Burkina Faso

Terroristas atacam seminário e ameaçam estudantes

| 15 Fev 2022

Atacantes armados ligados ao Boko Haram assaltaram o Seminário Menor de Saint Kisito de Bougui, no Burquina Faso. © ACN Portugal

Cerca de três dezenas de atacantes armados ligados ao Boko Haram assaltaram o Seminário Menor de Saint Kisito de Bougui, no Burkina Faso, destruindo equipamento e instalações, causando elevados danos materiais e ameaçando de morte os 146 jovens seminaristas, exigindo que abandonassem de vez o local.

O assalto, noticiado pela Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), ocorreu na noite de 10 para 11 (quinta para sexta-feira).

Além da ameaça de serem mortos se regressassem ao local, os seminaristas ouviram os terroristas dizer que “não queriam ver cruzes” no local, justificando desse modo a destruição de um crucifixo que se encontrava no edifício, como relata a mesma fonte. 

Os 146 seminaristas refugiaram-se junto das suas famílias, enquanto muitas outras pessoas da zona fugiram também para lugares mais seguros. O ataque ao seminário, situado a cerca de dez quilómetros da cidade de Fada N’Gourma (Leste), durou cerca de uma hora, tendo os atacantes queimado dois dormitórios, uma sala de aulas e um veículo. A AIS relata ainda que outro veículo, ao serviço do seminário, foi roubado.

O bispo da diocese de Fada N’Gourma, Pierre Claver Yenpabou Malgo, visitou o local na sexta-feira, dia 11, tendo-se encontrado com os seminaristas e os seus familiares, além dos formadores – na altura do ataque, havia sete no edifício.

Em Outubro último, o cardeal Phillipe Ouèadraogo deu uma entrevista à Rádio Vaticano em que classificava como “dramática” a situação na região, acusando o Boko Haram de ser responsável pela violência contra as populações. Nessa altura, dizia o cardeal, havia já cerca de um milhão e 400 mil refugiados. “A situação é dramática. Da Nigéria, o grupo terrorista Boko Haram, espalhou-se pela África Ocidental, especialmente Mali, Níger e Burkina Faso. Somos constantemente confrontados com o problema da segurança e da paz”, afirmava Ouèadraogo.

Atacantes armados ligados ao Boko Haram assaltaram o Seminário Menor de Saint Kisito de Bougui, no Burkina Faso. © ACN Portugal

O cardeal que é também presidente da  presidente do SCEAM (Simpósio das Conferências Episcopais de África e Madagáscar), encontrara-se nessa ocasião com o Papa Francisco, diante de quem recordou um ataque que se registara pouco antes numa aldeia no norte do país, em que foram mortas 131 pessoas: “Isto é dramático. Porque matam eles os seus irmãos? Quem está pode trás destes homens? Quem os está a ajudar?”, perguntava ele na entrevista referida. 

O arcebispo de Ouagadagou dizia ainda que era necessário saber quem fornecia as armas aos terroristas. “Nós não fabricamos Kalashnikovs no Burkina Faso. Todo este material vem de fora. Quem dá esse dinheiro, quem apoia esse movimento?”

O país é um dos que tem sofrido a violência do Boko Haram. Em Junho de 2020, Rafael D’Aqui, responsável de projectos da AIS, afirmava que os grupos jiadistas estavam a transferir do Médio Oriente para a região do Sahel o plano para edificar o que designam de califado islâmico.

 

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix

Investigação suspensa

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix novidade

A Sala de Imprensa da Santa Sé anunciou esta terça-feira, 21 de maio, que a investigação canónica preliminar solicitada pelo Papa Francisco para averiguar as acusações de agressão sexual contra o cardeal canadiano Gérald Cyprien Lacroix não prosseguirá, visto que “não foi identificada qualquer ação como má conduta ou abuso” da parte do mesmo. O nome do prelado, que pertence ao Conselho dos Cardeais (C9), foi um dos apontados numa grande ação coletiva a decorrer no Canadá, listando supostas agressões sexuais que terão ocorrido na diocese do Quebeque, nos anos 1980.

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda”

AAPSO denuncia

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda” novidade

Amina Bouayach, Presidente do Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) de Marrocos, recebeu esta terça-feira, 21 de maio, na Assembleia da República, em Lisboa, o Prémio de Direitos Humanos do Centro Norte-Sul do Conselho da Europa 2023. Mas a Associação de Amizade Portugal – Sahara Ocidental (AAPSO) considera, no mínimo, “estranha” a atribuição do galardão à marroquina.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer?

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer? novidade

A exposição, intitulada «Mês de Maio. Mês de Maria», que tem por curador o Prof. José Abílio Coelho, historiador, da Universidade do Minho, conta com as principais ‘apresentações’ de Nossa Senhora do Rosário, sobretudo em escultura e pintura, que se encontram dispersas por igrejas e capelas do arciprestado de Póvoa de Lanhoso. Divulgamos o texto, da autoria do Padre Joaquim Félix, publicado no catálogo da exposição  «A Senhora do Rosário no Arciprestado Povoense».

Igreja portuguesa precisa de “abertura de horizontes” no âmbito da evangelização

Bispos após encontro com Secretaria do Sínodo

Igreja portuguesa precisa de “abertura de horizontes” no âmbito da evangelização novidade

O vice-presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, Virgílio Antunes, reconheceu que a Igreja Católica em Portugal tem necessidade de uma “abertura de horizontes” no âmbito da evangelização, nomeadamente no “acolhimento das pessoas”. Para o bispo de Coimbra, – que falou aos jornalistas após o encontro com a Secretaria Geral do Sínodo, que decorreu esta segunda-feira, 20 de maio, em Roma – é preciso fomentar “uma relação mais eficaz e mais eclesial entre os membros da hierarquia, a generalidade dos cristãos leigos, dos consagrados do povo de Deus”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This