Tecnologia e Espiritualidade em tempo de crise

| 25 Mar 19

Não é nenhuma novidade dizer que vivemos hoje num mundo em crise. Crise por todos os lados: religiosa, política, cultural, económica, humana. Talvez isto seja algo constante na espécie humana e não seja algo inédito. O que se trata é de identificá-la o mais possível e tirar daí lições para o nosso dia-a-dia. Porque disso se trata no campo da Espiritualidade: é algo que não nos afasta do mundo, mas algo que nos devolve a ele de maneira mais profunda e intensa, ao seu âmago.

Vou comentar neste artigo a questão das novas tecnologias.

1. O impacto que as novas tecnologias têm no nosso mundo é inegável. A velocidade, intensidade e extensão das mudanças sociais e mentais que eles produzem são impressionantes. Os sociólogos do nosso tempo falam da “revolução 4.0”, uma revolução que poderia ser considerada como a quarta revolução industrial (ver, por exemplo, Klaus Schwab, A quarta revolução industrial(Edipro, São Paulo 2016).

Lembrando: a primeira teria sido entre 1760 e 1840. Foi causada pela construção dos caminhos de ferro e pela invenção do motor a vapor. Era de natureza mecânica. A segunda revolução industrial foi iniciada no final do século XIX e entrou no século XX: foi o surgimento da eletricidade e da linha de montagem, o que permitiu a produção em massa. A terceira começou nos anos 60. Chama-se “revolução digital ou computacional”. Foi impulsionada pelo desenvolvimento de semicondutores, computação em mainframe (década de 1960), computação pessoal (década de 1970 e 1980) e Internet (década de 1990).Agora estaríamos no começo de uma quarta revolução industrial. Como poderíamos caracterizá-la?Originou-se na viragem do século e baseia-se na revolução digital. Eis algumas das suas características: uma Internet mais omnipresente e móvel, por sensores menores e mais potentes (que se tornaram mais baratos), pela inteligência artificial e pela aprendizagem automática (ou aprendizagem da própria máquina). (Talvez possamos, com mais tempo, perceber que essa assim chamada “revolução 4.0”, é apenas um estágio do anterior, chamado de “terceira revolução”, porque é algo que parece “mais do mesmo”, do terceiro, do digital, só que a uma velocidade, complexidade e extensão muito maiores. Levando isto em conta, porém, continuaremos a chamá-la de momento e por acordo semântico, “revolução 4.0.”).

2. Está ainda por ver se esta “revolução 4.0.” promoverá mais harmonia social, equilíbrio económico e justiça social. Duvido. Acho que a tecnologia, como tal, não promove mais justiça. A tecnologia não é neutra. Na nossa sociedade capitalista neoliberal, favorece o Capital frente ao mundo do Trabalho. É uma tecnologia de classe. A tecnologia precisa de ser “finalizada”, ou seja, precisa de encontrar fins éticos e espirituais que a orientem. Nas mãos do Capital só servirá para obter gigantescos benefícios para uma minoria. Se, pelo contrário, ela for orientada por valores humanistas e éticos, poderá servir ao interesse coletivo da sociedade e não a uns poucos. Muito provavelmente sofrerá também drásticas transformações internas para favorecer este objetivo mais social e menos egocêntrico.

3. Como se situa a Espiritualidade neste contexto?

Se entendemos a Espiritualidade (que não é necessariamente idêntica a Religião, embora se possa entrecruzar com ela e dizer que toda a Religião deve partir e conservar uma Espiritualidade de base) como uma atitude frente à Vida na sua totalidade, uma atitude que passa por criar e recriar mais Vida, para nós, para o coletivo da Humanidade e para o resto da Natureza, que é algo que tem a ver com a nossa mística existencial (seja-se ateu, agnóstico ou crente, na ótica das religiões), então pode aparecer claro que o egocentrismoda acumulação privada não pode ser em absoluto um objetivo espiritual.

Neste sentido, a Espiritualidade é a superação do ego, tanto a nível individual como a nível coletivo (os egos sociais: nacionalismo, por exemplo). Portanto, a Espiritualidade torna-se um poderoso alimento de transformação, de mudança de vida, tanto do nosso quotidiano pessoal, como das nossas relações sociais e naturais como um todo. A Espiritualidade não é só uma questão individual, se bem que o mundo interiore o seu trabalho permanente é algo imprescindível. É também uma questão de uma transformação de estruturas económicas, tecnológicas, políticas, sociais, culturais e, inclusive, religiosas.

A Espiritualidade não pode ser uma Espiritualidade de refúgio frente a um mundo ameaçador, muito instável e até violento. A Espiritualidade, pelo contrário, é uma atitude mental e afetiva que orienta a nossa pegada neste Planeta de maneira responsável, positiva, propositiva e alegre.

(Voltaremos a estas importantes questões em artigos próximos)

Rui Manuel Grácio das Neves é frade dominicano, “Bodhisattva” da “Sangha” Zen de Lisboa e trabalha presentemente sobre a Espiritualidade Holística

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Cardeal Tagle propõe eliminar a dívida dos países pobres novidade

O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, propôs a criação de um Jubileu especial em que os países ricos perdoem a dívida dos países pobres aos quais concederam empréstimos, de forma a que estes tenham condições para combater a pandemia de covid-19.

Oxfam pede “um Plano Marshall de Saúde” para o mundo novidade

A Oxfam, ONG de luta contra a pobreza sediada no Quénia e presente em mais de 90 países, pediu esta segunda-feira, 30, “um plano de emergência para a saúde pública” com a mobilização de 160 biliões de dólares. Este valor permitiria duplicar os gastos com a saúde nos 85 países mais pobres, onde vive quase metade da população mundial.

Peter Stilwell deixa reitoria da única universidade católica da R.P. China

O padre português Peter Stilwell será substituído pelo diácono Stephen Morgan, do País de Gales, no cargo de reitor da Universidade de São José, em Macau.  A mudança, que já estava a ser equacionada há algum tempo, está prevista para julho, depois de um mandato de oito anos naquela que é a única universidade católica em toda a República Popular da China.

Governo português decreta que imigrantes passam a estar em situação regular

O Governo português decretou que, a partir de 18 de Março (dia da declaração do Estado de Emergência Nacional), todos os imigrantes e requerentes de asilo que tivessem pedidos de autorização de residência pendentes no Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) passam a estar em situação regular, com os mesmos direitos que todos os outros cidadãos, incluindo nos apoios sociais.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

As circunstâncias fazem os grandes líderes. Cá estão elas.

Faço parte de uma geração que reclama grandes líderes. Não tenho muitas dúvidas que esta reclamação é de quem vive num certo conforto. Não tive um Churchill porque não passei por uma grande guerra. Não tive um Schuman porque não era vivo quando a Europa esteve em cacos. Não tive um Sá Carneiro, Freitas do Amaral ou Mário Soares porque não era vivo quando Portugal ainda só sonhava com uma Democracia plena e funcional.

Cultura e artes

Nick Cave e o espanto de Maria Madalena defronte do túmulo

É um assombro que espanta Nick Cave, aquele em que Maria Madalena e Maria permanecem junto à sepultura. Para o músico australiano, este é provavelmente o seu momento preferido da Bíblia. Jesus tinha sido retirado da cruz, o seu corpo depositado num túmulo novo, mandado talhar na rocha, e uma pesada pedra rolou para fazer a porta da sepultura. Os doze discípulos fugiram, só Maria Madalena e “a outra Maria” ali ficaram diante do túmulo.

Júlio Martín, actor e encenador: O Teatro permite “calçar os sapatos do outro”

O actor e encenador Júlio Martín diz que o teatro permite fazer a experiência de “calçar os sapatos do outro”, mantém uma conversa em aberto e, tal como a religião, “faz religar e reler”. E permite ainda fazer a “experiência de calçar os sapatos do outro, como os americanos dizem; sair de mim e estar no lugar do outro, na vida do outro, como ele pensa ou sente”, afirma, em entrevista à agência Ecclesia.

Uma tragédia americana

No dia 27 de Julho de 1996, quando decorriam os Jogos Olímpicos, em Atlanta, durante um concerto musical, um segurança de serviço – Richard Jewel – tem a intuição de que uma mochila abandonada debaixo de um banco é uma bomba. Não é fácil convencer os polícias da sua intuição, mas ele é tão insistente que acaba por conseguir.

Sete Partidas

Um refúgio na partida

De um lado vem aquela voz que nos fala da partida como descoberta. Um convite ao enamoramento pelo que não conhecemos. Pelo diferente. Um apelo aos sentidos. Alerta constante. Um banquete abundante em novidade. O nervoso miudinho por detrás do sorriso feliz. Genuinamente feliz. O prazer simples de não saber, de não conhecer…

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco