Tecnologia e Espiritualidade em tempo de crise

| 25 Mar 19

Não é nenhuma novidade dizer que vivemos hoje num mundo em crise. Crise por todos os lados: religiosa, política, cultural, económica, humana. Talvez isto seja algo constante na espécie humana e não seja algo inédito. O que se trata é de identificá-la o mais possível e tirar daí lições para o nosso dia-a-dia. Porque disso se trata no campo da Espiritualidade: é algo que não nos afasta do mundo, mas algo que nos devolve a ele de maneira mais profunda e intensa, ao seu âmago.

Vou comentar neste artigo a questão das novas tecnologias.

1. O impacto que as novas tecnologias têm no nosso mundo é inegável. A velocidade, intensidade e extensão das mudanças sociais e mentais que eles produzem são impressionantes. Os sociólogos do nosso tempo falam da “revolução 4.0”, uma revolução que poderia ser considerada como a quarta revolução industrial (ver, por exemplo, Klaus Schwab, A quarta revolução industrial(Edipro, São Paulo 2016).

Lembrando: a primeira teria sido entre 1760 e 1840. Foi causada pela construção dos caminhos de ferro e pela invenção do motor a vapor. Era de natureza mecânica. A segunda revolução industrial foi iniciada no final do século XIX e entrou no século XX: foi o surgimento da eletricidade e da linha de montagem, o que permitiu a produção em massa. A terceira começou nos anos 60. Chama-se “revolução digital ou computacional”. Foi impulsionada pelo desenvolvimento de semicondutores, computação em mainframe (década de 1960), computação pessoal (década de 1970 e 1980) e Internet (década de 1990).Agora estaríamos no começo de uma quarta revolução industrial. Como poderíamos caracterizá-la?Originou-se na viragem do século e baseia-se na revolução digital. Eis algumas das suas características: uma Internet mais omnipresente e móvel, por sensores menores e mais potentes (que se tornaram mais baratos), pela inteligência artificial e pela aprendizagem automática (ou aprendizagem da própria máquina). (Talvez possamos, com mais tempo, perceber que essa assim chamada “revolução 4.0”, é apenas um estágio do anterior, chamado de “terceira revolução”, porque é algo que parece “mais do mesmo”, do terceiro, do digital, só que a uma velocidade, complexidade e extensão muito maiores. Levando isto em conta, porém, continuaremos a chamá-la de momento e por acordo semântico, “revolução 4.0.”).

2. Está ainda por ver se esta “revolução 4.0.” promoverá mais harmonia social, equilíbrio económico e justiça social. Duvido. Acho que a tecnologia, como tal, não promove mais justiça. A tecnologia não é neutra. Na nossa sociedade capitalista neoliberal, favorece o Capital frente ao mundo do Trabalho. É uma tecnologia de classe. A tecnologia precisa de ser “finalizada”, ou seja, precisa de encontrar fins éticos e espirituais que a orientem. Nas mãos do Capital só servirá para obter gigantescos benefícios para uma minoria. Se, pelo contrário, ela for orientada por valores humanistas e éticos, poderá servir ao interesse coletivo da sociedade e não a uns poucos. Muito provavelmente sofrerá também drásticas transformações internas para favorecer este objetivo mais social e menos egocêntrico.

3. Como se situa a Espiritualidade neste contexto?

Se entendemos a Espiritualidade (que não é necessariamente idêntica a Religião, embora se possa entrecruzar com ela e dizer que toda a Religião deve partir e conservar uma Espiritualidade de base) como uma atitude frente à Vida na sua totalidade, uma atitude que passa por criar e recriar mais Vida, para nós, para o coletivo da Humanidade e para o resto da Natureza, que é algo que tem a ver com a nossa mística existencial (seja-se ateu, agnóstico ou crente, na ótica das religiões), então pode aparecer claro que o egocentrismoda acumulação privada não pode ser em absoluto um objetivo espiritual.

Neste sentido, a Espiritualidade é a superação do ego, tanto a nível individual como a nível coletivo (os egos sociais: nacionalismo, por exemplo). Portanto, a Espiritualidade torna-se um poderoso alimento de transformação, de mudança de vida, tanto do nosso quotidiano pessoal, como das nossas relações sociais e naturais como um todo. A Espiritualidade não é só uma questão individual, se bem que o mundo interiore o seu trabalho permanente é algo imprescindível. É também uma questão de uma transformação de estruturas económicas, tecnológicas, políticas, sociais, culturais e, inclusive, religiosas.

A Espiritualidade não pode ser uma Espiritualidade de refúgio frente a um mundo ameaçador, muito instável e até violento. A Espiritualidade, pelo contrário, é uma atitude mental e afetiva que orienta a nossa pegada neste Planeta de maneira responsável, positiva, propositiva e alegre.

(Voltaremos a estas importantes questões em artigos próximos)

Rui Manuel Grácio das Neves é frade dominicano, “Bodhisattva” da “Sangha” Zen de Lisboa e trabalha presentemente sobre a Espiritualidade Holística

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

O Papa e os “teístas com água benta cristã”

“Quando vejo cristãos demasiado limpos, que têm toda a verdade, a ortodoxia, e são incapazes de sujar as mãos para ajudar alguém a levantar-se, eu digo: ‘Não sois cristãos, sois teístas com água benta cristã, mas ainda não chegastes ao cristianismo’”. A afirmação é do Papa Francisco, numa conversa sobre o Credo cristão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Eutanásia, hora do debate novidade

Seja qual for a posição de cada um, a reflexão e o debate sobre a eutanásia é uma exigência de cidadania e não uma discussão entre alguns, em círculo fechado, mesmo se democraticamente nos representam. Quando está em jogo o tipo de sociedade que desejo para os meus netos, não quero que outros decidam sem saberem o que penso.

“Qual é o mal de matar?”

A interrogação que coloquei como título deste texto foi usada por Peter Singer que a ela subordinou o capítulo V do seu livro Ética Prática. Para este filósofo australiano, a sacralidade da vida humana é entendida como uma forma de “especismo”, uma designação que ele aplica a todas as teorias que sustentam a superioridade da espécie humana.

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro novidade

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Sete Partidas

Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco