Papa convida à oração e ação

Tempo da Criação 2022 decorre até 4 de outubro

| 1 Set 2022

Inicia-se esta quinta-feira, 1 de setembro, data em que se assinala o Dia Mundial de Oração pela Criação, o “Tempo da Criação”: um período que se prolonga até 4 de outubro (dia da festa de São Francisco de Assis, o santo padroeiro da ecologia). Trata-se de uma celebração ecuménica anual de oração e ação, inspirada pela encíclica Laudato Si’ do Papa Francisco, que na sua mensagem para este ano deixa o alerta: “o canto doce da criação mistura-se com o seu grito amargo”.

Francisco aproveitou a audiência desta quarta-feira para recordar o tema de 2022, “Escuta a voz da criação”, pedindo a todos “um compromisso concreto para cuidar da nossa casa comum”. “À mercê dos nossos excessos consumistas, a irmã mãe terra geme e implora-nos que paremos com os nossos abusos e com a sua destruição”, sublinhou o Papa.

No encontro semanal com fiéis e peregrinos, Francisco também rezou, e convidou à oração, para que a cimeira sobre o clima (COP27), que se vai realizar no Egito em novembro, e a COP 15 sobre a biodiversidade, que terá lugar em dezembro no Canadá, possam “unir a família humana para enfrentar decisivamente as crises gémeas do clima e da diminuição da biodiversidade”.

No passado mês de julho, o Vaticano havia já publicado a mensagem do Papa para o Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação 2022.

Todos são agora convidados a unir-se ao Tempo da Criação, cujo calendário de eventos locais pode ser consultado no site oficial da iniciativa. O evento de abertura será transmitido em direto a partir das 14h (hora de Lisboa), nas redes sociais do Movimento Laudato Si’.

 

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança”

Tolentino recebeu Prémio Pessoa

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança” novidade

Na cerimónia em que recebeu o Prémio Pessoa 2023 – que decorreu esta quarta-feira, 19 de junho, na Culturgest, em Lisboa – o cardeal Tolentino Mendonça falou daquela que considera ser “talvez a construção mais extraordinária do nosso tempo”: a “ampliação da esperança de vida”. Mas deixou um alerta: “não basta alongar a esperança de vida, precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança e a deseje fraternamente repartida, acessível a todos, protagonizada por todos”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This