Nomeada pelo Papa Francisco

Teóloga leiga é a nova chefe de gabinete da Comissão Pontifícia para a América Latina

| 31 Ago 2021

emilce cuda, foto direitos reservados

A nomeação de Emilce Cuda foi vista na Argentina como um sinal da luta de Francisco contra o clericalismo e como um importante passo para aumentar a presença das mulheres na hierarquia da Igreja. Foto: Direitos reservados.

 

Prosseguem as nomeações de mulheres para cargos importantes na Cúria Romana: Emilce Cuda, professora de Teologia na Pontifícia Universidade Católica da Argentina, foi a escolhida pelo Papa Francisco para ocupar o cargo de chefe de gabinete da Comissão Pontifícia para a América Latina, assumindo funções esta quarta-feira, 1 de setembro.

A sua nomeação foi vista na Argentina como um sinal da luta de Francisco contra o clericalismo e como um importante passo para aumentar a presença das mulheres na hierarquia da Igreja, referia esta terça-feira o National Catholic Reporter.

Autora do livro “Para Leer a Francisco – Teología, Ética y Política”, Cuda, 55 anos, é conhecida como “a mulher que saber ler o Papa Francisco”.

A teóloga é ainda descrita como possuindo “um dom para promover o diálogo” e “construir pontes”, tendo sido bastante próxima do padre jesuíta Juan Carlos Scannone, um dos fundadores da Teologia do Povo e da Filosofia da Libertação.

Para secretário da comissão foi escolhido Rodrigo Guerra López, um mexicano professor de Filosofia, também ele leigo.

A Comissão Pontifícia para a América Latina é um organismo da Cúria Romana criado em 1958, tendo como principal função aconselhar e ajudar as Igrejas naquela região e fazer a ligação entre estas e o Papa.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

O regresso da sombra da escravidão

O regresso da sombra da escravidão novidade

Vivemos um tempo de grande angústia e incerteza. As guerras multiplicam-se e os sinais de intolerância são cada vez mais evidentes. A fim de ser concreta também a nossa Quaresma, o primeiro passo é querer ver a realidade. O direito internacional e a dignidade humana são desprezados. [O texto de Guilherme d’Oliveira Martins]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This