Ter ou ‘Bem Viver’?

| 24 Out 20

Fratelli Tutti

Capa da encíclica na edição da Paulinas Editora.

“Todos nós, seres humanos, nascemos nesta terra com a mesma dignidade (…). Se alguém não tem o necessário para viver com dignidade, é porque outrem se está a apropriar do que lhe é devido.” Na encíclica Fratelli Tutti (“Todos irmãos”), caída ao húmus do mundo no início do outono, o papa Francisco desfaz o estuque do grande pilar do capitalismo e da grande ilusão do ocidente: a propriedade privada. E propõe: e se à ideia de propriedade sobrepuséssemos a de solidariedade?

“A tradição cristã, afirma Francisco, nunca reconheceu como absoluto ou intocável o direito à propriedade privada.” Esta deve estar subordinada “ao destino universal dos bens da terra e, consequentemente, o direito de todos ao seu uso”. Solidariedade significa dar prioridade à “vida de todos sobre a apropriação dos bens por parte de alguns”, “lutar contra as causas estruturais da pobreza, a desigualdade, a falta de trabalho, a terra e a casa, a negação dos direitos sociais e laborais” e “fazer face aos efeitos destrutivos do império do dinheiro”.

Cada uma destas palavras voou desde o Vaticano, que é em si um exemplo notável da perversão da propriedade e do dinheiro, com uma incontável fortuna acumulada. Os investimentos do Vaticano vão do imobiliário de luxo em Londres à banca italiana, do petróleo em Angola às farmacêuticas multinacionais. Dos mais de 50 milhões de euros recebidos a cada ano para apoio aos mais pobres, a maior parte acaba a sustentar a própria cúria, entre défices orçamentais e escândalos financeiros. Por cada dez euros doados pelos crentes, só um irá realmente para caridade.

Outra notável feitoria do império do dinheiro é a Misericórdia de Lisboa, instituição do Estado com um marketing feroz a prometer “criar excêntricos de um dia para o outro” e a promover esse “individualismo radical” que o papa descreve em Fratelli Tutti como “o vírus mais difícil de vencer.” Graças ao negócio milionário do jogo, a fortuna da Santa Casa atingiu os 600 milhões de euros. É proprietária de quase meio milhar de imóveis na capital, doados por “benfeitores” contra a “certeza de serem aplicados em boas causas.” Uma das boas causas é o arrendamento a “preços de mercado”: em geral acima de mil euros por mês. Outra é o abandono: segundo o movimento Morar em Lisboa, um em cada três dos edifícios está devoluto, contribuindo para a escassez de habitação e para as rendas escravizantes, numa cidade onde as casas das pessoas viraram o casino dos empresários.

Fratelli Tutti afirma que direitos secundários e individualistas (como o direito à propriedade) não podem sobrepor-se aos prioritários e primordiais (como o direito à terra, saúde, habitação). O sentido solidário da encíclica desafia as várias instituições e personalidades católicas para quem a manutenção e a gestão da pobreza rima com a acumulação e a manutenção da sua própria riqueza. E mostra a importância da reforma (revolução?) que o papa tem procurado na economia do Vaticano. “Cuidar da casa comum, o planeta”, como propôs a anterior encíclica Laudato Si’, passa por arrumar o seu quarto.

 

Enlaçar vozes
Moira Millan. Indígenas. Mapuche. Movimento Bem Viver

Moira Millan, indígena mapuche e líder do Movimento das Mulheres Mapuches pelo Bem Viver: “A cosmogonia mapuche do buen vivir” consiste em “recuperar a reciprocidade e harmonia entre os seres humanos e para com a natureza.” Foto: Direitos reservados

 

A riqueza material (e pobreza espiritual?) da Europa e do Vaticano também é fruto da violência e do roubo nos territórios do Sul global durante séculos de colonialismo. A encíclica faz uma breve referência à violência perante as culturas populares indígenas e defende que “nenhuma mudança autêntica é possível se não se realizar a partir das várias culturas.” “Que o nosso coração se abra a todos os povos e nações da terra”, convida a oração que fecha Fratelli Tutti.

Natural, tal como o papa, do país a que hoje chamamos Argentina, e que resulta da invasão de 40 nações originárias, Moira Millan é weychafe (guerreira) mapuche. Assassinatos, violações e deslocamentos foram e são a moeda de troca para que gás, petróleo, ouro, água, soja, gado ou madeira se tornem propriedade de alguém – por exemplo, da multinacional Benetton.

Para os mapuches, “essas coisas não se vendem, não têm preço”. A propriedade é sagrada para o huinca (o invasor), mas para os mapuches “o sagrado é a vida”, explica Millan, que coordena o Movimento de Mulheres Indígenas pelo Bem Viver. “O povo mapuche não luta pela propriedade, mas por um modo de vida na terra.”

“A cosmogonia mapuche do buen vivir” consiste em “recuperar a reciprocidade e harmonia entre os seres humanos e para com a natureza, é o respeito para coabitar. É um pensamento absolutamente revolucionário porque pensa as forças da natureza como sujeitos de direito, que um povo não padeça o custo dos privilégios de outro”, conta Moira Millan.

As palavras da mulher mapuche enlaçam as do homem branco: “O desenvolvimento não deve orientar-se para a acumulação sempre maior de poucos. O direito de alguns à liberdade de empresa ou de mercado não pode estar acima dos direitos dos povos (…) nem do respeito pelo ambiente”, escreve Francisco. O direito de cada um deve estar “harmoniosamente ordenado para o bem maior”.

“Sonhemos como uma única humanidade, como filhos desta mesma Terra que nos alberga a todos”, diz o papa. “Trata-se de uma esperança que abraça o planeta. Estamos a propor uma nova matriz civilizacional, a constituição de uma nova humanidade que repense a forma de viver e recuperar a arte de habitar que tínhamos”, diz a guerreira.

Tal como Fratelli Tutti, as diferentes noções de “Bom viver” (“Küme Mongen” em mapuche, “Sumak Kawsay” em quíchua, “Teko Porã” em guarani e kaiowá…) são um convite a nos libertarmos do individualismo em que a cultura capitalista, colonial e patriarcal nos enterrou: comprar, possuir, vender, competir, crescer. Um convite a passarmos de um mundo de proprietários a um mundo de cuidadoras. A recordarmos que a terra e os seus frutos não nos pertencem – nós pertencemos à terra, somos um com ela.

Como se canta no Alentejo, a “terra sagrada do pão”: “Eu sou devedor à terra / A terra me está devendo / A terra paga-me em vida / Eu pago à terra em morrendo.”

 

[N.R. – Sobre o conceito do bom viver entre os povos da Amazónia, pode ler-se também este texto publicado no 7MARGENS.]

Francisco Colaço Pedro é ativista e jornalista; publicou já, no 7MARGENS, uma reportagem sobre os 50 anos de Auroville e uma entrevista com Isabel Correia, do grupo Meditação em Acção.

 

Violência e saque continuam em Cabo Delgado: “Esta é a dor de um povo”, diz missionário refugiado em Pemba

Violência e saque continuam em Cabo Delgado: “Esta é a dor de um povo”, diz missionário refugiado em Pemba novidade

“As lideranças [das aldeias] relatam que, pelos caminhos, estão encontrando muitos corpos já em decomposição e que aconteceram massacres. As acções dos terroristas são violentas, muitas pessoas foram decapitadas, casas queimadas e derrubadas. Esta (…) é a dor de um povo. Gente que continua sem localizar seus familiares. Pessoas que tiveram suas casas queimadas. Muitas pessoas assassinadas. Fala-se de massacres e de 500 mil deslocados. Vidas e vilas destruídas.”

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Um consistório virtual para os novos cardeais novidade

O Vaticano confirmou nesta terça-feira, 24, que haverá uma plataforma em vídeo para a cerimónia de criação dos novos cardeais, no próximo sábado, para os que não possam estar em Roma fisicamente, garantindo assim as medidas de segurança devido à pandemia. Haverá no máximo 100 pessoas a participar e as visitas de cortesia e abraço da paz entre os novos cardeais ficam cancelados.

Espanha: Milhares protestam contra nova lei da educação “laicista”

Milhares de carros encheram as ruas de diversas cidades espanholas este domingo, 22 de novembro, para protestar contra a nova lei da educação, que passou na passada quinta-feira no Congresso espanhol por apenas um voto. A manifestação foi organizada pela plataforma Más Plurales, que considera que a lei aprovada “desvaloriza o ensino da disciplina de Religião na escola” e constitui uma “agressão à liberdade de consciência, a favor da imposição de uma ideologia laicista imprópria de um Estado não confessional”, conforme pode ler-se no seu manifesto.

Posição de Biden a favor do aborto legal faz sentir bispos dos EUA numa “situação difícil”

As posições do Presidente eleito dos EUA, Joe Biden, sobre imigração, ajuda aos refugiados, justiça racial, pena de morte e alterações climáticas dão aos bispos católicos do país “razões para acreditar que a sua fé o levará a apoiar algumas boas medidas”, de acordo com o presidente da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos (USCCB, na sigla em inglês). Mas o episcopado está de tal modo preocupado com as posições do segundo Presidente católico do país sobre o aborto legal que decidiu criar um grupo de trabalho para tratar o tema. 

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Dia Mundial dos Pobres: Vaticano oferece testes de covid-19 a sem-abrigo e distribui 5 mil cabazes de alimentos

Dia Mundial dos Pobres: Vaticano oferece testes de covid-19 a sem-abrigo e distribui 5 mil cabazes de alimentos

O Dia Mundial dos Pobres deste ano será assinalado, no próximo domingo, 15 de novembro: o Papa celebrará missa com um grupo de 100 pessoas na Basílica de São Pedro, serão oferecidos testes de covid-19 nas instituições do Vaticano que apoiam a população carenciada, e distribuídos cinco mil cabazes de alimentos para ajudar famílias em 60 paróquias de Roma.

É notícia

Estado de Nova Iorque processa diocese de Buffalo por encobrimento de abusos sexuais

A procuradora-geral do estado de Nova Iorque, Letitia James, processou esta segunda-feira a diocese de Buffalo e dois dos seus antigos bispos, por terem encoberto mais de 20 padres acusados de cometer abusos sexuais e permitido que os mesmos se reformassem ou fossem transferidos, em vez de terem seguido os procedimentos definidos pela Igreja Católica para estes casos, que os teriam levado a um possível abandono do sacerdócio.

Papa e presidente do Conselho Europeu unidos contra o extremismo religioso

O Papa Francisco e o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, falaram ao telefone esta segunda-feira, 23 de novembro, sobre a necessidade de uma “luta contínua contra o ódio religioso e a radicalização”, tendo assinalado como prioridade o “diálogo interconfessional e intercultural”. Discutiram ainda “sobre como abordar a covid-19 de uma perspetiva multilateral, sublinhando as necessidades dos mais vulneráveis”, divulgou Charles Michel na sua conta de Twitter.

Nicarágua: Católicos ajudam vítimas dos furacões “em segredo”, para evitar represálias

A Igreja Católica na Nicarágua organizou no passado domingo, 22 de novembro, uma  recolha de donativos para ajudar as vítimas dos furacões Iota e Eta, que assolaram o país nas últimas semanas. As ajudas foram entregues “em segredo”, por recomendação do cardeal Leopoldo Brenes, arcebispo de Manágua, depois de terem sido conhecidos relatos de ameaças feitas pela Polícia da Nicarágua a alguns fiéis que reuniam apoios para as populações afetadas.

Entre margens

52 ed Orbmevon novidade

Assistimos hoje a uma versão açoriana de uma espécie de 25 de Novembro ao contrário (como no título). Se em 1975 a esquerda antidemocrática tentou tomar o poder pela força, agora é a direita antidemocrática a tentar fazê-lo encavalitada num PSD onde Sá Carneiro já teria muita dificuldade em rever-se.

Um justo chamado Angelo Roncalli

Angelo Roncalli teve um pontificado curto, menos de cinco anos, de 1958 a 1963. Devido à sua idade já avançada e estado de saúde frágil, no momento da sua eleição foi encarado como um Papa de transição. Foi, por isso, com grande surpresa que foi acolhida a notícia da convocação de um concílio ecuménico, o Concílio do Vaticano II, que viria a mudar a vida da Igreja, aproximando-a dos fiéis e reforçando a sua participação litúrgica.

Uma oportunidade para a renovação democrática

Se é importante sublinhar que as identidades pessoais e coletivas configuram convenções socialmente necessárias à convivência, elas constituem, antes de tudo, um desafio e uma tarefa quando reclamam por reconhecimento e justiça no espaço público. No entanto, se exploradas politicamente, dão lugar a expressões de fundamentalismos de vária ordem: muros que separam os “bons” dos “maus”, postos de trabalho para os de “dentro” e não para os de “fora”, entre outros fenómenos conhecidos.

Cultura e artes

Abrir as “páginas seladas” do livro bíblico do Apocalipse em tempo de pandemia

O livro bíblico do Apocalipse (ou da Revelação) é uma profecia para tempos de crise e por isso é importante abrir agora as suas “páginas seladas”. Com esse mote, a comunidade católica da Capela do Rato propõe três sessões sobre o último dos livros da Bíblia cristã. Uma conferência de João Duarte Lourenço, uma leitura de Luís Miguel Cintra e um percurso proposto por Emília Nadal através da arte inspirada naquele texto serão as três etapas propostas para este itinerário.

Dois retábulos em restauro no Mosteiro de Pombeiro

Os retábulos de Nossa Senhora das Dores e de Santo António (bem como as respectivas esculturas) na nave da igreja do Mosteiro de Santa Maria de Pombeiro (Felgueiras) estão a ser sujeitos a uma operação de conservação e restauro, com o objectivo de melhorar a estabilidade estrutural, valorizar a vertente conservativa e restituir, tanto quanto possível, uma leitura integrada do conjunto.

Biblioteca Apostólica do Vaticano dedica Agenda de 2021 à “mulher e os livros”

“Não é possível fazer a história da Biblioteca dos Papas sem iluminar o contributo das mulheres”, escreve o cardeal português José Tolentino Mendonça, bibliotecário da Santa Sé, na apresentação da nova Agenda 2021 da Biblioteca Apostólica Vaticana, dedicada ao tema “A mulher e os livros. A mulher como construtora e guardiã das bibliotecas no tempo”.

Sete Partidas

A geração perdida de Aberfan

Infelizmente, para muitos galeses, outubro no seu país significa também relembrar o desastre de Aberfan. Aberfan é uma terra dos vales galeses como qualquer outra: uma série de casas e estabelecimentos que se encontram entre duas montanhas com o ocasional rio a separá-las. Tem um parque, supermercado, pub, correios e cemitério. No dia 21 de outubro de 1966, o cemitério de Aberfan acolheu mais vidas do que merecia.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco