Tempo de regressar à questão social

| 24 Set 19

O Sínodo para a Amazónia de Outubro de 2019 revela-se da maior importância e atualidade. Daí que o Papa Francisco peça uma revisitação à sua encíclica Laudato si’, “porque quem não a leu não compreenderá nunca o Sínodo sobre a Amazónia. A Laudato si’ não é uma encíclica verde, é uma encíclica social que se baseia sobre uma ‘realidade verde’, a proteção da Criação”. Para o Papa, é esta a justificação deste Sínodo: A Amazónia é “um lugar representativo e decisivo. Juntamente com os oceanos contribui de maneira determinante para a sobrevivência do planeta. Grande parte do oxigénio que respiramos vem-nos de lá. Por isso, a desflorestação significa matar a Humanidade.” Os danos causados pelos interesses dos “setores dominantes” sobre a região obrigam a eliminar “os compadrios e corrupções” e a assumir as suas responsabilidades, “responsabilidades concretas”, para salvar a Amazónia e a Humanidade.

A visita do Papa Francisco a alguns países de África decorreu entre 4 e 10 de setembro, tendo permitido ao pontífice a lembrança de que “o Evangelho é o mais poderoso fermento de fraternidade, de liberdade, de justiça e de paz para todos os povos”. Lembremo-nos de que Moçambique tem 70% dos 28 milhões de habitantes a viver abaixo do limiar da pobreza, é o décimo país mais pobre mundo, que Madagáscar é o quinto mais pobre e que as Maurícias foram escolhidas pelo Papa como um exemplo de diálogo social, com condições económicas excecionais…

“Em Moçambique (disse o Papa Francisco) “fui semear sementes de esperança, paz e reconciliação numa terra que tanto sofreu no passado recente por causa de um longo conflito armado e que na passada Primavera foi vítima de dois ciclones que causaram danos muito graves”. As palavras do Papa e os seus gestos de compromisso devem ser lembrados, num momento em que a economia do mundo se vê confrontada com desafios exigentes – que têm a ver com a criação de condições de paz e desenvolvimento humano, que devem combater a fome e a miséria, a ignorância e a doença, em nome de uma noção universalista de dignidade humana.

O tema permite-nos lembrar a urgência da questão social que volta à ordem do dia. Mas não se trata apenas de um tema dentro das fronteiras, mas de uma questão global, que considere as profundas diferenças e assimetrias, que exigem cooperação, consciência da complexidade e convergência de esforços visando uma economia das pessoas, pelas pessoas e com as pessoas. Se nos países pobres há uma explosão demográfica descontrolada, nos países ricos vive-se um perigoso inverno demográfico, de permeio temos os efeitos da mobilidade e a emergência dos refugiados, de diversos tipos e origens.

 

Ensinar, apreender e partilhar responsabilidades

Se a mobilidade das pessoas é um dado inexorável do nosso tempo, temos de considerar as condições em que se desenvolve, para que não tenhamos novas formas de exclusão, de dominação e exploração. Não basta falar de Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), nem de aquecimento global e de destruição do meio ambiente – é indispensável compreender que a cooperação para o desenvolvimento tem de ser assumida corajosamente, com mais meios orientados para as parcerias para o desenvolvimento. Hoje sabemos que não basta dar um peixe, nem mesmo apenas a cana para pescar, é indispensável ensinar e apreender e partilhar responsabilidades.

Torna-se indispensável regressar à consideração da justiça distributiva nas atuais condições sociais e económicas locais e globais. Há novos desafios que obrigam a pensar a “doutrina social da Igreja” à luz de novos compromissos que assegurem os direitos e liberdades fundamentais, a mobilidade das pessoas, o equilíbrio demográfico, a inclusão, a cooperação, o desenvolvimento sustentável, a proteção do meio ambiente, a paz e a segurança. E temos de lembrar, vinte anos antes da encíclica Rerum Novarum de Leão XIII (1891), a intervenção do bispo de Mainz, Wilhelm Emmanuel von Ketteler (1811-1877), proferida em julho de 1869 (há 150 anos). Tratou-se de uma importante pregação que suscitou especial atenção, que teve lugar junto do santuário de Liebfrauenheide, próximo de Offenbach, perante cerca de 10 mil operários fabris, no auge da industrialização, sobre os temas da justiça social e do futuro do trabalho. E no dia seguinte, Ketteler apresentou aos bispos de Fulda um amplo relatório sobre o tema “A assistência da Igreja aos operários das fábricas”. O documento passou a ser considerado, com justiça, a Magna Carta do pensamento social cristão.

Hoje muito mudou. Mas mantém-se a necessidade de compreender onde estão as injustiças e onde deve haver emancipação. A pregação em Liebfrauenheide e o relatório para a conferência episcopal de 1869 constituem declarações amadurecidas e intervenções determinadas sobre o problema do trabalho. Defenderam o aumento do salário e a proibição do trabalho infantil; consideraram a greve e a ação sindical como meios legítimos e necessários para obter condições de trabalho mais justas; e entenderam caber aos sindicatos a legitima representação dos trabalhadores. E afirmava: «O operário não tem qualquer esperança de poder sair da sua condição miserável. No seu trabalho não tem nada que o ajude a elevar-se espiritualmente; trabalha não para si, mas para os capitalistas; as longas horas de trabalho, a dureza e a monotonia embrutecem-no.» Por isso, prosseguia o texto de Ketteler, a Igreja tinha a obrigação de ajudar, porque a questão social é inseparável da função pastoral dos bispos. Daí ser preciso «criar instituições para a humanização destas massas esquecidas» antes de pensar na cristianização. E assim, impunha-se um plano de mobilização e de formação, designadamente para os menos atentos, que pudesse enfrentar a grave situação. É tempo de regressar à questão social como realidade de todos…

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

CE volta a ter enviado especial para promover liberdade religiosa no mundo novidade

O cargo de enviado especial para a defesa da liberdade religiosa tinha sido extinto no ano passado pela presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, mas as pressões de inúmeros líderes religiosos e políticos para reverter essa decisão parecem ter surtido efeito. O vice-presidente da CE, Margaritis Schinas, anunciou que a função irá ser recuperada.

Papa assinala sete anos da viagem a Lampedusa com missa especial online

O Papa Francisco celebra esta quarta-feira, 8 de julho, o sétimo aniversário daquela que foi a primeira (e talvez mais icónica) viagem do seu pontificado: a visita à ilha de Lampedusa. A data é assinalada com uma eucaristia presidida por Francisco na Casa Santa Marta, a qual terá início às 10 horas de Lisboa, e será transmitida online através dos meios de comunicação do Vaticano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

O hospital pediátrico Bambino Gesú, em Roma, gerido pelo Vaticano, separou com êxito duas irmãs siamesas de 2 anos, que nasceram unidas pelo crâneo na República Centro Africana. A complexa operação, que durou 18 horas e contou com uma equipa de 30 profissionais de saúde, teve lugar no passado dia 5 de junho, mas o hospital só revelou todos os detalhes esta quarta-feira, 8 de julho, numa conferência de imprensa.

É notícia

Entre margens

Do confinamento às Minas novidade

Vestígios dos trilhos usados para o contrabando abundante nesta zona da raia. Algum complemento a um salário magro. Histórias de perigos, ousadia, dignidade, persistência e superação. Na aldeia de Santana das Cambas existe um Museu do Contrabando que soubemos estar encerrado.   
Curvo-me perante uma realidade que desconhecia, apenas intuía… Ao olhar para os mineiros envelhecidos e suas famílias passei a vê-los como heróis, príncipes daquela terra, figuras exemplares de cidadania e coragem.

A favor do argumento ontológico

A realidade é um extraordinário abismo de Ilimitado em todas as direções e dimensões. É isto o Absoluto. Não tendo na sua constituição nenhuma descontinuidade, nenhum vazio absoluto (pois nele o nada absoluto [ou Nada] não pode simplesmente ter lugar), o Absoluto é plenitude de Ser. A isto se chega pela simples consideração de que o Nada, precisamente por ser Nada, não existe nem pode existir, pelo que sobra “apenas” aquilo que existe de facto, que é Tudo.

Memórias do Levante

À ideia da raça superior sucedeu a ideia da cultura superior, quase tão maléfica como aquela. E escravizar os seres humanos “inferiores” deu lugar a desvalorizar ou mesmo destruir as culturas “inferiores”. O resultado é que, se ninguém ganhou com isso, a verdade é que a humanidade perdeu e muito

Cultura e artes

Aquilino e Bartolomeu dos Mártires: o “pai dos pobres e mártir sem desejos”

Aquilino Ribeiro, escritor de prosa escorreita, pujante, honrou a dignidade da língua portuguesa à altura de outros antigos prosadores de grande qualidade. Irmanado com a Natureza beirã: aves, árvores, animais e homens. Espirituoso e de fina ironia, é bem o Mestre da nossa Língua. Em “Dom Frei Bertolameu” faz uma espécie de hagiografia do arcebispo de Braga, D. Frei Bartolomeu dos Mártires (1514-1590), canonizado pelo Papa Francisco a 6 de Julho de 2019.

Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir”

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

Teologia bela, à escuta do Humano

Pensar a fé, a vivência e o exercício do espírito evangélico nos dias comuns, é a tarefa da teologia, mais do que enunciar e provar fórmulas doutrinárias. Tal exercício pede atenção, humildade e escuta dos rumores divinos na vida humana, no que de mais belo e também de mais dramático acontece na comunidade dos crentes e de toda a humanidade.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco