[Os dias da semana]

Tempo de sobriedade

| 3 Nov 2021

Pierre Rabhi

Pierre Rabhi: “Apenas a escolha da moderação das nossas necessidades e desejos, a escolha de uma sobriedade libertadora e voluntariamente consentida, nos permitirá romper com esta ordem antropófaga chamada ‘globalização’.” Foto © Dominique Bernardini / Wikimedia Commons

 

Suspensa no ano passado devido à crise mundial de saúde pública, a Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP26) decorre até 12 de Novembro no Reino Unido.

Os media têm concedido à iniciativa uma significativa e justificada atenção e o jornal digital francês Mediapart teve a boa ideia de lançar na quarta-feira, 27 de Outubro, uma newsletter quinzenal sobre ecologia, destacando uma pergunta assaz relevante: “Por onde anda a sobriedade?”

A resposta à questão alude em parte à realidade francesa, mas a sobriedade, a “ideia de que, colectivamente, podemos gastar menos energia – e não apenas reduzindo o desperdício”, pode ter uma inestimável repercussão global. A sobriedade é uma excelente ideia para uso individual, mas é também uma promissora ideia política, hoje ainda mais bem-vinda. É sobre esta dimensão que a jornalista Amélie Poinssot fala, observando que a sobriedade se poderia afirmar em quatro áreas, de modo a “relançar o sector ferroviário, por exemplo – inclusive nas áreas rurais onde tantas linhas de comboio foram abandonadas – para reduzir o uso individual do automóvel”; “limitar as novas construções e privilegiar a renovação das existentes”; “favorecer o conserto dos objectos em vez de a sua obsolescência”; e “parar a correria à industrialização da agricultura, que emite muitos gases de efeito de estufa”.

Os exemplos, aliás óbvios, poderiam evidentemente multiplicar-se, mas, de facto, em França ou em Portugal – onde, recorde-se, em nome do progresso, o cavaquismo empreendeu uma das mais nefastas políticas públicas ao promover a destruição da ferrovia nacional –, seria crucial “basear uma política energética na noção de sobriedade, que é um dos pilares do pensamento ecológico”. Tal, acrescenta, seria, para além de uma escolha política forte, um modo certeiro de promover os empregos de amanhã.

Amélie Poinssot tem razão ao referir que o controlo do consumo poderia ser a principal ferramenta para alcançar a neutralidade de carbono em 2050, ainda que não tenha sido este o rumo tomado. O que se tem incentivado é a lógica produtivista.

A sobriedade é uma ideia antiga e bem-aventurada. É também uma “ética de vida”, essa “sobriedade feliz”, de que, desde há anos, tem vindo a falar o argelino Pierre Rabhi.

Desde meados do século passado, ele reparou no homem alienado “instado a aceitar uma forma de aniquilação pessoal com o único propósito de fazer girar a máquina económica”. “Eu tinha 20 anos e a modernidade pareceu-me uma grande farsa”, disse ele.

Pierre Rabhi olha para a economia e vê “apenas uma pseudo-economia que, em vez de gerar e repartir os recursos comuns à humanidade com uma visão de longo prazo, se contentou, na sua busca pelo crescimento ilimitado, em elevar a predação à categoria de ciência”. A consequência foi a ruptura do vínculo filial e visceral com a natureza. “Ela não é mais do que uma fonte de recursos a ser explorada – e a ser exaurida”.

A sabedoria de Pierre Rabhi oferece uma proposta urgente: “apenas a escolha da moderação das nossas necessidades e desejos, a escolha de uma sobriedade libertadora e voluntariamente consentida, nos permitirá romper com esta ordem antropófaga chamada ‘globalização’”. Não ignora ele que é inegável que o progresso essencialmente técnico tem gerado inovações extraordinárias. No entanto, “por falta de uma ética e de uma inteligência generosa para contribuir para o advento de uma sociedade planetária pacificada e convivial, tem contribuído para o caos, dando aos nossos impulsos destrutivos ferramentas de uma eficiência sem precedentes e levou à fragmentação de uma realidade de natureza unitária”.

A sobriedade é um caminho por que se opta, não é um destino involuntário como é, frequentemente, a pobreza ou a miséria, as quais devem ser combatidas. Permitindo que se coloque o humano e a natureza no centro das preocupações comuns, para, “por fim, devolver ao mundo leveza e sabor”, a “sobriedade feliz”, tal como é preconizada por Pierre Rabhi, permite que “muito para além dos prazeres superficiais sempre insaciáveis”, se redescubra “a vibração do encantamento, o sentimento daqueles primeiros seres para os quais a criação, as criaturas e a terra eram antes de tudo sagradas”.

 

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo novidade

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

pode o desejo

pode o desejo novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo I do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 26 de Novembro de 2022.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito novidade

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This