[Crónicas da Guiné – 1]

Terra de pobreza e de milagres

| 28 Nov 2022

 

A Guiné-Bissau, como país, é um bom exportador de más notícias. E quando se chega ao território, o que imediato se faz notar é a pobreza e o lixo. Mas quando nos dizem “Tenho orgulho em Bissau ser uma cidade limpa… em comparação com outras capitais desta região de África”, percebemos que tudo é relativo – relativo aos padrões que adoptamos. Ou às notícias que procuramos. Porque há notícias que vêm ter connosco, pois sabem que serão bem acolhidas, e outras que se deixam ficar no seu cantinho, silenciosas, porque se reconhecem sem interesse. Tudo tem a ver com aquilo por que nos interessamos.

Uma missão de um mês, pela Ser Mais Valia (uma ONGD, Organização Não Governamental para o Desenvolvimento), em Bissau, é ocasião para constatar o que logo salta à vista. Quando ao princípio da tarde se encontra uma adolescente a tentar vender meia dúzia de limas para ganhar alguma coisa para comer ou quando à hora de almoço uma mãe de família, no seu posto de trabalho, nos pede alguma coisa para colocar no pão, pois ainda está em jejum, nem se sabe o que pensar.

Não é necessário procurar muito para verificar que, em boa verdade, ali não há Estado, salvo algumas presenças pouco próprias para um Estado nestes tempos. A educação, a saúde, as infraestruturas, a higiene pública, o abastecimento, tudo aponta no mesmo sentido: a falta, a carência grave e sem solução à vista. A (falta de) educação pública é um problema crónico: os professores “estão sempre em greve”, dizem-nos, “durante um ano não há mais de três meses de aulas”. E como os livros são caros e nem é certo que sejam seguidos, mais vale não os comprar. E é só um dos problemas. Conclusão: quem quer educação, tem de procurá-la no privado, muitas vezes de carácter social.

Aqui e ali notam-se algumas melhorias. No Hospital Simão Mendes há menos lixo visível, nota alguém; a avenida principal de Bissau está em obras que se estendem até ao forte da Amura. E parece que é tudo, a quem chega. Mas há promessa de mais obras.

Contudo, as pessoas continuam doces e acolhedoras. Vivem num ambiente de convívio entre múltiplas etnias (27 segundo alguns, cerca de 40 segundo outros). Nota-se um enorme desejo de aprender. O interesse pela língua portuguesa é generalizado e espontâneo na capital, mas sobretudo para sair a procurar o futuro em Portugal. Outro motivo de espanto, digo eu, é o “amor à Pátria”, a uma mãe que recusa alimentar os seus filhos. Os bairros são ainda de uma miséria urbanística impressionante e os ordenados têm, no geral, valores indignos, por serem abaixo dos limites duma sobrevivência digna. E, logo ao lado, a ostentação da riqueza é por vezes obscena e (in)compreensível.

No entanto, não é necessário procurar muito para encontrar outra dimensão desta realidade. As pessoas, porque o Estado não faz nem ajuda, têm de fazer e de semear a boa semente que germina em milagres bem visíveis. Sobretudo na educação e na saúde, mas não só. E mesmo no interior dos serviços públicos, encontramos pessoas que, quase por conta própria e contra ondas e marés, trabalham para elevar os padrões do serviço prestado.

Há, na Guiné-Bissau, de modo claro, uma aposta num futuro diferente através da formação cuidada das novas gerações e da criação de ilhas de qualidade naquele oceano de padrões baixos. Uma sociedade que aposta nas pessoas e no seu poder de auto-organização caminha num sentido diferente de outra que aposta no aproveitamento das “oportunidades” em benefício próprio e ainda de outra que aposta sobretudo na dependência do Estado. Não sabemos, porém, até onde este jogo de construção do futuro pela auto-organização é ali sustentável, durante quanto tempo as energias se mantêm eficazes e se os apoios continuam a chegar da parte de quantos sabem que “eles” não podem ser abandonados a si mesmos.

Durante um mês em Bissau e arredores, procurei sobretudo “boas notícias” que nos possam dizer que a Guiné-Bissau é mais do que costuma chegar aos noticiários do mundo inteiro. Disso tentarei dar conta em próximos textos. Quanto mais não seja como resposta a um povo que tão bem me acolheu, embora sem querer vender a ilusão de que lá tudo é leite e mel. Não podemos esquecer que a corrupção é ali endémica, e não apenas nas altas esferas do poder público: na Guiné-Bissau, “tudo se compra, da carta de condução a um diploma de estudos” e a nomeação de “familiares e amigos ou de membros da mesma etnia” atravessa a sociedade guineense, diz quem a conhece. Há, no entanto, núcleos cuja ação se alimenta por outros princípios, como os da qualidade, solidariedade, respeito por princípios e bem comum.

A História da Guiné-Bissau como país tem ainda, números redondos, apenas um meio século atribulado. Muito está ainda por decidir, sobretudo quanto aos núcleos de força que darão forma à evolução futura. E parte desta evolução dependerá também do que for a evolução da África no seu conjunto e da África Ocidental em particular, sem esquecer, é claro, a evolução do sistema global de que todos somos parte.

 

José Alves Jana é doutorado em filosofia, professor aposentado, voluntário e dirigente associativo. Contacto: jalvesjana@gmail.com

 

Francisco alerta bispos para o perigo do “carreirismo”

Último dia na RD Congo

Francisco alerta bispos para o perigo do “carreirismo” novidade

Antes de se despedir da República Democrática do Congo (RDC), o Papa visitou na manhã desta sexta-feira, 3 de fevereiro, a sede da Conferência Episcopal do Congo (CENCO), onde se encontrou com os bispos do país. No seu discurso, desafiou-os a serem uma “voz profética” em defesa do “povo crucificado e oprimido”, e alertou-os para a tentação de “ver no episcopado a possibilidade de escalar posições sociais e exercer o poder”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa novidade

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Estudo decorre até 2028

A morte sob o olhar do cinema e da filosofia

O projeto “Film-philosophy as a meditation on death” (A filosofia do cinema como meditação sobre a morte), da investigadora portuguesa Susana Viegas, acaba de ser contemplado com uma bolsa de excelência do European Research Council, no valor de um milhão e setecentos mil euros, para um trabalho de equipa de cinco anos.

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Papa pede aos padres que não se sirvam da sua função para “satisfazer carências”

Encontro com consagrados

Papa pede aos padres que não se sirvam da sua função para “satisfazer carências” novidade

Depois de ter passado a manhã com mais de 80 mil jovens e catequistas, o Papa encontrou-se na tarde desta quinta-feira, 2 de fevereiro, com cerca de 1.200 padres, diáconos, consagrados e seminaristas, na Catedral de Kinshasa. Naquele que foi o terceiro dia da sua viagem apostólica à República Democrática do Congo (RDC), véspera de rumar ao Sudão do Sul, Francisco alertou que o sacerdócio ou qualquer forma de vida consagrada não podem ser vistos como um meio para “satisfazer carências e comodidades” ou para adquirir uma melhor “posição social”.

Americano judeu tenta destruir rosto de Cristo à martelada

Tensão no bairro cristão de Jerusalém

Americano judeu tenta destruir rosto de Cristo à martelada novidade

Um americano judeu de cerca de 40 anos deitou por terra e desfigurou esta terça-feira, 2 de fevereiro, uma imagem de Cristo na capela da Condenação, situada no perímetro da Igreja da Flagelação, na Terra Santa. O ataque deu-se logo de manhã, pelas 8h30, e a destruição só não foi maior porque o porteiro do templo se lançou sobre o atacante e imobilizou-o, tendo os frades chamado a polícia. Esta levou o homem sob prisão para uma esquadra.

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa novidade

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Lista de padres pedófilos em Itália contém mais de 400 nomes

Casos de abusos nos últimos 15 anos

Lista de padres pedófilos em Itália contém mais de 400 nomes novidade

Nos últimos 15 anos, 164 padres foram condenados por abuso sexual de menores em Itália. A listagem divulgada em conferência de Imprensa pela organização Rete L’ABUSO no dia 1 de fevereiro foi apresentada como “um inventário incompleto” dos clérigos predadores objeto de condenações definitivas, a que se juntam 88 nomes de padres sinalizados pelas suas vítimas, mas cujos casos não foram objeto de investigação criminal por já terem prescrito os crimes de que foram acusados.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This