudar teologia? Não é preciso ser-se professor de teologia para achar estas perguntas difíceis, e aproveitar e agradecer a oportunidade de lhes tentar responder em público.

O terror nazi: “Todos devem saber tudo”

Uma notícia que li esta semana no Der Spiegel descreve cenas de puro horror. Mas o mundo não pode esquecer o que aconteceu há 75 anos num dos países mais evoluídos do mundo. Temos de saber, temos de estar bem conscientes daquilo de que podemos ser capazes quando atribuímos a pessoas de certos grupos categorias que lhes sonegam a dignidade dos humanos.

Teocracia? Não, obrigado!

Ainda estamos a tempo de aprender que nenhuma teocracia é melhor do que a outra. Não importa se é islâmica, judaica, cristã ou outra qualquer. Definitivamente, não.

Cultura e artes

Livro “A Igreja de São Cristóvão de Lisboa” recupera caso de intervenção única no património

A Igreja de São Cristóvão de Lisboa é o título do livro que será apresentado nesta sexta-feira, 13 de Dezembro, às 18h, naquela igreja da Mouraria que teve um programa de reabilitação iniciado com o projecto vencedor do Orçamento Participativo de Lisboa – um caso único de envolvimento de uma comunidade católica, artistas, investigadores e a autarquia.

Sophia lida pelos mais novos (5) – A Árvore

Uma árvore de que as pessoas gostam, que se transforma em sombra demasiada, que é cortada e partilhada, que se transforma em memória e cantiga, num barco grande ou em cerejeiras… A Árvore, um dos contos infantis de Sophia de Mello Breyner, é hoje aqui recontada com textos e ilustrações de alunos do 4º ano, turma C, da Escola Básica Bom Pastor (Porto). 

Joker, o desafio da diferença

Filmes baseados em banda desenhada não faltam, mas este Joker é diferente. Para melhor. É o único representante desta década nos vinte melhores filmes de sempre da IMDb e parece-me sério candidato aos Óscares de melhor ator, realizador e banda sonora.

Concertos de Natal nas igrejas de Lisboa

Começa já nesta sexta-feira a edição 2019 dos concertos de Natal em Lisboa, promovidos pela EGEAC. O concerto de abertura será na Igreja de São Roque, sexta, dia 6, às 21h30, com a Orquestra Orbis a executar obras de Vivaldi e Verdi, entre outros.

Sete Partidas

Dos imigrantes europeus ao P. Joaquim Alves Correia, uma universidade nos EUA

A história desta Universidade americana faz-nos recuar ao fim do século XIX. Nada melhor que percorrer o seu vastíssimo campus para saber quando tudo começou. Uma enorme placa à entrada da Reitoria explica que foi fundada pelos Missionários do Espírito Santo em 1878, incorporada no Pittsburg Catholic College em 1882 e chamada ‘Duquesne University’ em 1911. A poucos metros, mesmo na entrada da Igreja da Universidade, está a estátua do seu fundador: o padre Joseph Strub, missionário alemão.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Dez
16
Seg
Cristianismo e islão: as possibilidades do diálogo – Conversa com o padre Joaquim Cerqueira Gonçalves, OFM @ Biblioteca Vítor de Sá (Sala Bib.2.7) - Universidade Lusófona
Dez 16@18:00_19:30

Encontro a pretexto dos 800 anos do encontro entre São Francisco de Assis e o Sultão Al-Kamil (1219-2019)

Dez
18
Qua
Inauguração do Memorial evocativo de Sophia de Mello Breyner Andresen, com azulejos de Menez @ Estação Marítima de Belém
Dez 18@12:00_13:00
Jan
3
Sex
Conferência sobre frei Agostinho da Cruz (1540 – 1619), pelo cardeal José Tolentino Mendonça @ Salão Nobre da Câmara Municipal de Setúbal
Jan 3@16:30_17:30

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco