Ter uma casa não é ter um lar

| 6 Mai 21

Nomadland, filme

Nomadland venceu os Óscares para Melhor Filme, Melhor Realizador e Melhor Actriz (Frances McDormand), dos seis para que estava nomeado.

Apesar de uma carreira já muito premiada (vencendo inclusive os Óscares para Melhor Filme, Melhor Realizador e Melhor Actriz, dos seis para que estava nomeado) Nomadland – Sobreviver na América nunca será um filme consensual. E cada um vê-lo-á de um ponto de vista diferente, como sempre. Eu digo, desde já, que é um filme que vale muito a pena ver. Sem ser arrebatador – a não ser talvez a personagem de Fern, a única actriz presente – coloca-nos algumas questões pertinentes. Diz-nos sobretudo que, a partir de uma certa altura da vida e em certas situações, não é preciso muita coisa para viver e ser feliz: basta uma carrinha e uma estrada que o resto há-de encontrar-se.

Creio por isso que o filme não é fundamentalmente – ainda que isso também esteja presente e seja até a motivação primeira do livro que lhe deu origem – uma denúncia do capitalismo e dos pobres que ele gera. Aquilo que chama a atenção é perceber como todas aquelas pessoas nómadas fizeram aquela opção de vida. Cada uma pelas suas razões. Cada uma fugindo ou procurando alguma coisa. Significativo a este respeito é um breve diálogo entre Fern e uma adolescente que tinha sido sua aluna, quando se encontraram num supermercado. Esta vinha acompanhada pela irmã e pela mãe e percebia-se a ‘pena’ com que olhavam Fern por saberem das dificuldades que estaria a passar. Ficando um pouco para trás, a antiga aluna comenta com Fern que ‘a mãe dizia que ela era uma ‘homeless/sem abrigo’. Mas Fern responde que não é homeless mas sim ‘houseless/sem casa’, o que não é a mesma coisa, concordam ambas.

De facto, o que o filme põe diante de nós é uma série de pessoas que escolheram deixar a sua casa, seja porque já não fazia sentido continuar a viver naquele lugar, seja porque lhes seria difícil continuar a pagá-la, seja porque acreditavam que seriam mais felizes ao viver daquela maneira. E é aqui que o filme se torna bastante sedutor para alguns, e outros acharão serodiamente romântico. Mas a verdade é que talvez seja possível viver com bastante menos, não ser escravos do trabalho e da necessidade/obrigação de acumular. Pelo menos a partir de determinada altura da vida. A maior parte das pessoas que vamos conhecendo são mais velhas e querem apenas sentir-se livres, estar em contacto com a natureza e avançar serenamente para a morte. Fazem uns pequenos trabalhos sazonais e temporários que lhes permitam ter o mínimo para comer, meter combustível na carrinha e viver uma vida simples.

Nascido de um livro/reportagem da jornalista Jessica Bruder, ao longo de três anos, Nomadland é um retrato de uma realidade que atravessa toda a história da América e que é uma espécie de marca do país desde a sua fundação: a deslocação das populações e a itinerância atrás de uma vida melhor, naquelas paisagens imensas e abertas (impossível não lembrar As Vinhas da Ira, por exemplo, ainda que num tempo e perspectivas muito diferentes), o filme balança entre o documentário e a ficção. Talvez seja esta uma das suas limitações.

De qualquer modo, a personagem interpretada por Frances McDormand, que não está no livro, serve precisamente para ligar as outras pessoas, reais, permitindo-nos conhecer as suas histórias, os seus dramas e os seus sonhos.

Liberdade é seguramente uma palavra importante por trás do filme. Cito a autora: “Toda a gente tem uma ideia diferente do que significa ser livre e para muitas pessoas na estrada a ideia de uma casa tradicional tornou-se tão impossível que começaram a senti-la como armadilha. Não há uma liberdade perfeita. A liberdade perfeita é outro mito, porque se estamos na rua, há muitos desafios, muitas coisas que nos podem tirar da estrada. Se a carrinha se estraga e não a conseguimos arranjar, não ficamos apenas sem transporte, mas sem casa.” (ípsilon, Público, 16 de Abril).

Ter uma casa não é ter um lar, mas a alegria de ‘nos encontrarmos por aí’ pode muito bem ser um magnífico lar.

 

Manuel Mendes é padre católico e pároco de Esmoriz (Ovar); o texto foi inicialmente publicado na revista Mensageiro de Santo António, de Maio de 2021.

Padre João Felgueiras, 100 anos: várias memórias e três imagens

Missionário em Timor

Padre João Felgueiras, 100 anos: várias memórias e três imagens

O padre João Felgueiras, padre jesuíta e missionário em Timor-Leste desde 1971, atravessou a época colonial portuguesa (até 1975), a ocupação indonésia (1975-1999) e os anos da independência (2002 até hoje). Completando 100 anos neste 9 de Junho (viveu 50 anos em Portugal e outros 50 em Timor-Leste), o jesuíta foi o centro de uma pequena homenagem em Díli, que incluiu a publicação de um livro com vários depoimentos. Dele se extraem vários elementos que a seguir se coligem acerca da vida deste homem e padre que, durante a ocupação indonésia, apoiou a resistência timorense e que chegou a enviar recados para os políticos portugueses (ver texto de Adelino Gomes no final).  

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Isto não é gozar com quem…?

[Segunda Leitura]

Isto não é gozar com quem…?

Ler jornais é saber mais. Vamos, então, a alguma leitura. Esta notícia, por exemplo: “Relação diz que pontapés e palmadas não são violência doméstica” (JN, 28/5/2021). O caso diz respeito a um homem que foi condenado, em primeira instância, a ano e meio de prisão e ao pagamento de uma indemnização de mil euros, por ter sido o autor destes atos de violência para com a sua companheira.

Breves

Ano de S. José em Coimbra

Dia do Ambiente assinalado com plantação de cedro do Líbano

A Paróquia de S. José, em Coimbra assinalou, no passado sábado, o Dia Mundial do Ambiente com a plantação de um Cedro do Líbano no jardim junto à igreja.  Um momento que contou com a presença de Helena Freitas, professora do Departamento de Botânica da Universidade de Coimbra, e de um grupo de crianças da catequese, do Grupo ASJ – Adolescentes de São José e de vários paroquianos.

Vaticano

Papa “magoado” com restos mortais de 215 crianças no Canadá

O Papa Francisco confessou-se magoado com a descoberta dos restos mortais de 215 crianças numa antiga escola católica para crianças indígenas no Canadá, pedindo respeito pelos direitos e culturas dos povos nativos. No entanto, não apresentou um pedido de desculpas, como pretendem o Governo daquele país e dirigentes de comunidades autóctones.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Protestantismo

Colóquio internacional sobre Lutero

“Lutero – 500 anos: herege e inimigo do Estado” é o título do colóquio que tem lugar às 21h00 desta terça-feira, 25 de maio, via zoom, organizado pela Sociedade Portuguesa da História do Protestantismo.

Médicos Sem Fronteiras denunciam a perda de vidas civis em Gaza

Considerando “indesculpáveis e intoleráveis os ataques aéreos israelitas feitos nos últimos dias contra a população e infraestruturas civis em Gaza”, a organização internacional médica-humanitária Médecins Sans Frontières / Médicos Sem Fronteiras (MSF) confirma que a clínica que opera em Gaza foi danificada na sequência dos bombardeamentos de domingo, 16 de Maio. Uma sala de esterilização ficou inutilizável e uma zona de espera foi destruída.

Do interior ao Médio Oriente e ao mundo, quatro jornalistas explicam como gastam a sola dos sapatos

Jornalismo com maior transparência, originalidade e com histórias contadas a partir de pessoas concretas, gastando as solas dos sapatos. Com esse ponto de partida, tendo como pano de fundo a mensagem do Papa para o Dia Mundial das Comunicações Sociais, que se assinalou neste domingo, 16 de Maio, o 70×7, programa da Igreja Católica na RTP2, foi este domingo ao encontro de quatro jornalistas, que procuram dar prioridade à ideia de contar histórias.

Entre margens

Moçambique

Ventos, baladas e canções do matrimónio

Tive que escrever um texto sobre Balada de Amor ao Vento, o primeiro romance da primeira romancista moçambicana, Paulina Chiziane. Folheando o livro, encontrei algumas anotações feitas, há algum tempo. Tenho o hábito de borrar nos meus livros, com os pensamentos que me ocorrem, no momento da leitura.

Futebol

A república do ludopédio

Os ingleses inventaram o ludopédio (futebol) e continuam a driblar-nos com ele. Mas isso só é possível porque persistimos em ser provincianos. Deslumbramo-nos com tudo o que vem de fora e nem sequer nos damos ao respeito.

Cultura e artes

Livro

As casas e os espaços dos primeiros cristãos novidade

Esta obra apresenta uma coletânea de textos dos quatro primeiros séculos sobre os espaços que os cristãos criaram para celebrar a sua fé, desde homilias a catequeses pascais, de cartas a escritos teológicos. O leitor é introduzido neste património literário por um amplo estudo de Isidro Lamelas.

Concerto em Lisboa

Música de Pärt e Teixeira para um tempo de confiança

Hinário para um tempo de confiança, obra musical de Alfredo Teixeira, sobre textos de frei José Augusto Mourão, e The Beatitudes (As bem-aventuranças), do estoniano Arvo Pärt, raramente interpretada em Portugal, são as duas peças que marcam o regresso do Ensemble São Tomás de Aquino à sua temporada de concertos, neste sábado, 5 de Junho, às 21h, na Igreja Paroquial de São Tomás de Aquino (R. Virgílio Correia, em Lisboa).

Dia Mundial dos Oceanos

“Ilhas de Plástico” no rio Minho apelam à luta ambiental

Artista idealizou como metáfora do tempo um conjunto de 24 esculturas esféricas de grande dimensão forradas com materiais de plástico, garrafas de água, tubos de diferentes cores e feitios idênticos aos utilizados na construção civil. Unidas entre si formam uma mega-instalação flutuante e ondulante, atractiva, pedagógica, capaz de provocar olhares desencontrados. No próximo dia 8 de Junho, Dia Mundial dos Oceanos, estará fundeada no rio Minho.

Sete Partidas

Aquele que habita os céus sorri

Parceiros

Fale connosco