Tecnologia: do centro e das margens

| 2 Out 2022

Francisco celebrou missa de reconciliação no Santuário de Santa Ana de Beaupré, na sua visita ao Canadá. No regresso, admitiu uma eventual revisão na doutrina da Igreja sobre a contraceção. Foto © Vatican Media.

Francisco celebrou missa de reconciliação no Santuário de Santa Ana de Beaupré, na sua visita ao Canadá: a capacidade de ser Igreja depende do bom uso da tecnologia ao dispor em cada nível de atuação. Foto © Vatican Media.

 

Estamos habituados a pensar a tecnologia apenas em termos mecânicos ou eletrónicos. Mas devemos entender a tecnologia como um conjunto de técnicas, instrumentos ou procedimentos usados para atingir um determinado efeito. Por exemplo, as técnicas ou a tecnologia educativa de uma escola elitista não pode ser a mesma que a de uma escola para todos.

Se olharmos bem, vemos facilmente que a tecnologia ou o conjunto de técnicas do exercício do poder no centro não podem ser as mesmas que as usadas por quem se encontra na periferia. No caso da Igreja Católica, conhecemos a imagem do papa transportado dum andor (o nome técnico é outro) aos ombros de uma série de homens. É claro que há o problema da visibilidade. Mas, curiosamente, a imagem do papa Francisco a tomar uma refeição na cantina com outros trabalhadores do Vaticano deu-lhe uma visibilidade notável. E se há problemas que o papa Francisco tem não é, sem dúvida, o de falta de visibilidade.

Governar ao centro é uma coisa; governar na periferia é outra. Ser igreja no centro e na periferia implica tecnologias diferentes. No centro, a comunicação é sobretudo vertical de cima para baixo e o estilo é imperativo. Governar na periferia implica uma comunicação de baixo para cima e depois uma regulação de cima para baixo e, além disso, uma série de processos horizontais entre participantes de uma caminhada comum.

Ora nós sabemos que a organização da Igreja Católica é de forte hierarquização e numa estrutura vertical de cima para baixo: centralizadora e clerical. Nem é necessário dar exemplos. Mas basta referir que é ainda uma monarquia absoluta e que na paróquia comum o padre é quase tudo, mesmo daquilo que percebe pouco.

Recentemente, foram-nos dadas imagens do processo sinodal em que é bem visível que o lugar de poder é ocupado por quem devia estar a escutar. Que escuta deve dar poder àquele que ocupa o lugar de fala. Mas se quem fala está num lugar físico e social de sujeição, que fala pode ser a sua?

Temos de olhar para as relações dentro da Igreja como sendo elas próprias significativas – porque o são – e geradoras de um certo resultado. E nós sabemos como as pessoas estão hoje habituadas a e desejosas de um certo tipo de relação. Por exemplo: até há bem pouco tempo, o cliente ia à mercearia e pedia um produto que o lojista ia buscar e lhe fornecia; hoje, a pessoa vai ao supermercado e escolhe, entre vários produtos, aquele que ela prefere. O mundo não é o mesmo. A tecnologia é outra, própria de um novo mundo. E não basta pensar que o nosso mundo é outro, porque estamos neste mundo.

É claro que a “verdade” de uma religião não pode ser decidida por votação. Mas nem tudo numa igreja é a sua “verdade”. Alguns aspetos têm a ver com contabilidade, com legalidade, com eficácia, com gestão da informação, com gestão financeira, etc. Ora os crentes estão, muitas vezes, bem habilitados nestes domínios, embora tendam a ser reduzidos a nada ou quase nada na vida eclesial. Não é difícil calcular com que resultados.

Recordemos, por exemplo, que a organização da Igreja Católica é muito centralizadora ou mesmo absolutista, enquanto as igrejas protestantes são muito mais democráticas no seu governo. Estamos, aqui, perante tecnologias opostas no que respeita à condução da vida da comunidade e da instituição.

Este não é só um problema da Igreja Católica: é uma questão vital para qualquer comunidade de crentes. Não se pode utilizar a mesma tecnologia de organização na cidade e na aldeia rural, na Europa e na África subsariana, com jovens e com idosos, com camadas populares e com elites culturais, e assim por diante.

Não há dúvida de que existe um problema nuclear que podemos dizer como o da mensagem religiosa ou da “verdade” específica de cada religião. Mas uma comunidade ou instituição religiosa não se reduz a essa “verdade” e à sua interpretação. Por outro lado, a “verdade” vivida não é independente da forma como a vida se estrutura entre os crentes dessa religião.

Muita da recusa da religião ou do indiferentismo que sabemos existir não tem tanto a ver com a “verdade” religiosa ou com a crença em causa, mas com determinada tecnologia social que se tornou insuportável. Embora também muita da adesão a uma certa prática religiosa tenha mais a ver com a tecnologia em uso, mais inovadora ou mais conservadora, do que com o que era suposto ser essencial. Mas não há uma religiosidade independente da forma como ela é vivida e como são governadas as relações entre os crentes. Por isso mesmo, certos crentes só são religiosos com certos padres, pastores e outros líderes religiosos.

Para sair do centro para a periferia, não basta uma conversão espiritual, é necessária uma revolução tecnológica, que não é digital. Porque quem usar na periferia as técnicas do centro pode acabar eletrocutado, perdão, sociocutado.

Voltemos ao atrás: quem foi educado numa tecnologia do centro não está preparado para usar a tecnologia da periferia. O mais provável é que, se tiver boa vontade ou a isso for obrigado, vá à periferia com modos de ser, de estar e de relacionar-se próprios do centro. Sem que disso tenha verdadeira consciência e responsabilidade. E o mesmo quanto às expectativas dos crentes. O problema é muito mais complexo do que habitualmente conseguimos ver.

 

P.S. – Este problema, é claro, não diz respeito apenas à Igreja Católica.

 

José Alves Jana é doutorado em filosofia, professor aposentado, voluntário e dirigente associativo. Contacto: jalvesjana@gmail.com

 

ONG israelita já salvou a vida a 3.000 crianças palestinianas

Uma forma de "construir pontes"

ONG israelita já salvou a vida a 3.000 crianças palestinianas novidade

Amir tem cinco anos e, até agora, não podia correr nem brincar como a maioria das crianças da sua idade. Quando tinha apenas 24 meses, apanhou um vírus que resultou no bloqueio de uma das suas artérias coronárias, pelo que qualquer esforço físico passou a ser potencialmente fatal. Mas, muito em breve, este menino palestiniano poderá recuperar o tempo perdido. Com o apoio da organização humanitária israelita Save a Child’s Heart, Amir acaba de ser operado num hospital em Tel Aviv e está fora de perigo.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Francisco contra o divisionismo e a ordenação de mulheres

Entrevista à revista America

Francisco contra o divisionismo e a ordenação de mulheres novidade

“O divisionismo não é católico. Um católico não pode pensar ‘ou, ou’ e reduzir tudo a posições irreconciliáveis. A essência do católico é “e, e”. O católico une o bem e o não tão bom. O povo de Deus é um” – afirmou o Papa Francisco, a propósito das divisões na Igreja americana, na entrevista concedida no dia 22 de novembro a um conjunto de editores jesuítas e publicada na edição da revista America – The Jesuit Review desta segunda-feira, 28 de novembro.

Terra de pobreza e de milagres

[Crónicas da Guiné – 1]

Terra de pobreza e de milagres novidade

A Guiné-Bissau, como país, é um bom exportador de más notícias. E quando se chega ao território, o que imediato se faz notar é a pobreza e o lixo. Mas quando nos dizem “Tenho orgulho em Bissau ser uma cidade limpa… em comparação com outras capitais desta região de África”, percebemos que tudo é relativo – relativo aos padrões que adoptamos. Ou às notícias que procuramos. Porque há notícias que vêm ter connosco, pois sabem que serão bem acolhidas, e outras que se deixam ficar no seu cantinho, silenciosas, porque se reconhecem sem interesse.

Nasce uma nova rede eclesial para o cuidado da casa comum

América Latina

Nasce uma nova rede eclesial para o cuidado da casa comum novidade

Depois da Rede Eclesial Pan-Amazónica (REPAM) e da Rede Eclesial Ecológica Mesoamericana (REGCHAG), nasce agora a Rede Eclesial Gran Chaco e Aquífero Guarani (REGCHAG), com o objetivo de proteger os territórios que lhe dão nome e as respetivas comunidades, face a ameaças como o desmatamento, a contaminação e o desrespeito pelos modos de vida.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This