Encontro em Buckingham

“Tenho o dever pessoal de proteger a diversidade”, disse Carlos aos líderes religiosos

| 19 Set 2022

O encontro do rei com os responsáveis religiosos foi uma das suas primeiras aparições públicas enquanto monarca. Foto © Royal Family. 

Carlos III disse, perante mais de 30 líderes religiosos da Grã-Bretanha, que se assume como “um cristão anglicano comprometido”. Mas aquele que é o novo Governador Supremo da Igreja de Inglaterra sublinhou também que “o soberano tem um dever adicional” de “proteger a diversidade do país”, incluindo “o espaço para a própria fé, e a sua prática através das religiões, culturas, tradições e crenças”.

O encontro do rei com os responsáveis religiosos (uma das suas primeiras aparições públicas enquanto monarca) aconteceu no Palácio de Buckingham na passada sexta-feira, 16, e foi antecipado em uma hora face ao inicialmente agendado. O objetivo era permitir ao rabino-chefe Ephraim Mirvis que regressasse a casa antes do início do Shabat – o que foi descrito pelo visado, em declarações à BBC citadas no Jewish News, como “um gesto incrível de respeito e consideração”.

No seu discurso, o sucessor de Isabel II referiu que as suas crenças cristãs “têm amor no seu coração” e o “obrigam” a respeitar aqueles que seguem outros caminhos religiosos.

“As crenças que florescem e contribuem para a nossa sociedade ricamente diversificada diferem. Elas e a nossa sociedade só podem prosperar através de um compromisso coletivo claro com os princípios vitais da liberdade de consciência, generosidade de espírito e cuidado com os outros que são, para mim, a essência da nossa nação”, explicou Carlos III. “Estou determinado, como rei, a preservar e promover esses princípios em todas as comunidades e para todas as crenças, com todo o meu coração.”

Na opinião do monarca, “essa convicção foi a base de tudo” o que a sua mãe “fez pelo país”. “Continuará a ser a base de todo o meu trabalho como rei”, assegurou.

Entre os líderes religiosos presentes no encontro estiveram o arcebispo de Cantuária, Justin Welby, o arcebispo de Iorque, Stephen Cottrell, o deão de Westminster, David Hoyle, o imã e estudioso islâmico Assim Yusuf, o bispo da Eparquia Católica Ucraniana Kenneth Nowakowski, e o Presidente do Instituto Jainista, Nemu Chandaria,

 

Visite o andar-modelo. Há muitos e bons livros para lembrar Abril

Três obras para ler

Visite o andar-modelo. Há muitos e bons livros para lembrar Abril novidade

Abril, livros mil é o cliché óbvio, e até preguiçoso, para o manancial de edições no mercado livreiro português sobre os 50 anos do 25 de Abril ou que, aproveitando a efeméride redonda da Revolução dos Cravos, se inscrevem na história da ditadura do Estado Novo e da democracia nascida em 1974. O 7MARGENS traz três (breves) propostas. Abril é sinónimo de diversidade e as férias podem ser ocasião para descobrir mais como se fez a democracia que vivemos há cinco décadas.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Jovens bahá’ís dedicam férias de verão ao serviço comunitário

De norte a sul do país

Jovens bahá’ís dedicam férias de verão ao serviço comunitário novidade

O período do verão é muitas vezes utilizado pelos jovens bahá’ís como uma oportunidade para dedicar tempo ao serviço, e este ano não está a ser diferente. A Caravana de Serviço, um projeto que reúne jovens de diversas localidades para atividades de serviço comunitário de norte a sul do país, começou com grande entusiasmo no final de junho com o evento Reconecta, realizado em Monchique, e já em julho com um  acampamento nacional, em Palmela.

Palavras violentas, consequências violentas

Palavras violentas, consequências violentas novidade

Com uma percentagem significativa do país armada, e pelo menos uma percentagem violentamente zangada, temos de concordar que a única esperança para a paz é, como se diz, “reduzir a retórica”. – A reflexão de Phyllis Zagano sobre o panorama atual nos EUA

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This