Teologia bela, à escuta do Humano

| 6 Jul 20

Pensar a fé, a vivência e o exercício do espírito evangélico nos dias comuns, é a tarefa da teologia, mais do que enunciar e provar fórmulas doutrinárias. Tal exercício pede atenção, humildade e escuta dos rumores divinos na vida humana, no que de mais belo e também de mais dramático acontece na comunidade dos crentes e de toda a humanidade. “A diferença não está tanto entre crente e incrédulos, mas entre seres pensantes e seres não-pensantes.” A disponibilidade para o fazer é rara: o testemunho dessa busca no nosso contexto mais raro é. Daí o significado deste volume, agora saído a público.

O autor é presbítero da arquidiocese de Braga, teólogo de formação e investigador na área da filosofia. “Este ensaio deseja ser uma meditação global da existência a partir de uma certa experiência crente.” Três são os andamentos que constituem estes fragmentos: uma primeira parte tecida com artigos de fundo, unidos pela luz litúrgica do Advento, da esperança como constituinte da experiência; uma segunda parte composta por homilias, elaboradas não na habitual chave de “receitas” morais fechadas, mas na pergunta em ato, no diálogo entre a sabedoria bíblica e os passos do quotidiano. “O Evangelho questiona-nos sempre. Uma leitura crente maturada busca a questão e não tanto a resposta!” Finalmente, uma terceira parte nas quais nos são propostas leituras de arte, de cinema, de ecologia, como sonhos de um mundo a construir.

Nestes fragmentos encontramos os traços do mistério divino como o Aberto, Aquele que vem, que se dá a conhecer nas sombras, amanheceres e entardeceres da vida humana – da arte, do pensamento, das relações, do corpo –, mais do que nas certezas terraplanadas de uma catequese feita de doutrinas e de uma prática eclesiástica preocupada em manter a influência social sobre “praticantes” e “não-praticantes”.

Na leitura atenta do Evangelho, o autor procura “despertar-nos da sonolência ou do torpor espiritual, do hábito devocional sem profecia, da falta de coragem profética” no seguimento de Jesus. “Quem é este homem que chama homens e mulheres para o seguirem, que acalma o mar, ama o pecador e perdoa os pecados, e diz ser filho de Deus? Participamos nós com a nossa existência frágil, na vida despojada e liberta de Cristo? Como poderemos segui-lo livremente no nosso quotidiano de fadigas e alegrias, e aí testemunhar discretamente que o ‘Reino de Deus está próximo’, que está ‘entre nós’?”.

A formulação das palavras sobre o mistério de Deus surge alimentada pela leitura de vozes marginais da tradição espiritual cristã – os místicos, os filósofos, os poetas. “Deus, silêncio subtil e tímido na hodierna carne do mundo, mas sempre presente ou sussurrante.” As metáforas da sombra, do invisível, da nuvem e da sabedoria apontam-nos as direções e interrogações que este ensaio corajosamente nos coloca. A sua leitura pede tempo, lentidão, e um saborear de palavras que conduzirão a leitora e o leitor, seja qual for a sua formação ou lugar em que habita, a descobrir como, afinal, a teologia pode ser bela e interpelante quando se põe à escuta do Humano e do Divino, belos e interpelantes.

(O livro será apresentado na livraria Centésima Página, por Carlos Poças Falcão e Eduardo Jorge Madureira. A sessão decorre hoje, segunda-feira, 6 de Juho, a partir das 18h30.)

À Sombra do Invisível, de João Paulo Costa
Edição: Documenta, 288 páginas.

 

Artigos relacionados

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Cimeira do Clima

Taizé dinamiza vigília para jovens em Glasgow

A Comunidade de Taizé foi convidada pelo Comité Coordenador da COP26 das Igrejas de Glasgow para preparar e liderar uma vigília para estudantes e jovens em Glasgow durante a Cimeira do Clima. Mais de sete mil pessoas passaram por Taizé, desde junho, semana após semana, apesar do contexto da pandemia que se vive.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

A ideia de Deus novidade

Não é certo que quem nasça numa família de forte tradição religiosa esteja em melhores condições do que qualquer outra pessoa para desenvolver a componente espiritual e uma relação com o divino. Pode acontecer exatamente o inverso. Crescer com uma ideia de Deus pode levar-nos a cristalizá-la nos ritos, hábitos ou procedimentos que, a dada altura, são desajustados ou necessariamente superficiais.

Manuel Martins, um precursor da Sinodalidade

Escrevo a propósito da partida deste mundo há quatro anos, que se completam hoje mesmo, dia 24, do bispo Manuel Martins. Há seres humanos que não deveriam morrer. Não por eles, mas por nós. Contrariamente ao que é vulgar dizer-se, são mesmo insubstituíveis. A propósito, evoco também a memória de um outro que nos deixou no passado dia 2 de setembro.

Jorge Sampaio, um laico cristão

Já tudo, ou quase tudo, foi dito e escrito sobre a figura do Jorge Sampaio. Assinalando a sua morte, foram, por muitos e de múltiplas formas, sublinhadas as diversas facetas definidoras da sua personalidade nos mais diversos aspetos. Permitam-me a ousadia de voltar a este tema, para sublinhar um aspeto que não vi, falha minha porventura, sublinhado como considero ser merecido.

Cultura e artes

José Cardoso Pires por Bruno Vieira Amaral

Um Grande Homem: Integrado Marginal novidade

Integrado Marginal foi leitura de férias junto ao mar, entre nevoeiros e nortadas que me levavam a recorrer a esplanadas cobertas para ler enquanto tomava um café bem quente. Moledo do Minho no seu inquieto esplendor… e capricho! Tinha lido algumas obras de José Cardoso Pires: Lisboa. Livro de Bordo (feito para a Expo 1998); O Burro em Pé (livro para crianças); Alexandra Alpha; De Profundis: Valsa lenta; O Delfim.

Cinema

Às vezes, nem o amor consegue salvar-nos

Falling, que em Portugal teve o subtítulo Um Homem Só, é a história de um pai (Willis) e de um filho (John) desavindos e (quase) sempre em rota de colisão, quer dizer, de agressão, de constante provocação unilateral da parte do pai, sempre contra tudo e contra todos.

Edgar Morin em entrevista

Só a capacidade de nos maravilharmos sustenta a resistência à crueldade e ao horror

“Se formos capazes de nos maravilhar, extraímos forças para nos revoltarmos contra essas crueldades, esses horrores. Não podemos perder a capacidade de maravilhamento e encantamento” se queremos lutar contra a crise, contra as crises, afirmou Edgar Morin à Rádio Vaticano em entrevista conduzida pela jornalista Hélène Destombes e citada ontem, dia 18 de setembro, pela agência de notícias ZENIT

Sete Partidas

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This