Tem graça: ainda vou à missa!

| 8 Dez 19

É o que fico a pensar, depois de ouvir certas conversas…

Por isso, apreciei muito a sugestão do Conselho Diocesano de Pastoral, de Aveiro (lida no Correio do Vouga, jornal diocesano, a 23 de Outubro): «escutar as pessoas sem medo do que disserem». Mas… E se as pessoas têm medo de dizer o que lhes vai na alma? E não seria igualmente importante perguntar «Por que é que vai à missa»?

Sintetizando as perguntas: Será porque «a catequese não está a cumprir a sua missão de iniciação cristã»? Por «desconsideração do sacramento da confissão ou determinados tipos de pregação»? Porque a Igreja não é «capaz de criar elites ou líderes cristãos»? Porque não é «suficientemente audaz»? Porque não há consenso sobre os «objectivos de evangelização»?

À primeira pergunta, preferia dar um jeitinho: Será que a catequese cristã não está a cumprir a sua missão de iniciação?

Todas as religiões têm catequese própria – a que não devia faltar a mais cativante iniciação ao contínuo crescimento de cada pessoa. Valorizando em cada qual o jeito de trepar mais alto e de admirar o mundo a toda a volta. Dessa altura se descobrem as infinitas formas de beleza e do bem, que as próprias sombras fazem sobressair. E também se aprende a dominar escarpas tenebrosas. Com esta abertura de visão, é que sabemos dar o devido valor à «civilização cristã»: manifesta-se no viver do dia-a-dia, nos modos de amar, de aumentar o bem-estar da sociedade, de se cultivar… na arte, na ciência, no pensamento e sobretudo na sabedoria. Tomamos consciência de que ser cristão é ser uma pessoa bem formada.

Uma das ideias fortes nos evangelhos é como Jesus quis ensinar a abrir os olhos para todos os horizontes e aí descobrir que o «trabalho de Deus» é o nosso trabalho em parceria com Deus: enraizar a boa-nova do reino de Deus. Esta expressão, nuclear à mensagem de Jesus, simboliza o mistério da presença activa de Deus no mundo. Como tal, é indefinível. Aliás, «Deus», por si, não pode ser definido – e «reino» não pode ter os sentidos correntes. Será como uma expressão poética, tão simples quanto profunda.

Crentes ou não, simpatizantes ou não… toda a gente podia reconhecer o alcance da mensagem. Como boa notícia, anunciava a esperança em que esta vida pode ser cada vez mais agradável. As multidões entusiasmavam-se e sentiam que valia a pena embarcar no projecto que tinha força para transformar a vida de todos os tempos, exigindo apenas a transformação da maneira de viver de cada um de nós – «Deus só ajuda a quem se ajuda!»

No tempo de Jesus, atribuir a Deus o nome de «Pai» era usar um símbolo poderoso: da fusão entre amor, justiça, atitude de respeito e de escuta…; e de se esforçar por «sair ao Pai»: sempre disposto a perdoar, a aproximar-se de quem precisa de ajuda, se for preciso dando vida por vida.

Ficaria bem dizer ao Pai que se gosta muito dele quando se vive a tirar proveito da injustiça e violência? A catequese cristã pode constituir excelente iniciação no dinamismo do mundo real e em como combater as causas da injustiça social.

Nesta estratégia de humanização, tem-se perigosamente esquecido a iniciação ao valor da beleza: é um trunfo precioso para que as missas não sejam uma «chatice» (como é vulgar ouvir) e as igrejas possam ser olhadas como o lugar em que temos o prazer de juntar os nossos desejos, conhecimentos e capacidades sob o objectivo do tal reino de Deus. O convívio entre uma assistência heterogénea quanto a gostos, espiritualidade e sentimento artístico, exige que a iniciação saiba corrigir o empobrecimento do nível cultural. E o gosto artístico no domínio da música e arte sacra só traz novidade e agrado a este processo de crescimento contínuo e harmonia social.

A variedade das manifestações artísticas esconde um mundo de ideais, de ciência, de tentativas de exprimir a imponência e sentido da vida e de todo o universo, de conjugar Deus e Humanidade. Pintura, escultura, arquitectura, música popular ou erudita, música clássica, canto gregoriano… toda essa Arte pode estar presente nas celebrações religiosas «como a comida quer o sal».

O mais importante raramente é bem expresso. Talvez em tentativas futuras, se esclareça melhor por que é que «ainda vou à missa».

Manuel Alte da Veiga é professor universitário aposentado

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: Faltam menos de €1.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: Faltam menos de €1.000 !

Já só faltam €875 para alcançarmos a meta dos €15.000 que vos propusemos como objetivo para esta campanha de recolha de fundos em favor do 7MARGENS. Estamos muito perto de chegarmos ao montante desejado, mas, tal como na maratona, os últimos metros são sempre os mais difíceis!

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Leigo nomeado líder pastoral de paróquia alemã

Pela primeira vez, foi atribuída a um leigo a gestão pastoral de uma paróquia, por decisão da diocese de Münster, na Alemanha. A medida, aplicada à paróquia de St. Georg en Saerbeck, surge na sequência da saída do pároco anterior e da impossibilidade de o substituir, devido ao reduzido número de padres, avança o jornal ABC.

CE volta a ter enviado especial para promover liberdade religiosa no mundo

O cargo de enviado especial para a defesa da liberdade religiosa tinha sido extinto no ano passado pela presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, mas as pressões de inúmeros líderes religiosos e políticos para reverter essa decisão parecem ter surtido efeito. O vice-presidente da CE, Margaritis Schinas, anunciou que a função irá ser recuperada.

Papa assinala sete anos da viagem a Lampedusa com missa especial online

O Papa Francisco celebra esta quarta-feira, 8 de julho, o sétimo aniversário daquela que foi a primeira (e talvez mais icónica) viagem do seu pontificado: a visita à ilha de Lampedusa. A data é assinalada com uma eucaristia presidida por Francisco na Casa Santa Marta, a qual terá início às 10 horas de Lisboa, e será transmitida online através dos meios de comunicação do Vaticano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Sudão acaba com pena de morte para cristãos que não se convertam ao islão

Sudão acaba com pena de morte para cristãos que não se convertam ao islão novidade

O Governo do Sudão prossegue o seu programa de reformas ao código penal do país, tendo anunciado que vai eliminar a pena de morte por apostasia (neste caso, a recusa por parte dos cristãos em converter-se ao islamismo) e despenalizar o consumo de álcool para os mesmos. A criminalização da mutilação genital feminina irá também avançar, depois de ter sido aprovada no passado mês de maio.

É notícia

Entre margens

Oração do silêncio novidade

O cristianismo tem uma longuíssima experiência da oração silenciosa ou meditação ou contemplação ou oração de Presença ou do Coração que, no Ocidente, se foi esfumando até quase desaparecer. O Concílio Vaticano II exprimiu a importância desta oração nos leigos, mas não pegou muito. Agora, surgem livros sobre o assunto e há mais prática desta oração. Há um livro que achei muito interessante: Pequeno Tratado da Oração Silenciosa, de Jean-Marie Gueullette, OP (2016, Paulinas Editora).

A sustentável leveza do jugo de Jesus

É incontestável o facto de que cada um de nós experimenta, uns mais do que outros e de formas variadas, o peso da vida. E esse peso manifesta-se de múltiplas maneiras, seja a depressão e solidão, a tensão e a ansiedade, a angústia e medo, a dor e a hostilidade. Carregamos até, voluntariamente ou não, os pesos de outros.

Desafia-te a viver positiva(mente)!

Assim, viver positivamente deverá impulsionar-nos a transcender essa visão ontológica do ser humano que tende a acentuar mais aquilo que é negativo ou que não funciona, procurando antes focar o olhar naquilo que cada circunstância oferece como aprendizagem, caminho necessário à mudança e ao crescimento, assim como naquilo que no mundo e no ser humano há de melhor.

Cultura e artes

Hagia Sophia, música de uma sublime respiração novidade

“Lost Voices of Hagia Sophia” (“Vozes perdidas da Divina Sabedoria”) é um disco ideal para tempos em que nos confinamos a viver afectos e contactos de forma receosa, com uma proposta inédita: recriar digitalmente o som daquela que já foi basílica e mesquita (a partir de 1453), hoje (ainda) monumento património da humanidade e que uma decisão do actual presidente turco pretende voltar a tornar mesquita.

Filmar o desejo como quem pinta

Retrato da Rapariga em Chamas é um filme magnificamente feminino que coloca ao espectador – talvez ainda mais ao espectador crente – algumas questões que dão que pensar. Penso que não é um filme ideológico a fazer a apologia da homossexualidade feminina ou do aborto, mas um retrato sofrido, sobretudo das três protagonistas.

Ennio Morricone na liturgia católica em Portugal

Embora músico semi-profissional – pertencia então à Equipa Diocesana de Música do Porto, presidida pelo padre doutor Ferreira dos Santos – desconhecia por completo, em 1971, quem era Ennio Morricone: sabia apenas que era o autor de uma balada cantada por Joan Baez, que ele compusera para o filme Sacco e Vanzetti (1971). Não me lembro como me chegou às mãos um vinil com essa música. Também não tinha visto o filme e não sabia nada dos seus protagonistas que hoje sei tratar-se de dois anarquistas de origem italiana condenados à cadeira eléctrica nos Estados Unidos, em 1927, por alegadamente terem assassinado dois homens…

Um exercício lento e sólido de teologia bíblica

No deserto pleno de ruídos em que vivemos – de notícias e conferências, de estradas engarrafadas e redes sociais saturadas –, é possível ver surgirem vozes de pensamento, de sabedoria sobre o que nos rodeia e nos habita. As páginas deste livro constituem uma dessas vozes. Cabe-nos escutá-la.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco