Tem graça: ainda vou à missa!

| 8 Dez 19

É o que fico a pensar, depois de ouvir certas conversas…

Por isso, apreciei muito a sugestão do Conselho Diocesano de Pastoral, de Aveiro (lida no Correio do Vouga, jornal diocesano, a 23 de Outubro): «escutar as pessoas sem medo do que disserem». Mas… E se as pessoas têm medo de dizer o que lhes vai na alma? E não seria igualmente importante perguntar «Por que é que vai à missa»?

Sintetizando as perguntas: Será porque «a catequese não está a cumprir a sua missão de iniciação cristã»? Por «desconsideração do sacramento da confissão ou determinados tipos de pregação»? Porque a Igreja não é «capaz de criar elites ou líderes cristãos»? Porque não é «suficientemente audaz»? Porque não há consenso sobre os «objectivos de evangelização»?

À primeira pergunta, preferia dar um jeitinho: Será que a catequese cristã não está a cumprir a sua missão de iniciação?

Todas as religiões têm catequese própria – a que não devia faltar a mais cativante iniciação ao contínuo crescimento de cada pessoa. Valorizando em cada qual o jeito de trepar mais alto e de admirar o mundo a toda a volta. Dessa altura se descobrem as infinitas formas de beleza e do bem, que as próprias sombras fazem sobressair. E também se aprende a dominar escarpas tenebrosas. Com esta abertura de visão, é que sabemos dar o devido valor à «civilização cristã»: manifesta-se no viver do dia-a-dia, nos modos de amar, de aumentar o bem-estar da sociedade, de se cultivar… na arte, na ciência, no pensamento e sobretudo na sabedoria. Tomamos consciência de que ser cristão é ser uma pessoa bem formada.

Uma das ideias fortes nos evangelhos é como Jesus quis ensinar a abrir os olhos para todos os horizontes e aí descobrir que o «trabalho de Deus» é o nosso trabalho em parceria com Deus: enraizar a boa-nova do reino de Deus. Esta expressão, nuclear à mensagem de Jesus, simboliza o mistério da presença activa de Deus no mundo. Como tal, é indefinível. Aliás, «Deus», por si, não pode ser definido – e «reino» não pode ter os sentidos correntes. Será como uma expressão poética, tão simples quanto profunda.

Crentes ou não, simpatizantes ou não… toda a gente podia reconhecer o alcance da mensagem. Como boa notícia, anunciava a esperança em que esta vida pode ser cada vez mais agradável. As multidões entusiasmavam-se e sentiam que valia a pena embarcar no projecto que tinha força para transformar a vida de todos os tempos, exigindo apenas a transformação da maneira de viver de cada um de nós – «Deus só ajuda a quem se ajuda!»

No tempo de Jesus, atribuir a Deus o nome de «Pai» era usar um símbolo poderoso: da fusão entre amor, justiça, atitude de respeito e de escuta…; e de se esforçar por «sair ao Pai»: sempre disposto a perdoar, a aproximar-se de quem precisa de ajuda, se for preciso dando vida por vida.

Ficaria bem dizer ao Pai que se gosta muito dele quando se vive a tirar proveito da injustiça e violência? A catequese cristã pode constituir excelente iniciação no dinamismo do mundo real e em como combater as causas da injustiça social.

Nesta estratégia de humanização, tem-se perigosamente esquecido a iniciação ao valor da beleza: é um trunfo precioso para que as missas não sejam uma «chatice» (como é vulgar ouvir) e as igrejas possam ser olhadas como o lugar em que temos o prazer de juntar os nossos desejos, conhecimentos e capacidades sob o objectivo do tal reino de Deus. O convívio entre uma assistência heterogénea quanto a gostos, espiritualidade e sentimento artístico, exige que a iniciação saiba corrigir o empobrecimento do nível cultural. E o gosto artístico no domínio da música e arte sacra só traz novidade e agrado a este processo de crescimento contínuo e harmonia social.

A variedade das manifestações artísticas esconde um mundo de ideais, de ciência, de tentativas de exprimir a imponência e sentido da vida e de todo o universo, de conjugar Deus e Humanidade. Pintura, escultura, arquitectura, música popular ou erudita, música clássica, canto gregoriano… toda essa Arte pode estar presente nas celebrações religiosas «como a comida quer o sal».

O mais importante raramente é bem expresso. Talvez em tentativas futuras, se esclareça melhor por que é que «ainda vou à missa».

Manuel Alte da Veiga é professor universitário aposentado

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Doentes de covid-19 mantêm “direito e acesso à assistência espiritual e religiosa” nos hospitais

A Coordenação Nacional das Capelanias Hospitalares emitiu um comunicado esta quarta-feira, dia 1, para esclarecer que “os capelães não estão impedidos de prestar assistência espiritual e religiosa”. Têm, isso sim, de cumprir “medidas de contingência existentes nos hospitais”, como todos os profissionais, por forma a minimizar os “riscos de contágio, quer dos capelães quer dos próprios doentes e dos profissionais”, sublinha o documento.

Cardeal Tagle propõe eliminar a dívida dos países pobres

O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, propôs a criação de um Jubileu especial em que os países ricos perdoem a dívida dos países pobres aos quais concederam empréstimos, de forma a que estes tenham condições para combater a pandemia de covid-19.

Oxfam pede “um Plano Marshall de Saúde” para o mundo

A Oxfam, ONG de luta contra a pobreza sediada no Quénia e presente em mais de 90 países, pediu esta segunda-feira, 30, “um plano de emergência para a saúde pública” com a mobilização de 160 biliões de dólares. Este valor permitiria duplicar os gastos com a saúde nos 85 países mais pobres, onde vive quase metade da população mundial.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Costurar máscaras cirúrgicas em vez de vestes litúrgicas, ou como combater a pandemia no convento

Costurar máscaras cirúrgicas em vez de vestes litúrgicas, ou como combater a pandemia no convento

À medida que a pandemia alastrava, a angústia crescia no pequeno mosteiro do sul de França onde vivem as Irmãs da Consolação do Sagrado Coração e da Santa Face. As 25 religiosas queriam fazer mais do que rezar. Diante da imagem de Nossa Senhora do Povo, que acreditam ter salvo a sua região da peste em 1524, pediram lhes fosse dada uma tarefa: queriam colaborar com a virgem no combate a esta nova pandemia. No dia seguinte, receberam uma chamada do bispo da diocese e outra do presidente da câmara: ambos lhes pediam para fabricar máscaras.

É notícia

Entre margens

Comunicar na era do coronavírus novidade

Byung-Chul Han é um observador perspicaz da sociedade contemporânea, por ele designada de várias maneiras, como “a sociedade do cansaço” ou “a sociedade da transparência”. Professor universitário em Berlim, ele analisa criticamente aquilo que designa como “o inferno do igual”, ou seja, algo de inevitável naqueles que a todo o custo pretendem ser diferentes mas que, na realidade, se aproximam por esse desejo comum – aliás não conseguido – de originalidade.

Deus sem máscaras novidade

Assisti à cerimónia da consagração ao coração de Jesus e ao coração de Maria, proposta pelos bispos de Portugal, Espanha e outros países. Um ponto de partida para reflectir sobre oração e rito.

A ilusão do super-homem

As últimas semanas em Portugal, e há já antes noutros cantos do mundo, um ser, apenas visível a microscópio, mudou por completo as nossas vidas. Na altura em que julgávamos ter atingido o auge da evolução e desenvolvimento técnico e científico, surge um vírus.

Cultura e artes

Tagore: Em busca de Deus novidade

Rabindranath Tagore (1861-1941), Nobel de Literatura em 1913, é um grande poeta universal. Indiano, de família principesca, estudou Direito e Literatura, em Inglaterra, em 1877, não chegando a acabar o curso devido à secura do ensino superior ministrado. Tal como o seu amigo Gandhi, que sabia de cor e recitava todos os dias as Bem-aventuranças, foi atraído pelo cristianismo e

Editora francesa oferece “panfletos” sobre a crise

Sendo certo que as doações essenciais neste período de pandemia dizem respeito a tudo o que nos pode tratar da saúde física, não há razão para negligenciar outras dádivas. É o caso de uma das mais famosas editoras francesas, a Gallimard, que diariamente oferece textos que pretendem ser uma terceira via entre a solenidade da escrita de um livro e o anódino da informação de um ecrã.

Sete Partidas

A doença do coronavírus serve de desculpa para tudo? novidade

À boleia da pandemia que nos aflige, vejo coisas a acontecer que não podem deixar de me espantar, pela sua aberração e desfaçatez de quem as pratica. Em meados de fevereiro, em Mullaithivu, no norte do Sri Lanka, foi descoberta uma vala comum enquanto se procedia às escavações para as fundações duma extensão do Hospital de Mankulam. Segundo os médicos legistas, os restos mortais encontrados têm mais de 20 anos.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco