Terminou a celebração ininterrupta pela família Tamrazyan

| 1 Fev 19 | Boas Notícias, Igrejas Cristãs, Últimas

Da esquerda para a direita: Hayarpi, 21 anos, Warduhi, 19 e Seyran, 15. Foto © Peter Wassing/Igreja Betel

 

Há 96 dias que a família Tamrazyan vivia numa igreja protestante feita de tijolos vermelhos no bairro residencial de Haia (Holanda). Mas a batalha para evitar a sua deportação terminou a 31 de Janeiro, depois de o governo holandês concordar em perdoar a família arménia.

SasunAnousche e os seus três filhos Haryarpi, Warduhi, e Seyran procuraram refúgio neste local sagrado de modo a escapar a uma ordem de deportação. Segundo uma uma lei do país, pouco conhecida, a polícia não pode interromper qualquer cerimónia religiosa para fazer detenções dentro do templo e, por isso, a família permaneceu na igreja. O pastor responsável pelo templo decidiu iniciar uma celebração ininterrupta, para o que contou com a colaboração de pastores de várias igrejas protestantes, padres católicos e ortodoxos e ministros de outras confissões. Tornou-se uma das cerimónias religiosas continuas mais longa da história, durando mais de três meses e envolvendo mais de mil pastores e padres. 

Esta semana, finalmente, e sob pressão de ativistas a favor do caso dos arménios, o governo holandês anunciou que os casos de 700 crianças e suas famílias iriam ser reexaminados, por estarem sob ameaça de deportação. As autoridades anunciaram também que seriam garantidos direitos de residência em pelo menos 630 desses casos. Quarta-feira, dia 30, Mark Harbers, ministro responsável pela imigração na Holanda declarou que nenhuma criança ou familiares seriam deportados enquanto esta revisão de casos estive a ser feita.

Theo Hettema, da Igreja Betel, disse: “Estamos extremamente gratos por um futuro seguro para centenas de famílias de refugiados na Holanda. Durante meses tivemos esperança e agora essa esperança ganhou uma nova forma.”

Numa conferência de imprensa, Hayarpi Tamrazyan, a filha mais velha do casal, expressou alívio mas também cautela, em relação à decisão tomada. Citada pela AFP, afirmou; “Chegaram a um acordo que diz que os dossiês serão reavaliados. Mas não sabemos oficialmente se ficamos na Holanda, já que o caso ainda tem que ser julgado.”

A família Tamrazyan fugiu, há nove anos, da Arménia para a Holanda, porque Sasun Tamrazyane a sua mulher, Anousche, enfrentavam ameaças de morte no seu país, por causa do ativismo político de Sasun. Desde há seis anos que as autoridades holandesas negavam asilo político à família, mas essa decisão foi derrotada duas vezes em tribunal. Depois da anulação da decisão judicial anterior, num terceiro recurso, a família passou a viver num abrigo para refugiados, até que recebeu ordem de deportação, em setembro de 2018, acabando por pedir ajuda na igreja Betel, onde foi concebido o plano desta celebração ininterrupta. 

A cerimónia religiosa que durou aproximadamente 2300 horas não conseguiu ganhar o titulo de mais longa celebração registada no mundo. Esse recorde, segundo o livro Guinness de recordes, pertence ao festival de máscaras Sigui no Mali, África que dura anos – o último decorreu de 1967 a 1973. 

Com o aumento da xenofobia na Europa, a influência do cristianismo a diminuir e os governos a tomar posições mais duras acerca de políticas de migração, esta celebração tornou-se um símbolo de como as igrejas podem ter um papel na vida europeia contemporânea e como as causas de direitos humanos podem ainda ter impacto nas populações da Europa.

 

 

 

 

Breves

Há seis anos, a primeira homilia do Papa em Santa Marta

Foi uma das fotografias icónicas daquele Março de 2013: dia 22, nove dias após a eleição e três dias após a celebração de início de pontificado, o Papa Francisco celebrou missa com os jardineiros e empregados da recolha do lixo do Vaticano; no final da missa, enquanto alguns dos funcionários do Estado pontifício permaneciam nos bancos, Francisco sentou-se atrás, num momento de oração

Parlamento rejeita voto de pesar e solidariedade com Tibete

Os votos do PS, PSD, PCP uniram-se esta sexta-feira no Parlamento para recusar um voto de pesar pelas vítimas da ocupação chinesa do Tibete ao longo de 60 anos e de solidariedade com o povo tibetano. O voto foi proposto pelo deputado André Silva, do PAN (Pessoas Animais e Natureza.)

Boas notícias

Uma Semana da Fraternidade judaico-cristã contra o anti-semitismo

Uma Semana da Fraternidade judaico-cristã contra o anti-semitismo

A realização da Semana da Fraternidade, uma iniciativa da Sociedade para a Cooperação Judaico-Cristã da Alemanha que tem como objectivos a promoção do diálogo entre judeus e cristãos, a colaboração na luta contra toda a forma de anti-judaísmo e anti-semitismo e a cultura da memória das vítimas do Holocausto, coincide este ano com um contexto de crescente anti-semitismo na Alemanha.

É notícia 

Cultura e artes

O armário de Frédéric Martel

A tese central do livro, desdobrada em 14 regras, é a de que a Igreja Católica está a ser destruída pela doutrina moral que impõe o celibato e a castidade, ao mesmo tempo que abomina a homossexualidade, mas convive com uma enorme tolerância disciplinar perante práticas homossexuais, incluindo o encobrimento de abusos sexuais.

“Sombra Silêncio” – poesia para vigiar o Mistério

Assim descreve Carlos Poças Falcão, numa breve nota final, os poemas reunidos em Sombra Silêncio: «Cançonetas de um Verão que logo passam, mas que para sempre ficam ligadas à memória mítica de um rosto, de um clima, de um lugar – assim estes poemas. Em caso algum me biografei. Mas em todos eles me vejo e me estranho.»

Gomes Eanes: paradigma do espírito reformista no século XV, elo português no retiro do Papa

Estando o tema da Reforma da Igreja Católica, mais uma vez, na ordem do dia é de particular pertinência evocar a voz e o percurso de uma figura maior do universo religioso português do século XV e do diálogo luso-italiano que teve lugar nesta centúria: D. Gomes Eanes, tradicionalmente conhecido como o Abade de Florença. A sua voz ressoa em centenas de registos exemplificativos da abertura de Portugal às correntes reformistas e de observância que então percorriam a Cristandade.

Pessoas

Redescobrir a fé, uma aventura maior do que emigrar

Redescobrir a fé, uma aventura maior do que emigrar

Marisa Fernandes veio de Cabo Verde para Portugal, à procura da concretização de um sonho que ficou pelo caminho. Mas quer continuar a lutar, agora com a sua filha, a quem quer transmitir a experiência de um Deus com quem se pode conversar. E diz que foram a procura e a dúvida que a levaram à fé como uma experiência de “amor e tranquilidade.”

Sete Partidas

Pacto de Luz

“Por cá o Inverno vai bem alto, que é o mesmo que dizer temperaturas muito baixas e neve fresca todos os dias. Mas é a escuridão que inquieta e desiquilibra, fazendo-me a cada ano por esta altura, desejar regressar ao meu tão amado Sul.”

Visto e Ouvido

Agenda

Mar
27
Qua
Apresentação do livro «Peregrino da Liberdade Dalai Lama XIV», de Ricardo de Saavedra @ El Corte Inglés - Lisboa
Mar 27@18:30_19:30
Abr
6
Sáb
Apresentação do livro “Descalço também se caminha”, do padre João Aguiar @ Espaço Vita
Abr 6@21:00_22:00
Abr
8
Seg
Os católicos, a Igreja e o direito à revolução. A ideia de revolução e as opções revolucionárias em Portugal durante o Estado Novo @ Universidade Católica Portuguesa (Lisboa)
Abr 8@15:00_17:00

Ver todas as datas

Entre margens

Do diálogo inter-religioso às teologias pluralistas

No futuro iremos certamente ver confissões religiosas a desenvolver teologias pluralistas. O caminho passa, acredito, por evitar o sincretismo e procurar uma transformação profunda na forma como as pessoas entendem o universo das religiões e o lugar que a sua religião ocupa nesse universo. As teologias pluralistas devem igualmente transmitir a ideia de que nenhuma religião em particular é a protagonista principal da história religiosa da humanidade. Esse protagonismo apenas pode ser atribuído ao próprio Criador.

O que (quem) vemos, quando olhamos as margens?

Cristo não temeu a margem: não nos feriu, não nos gritou, não nos condenou, não se envergonhou de nós. Por isso, neste período quaresmal, crentes e não-crentes, tentemos aprender com Ele, com o Seu exemplo, algo que nos ajude a transformar as nossas margens em autênticos encontros com a Humanidade.

Matar é cobardia, coragem é conviver!

Imaginemos que um islamita armado entrava num domingo na Sé de Lisboa e assassinava cinquenta católicos, entre adultos e crianças. Foi o que fez o supremacista branco Brenton Tarrant. Só que os mortos são muçulmanos, abatidos em duas mesquitas de Cristchurch (Nova Zelândia). Para alguns é mais fácil a cobardia do assassinato do que a coragem da convivência.

Fale connosco