Liberdade condicional

Testemunha de Jeová libertada na Rússia

| 8 Mai 2022

Valentina Baranovskaya e o seu advogado. Foto © DR

Valentina Baranovskaya e o seu advogado. Foto © DR

 

A 4 de maio de 2022, o Supremo Tribunal da República de Khakassia aprovou a decisão do Tribunal Distrital de Ust-Abakansky de conceder liberdade condicional a Valentina Baranovskaya, uma Testemunha de Jeová (TJ) de 71 anos. O tribunal considerou o recurso interposto pelo promotor contra a decisão da juíza do Tribunal Distrital de Ust-Abakansky, Maria Zablotskaya, de 22 de fevereiro de 2022. Alguns meses antes, esta TJ pediu liberdade condicional. O tribunal acedeu ao seu pedido, mas o procurador público Abakan V. Gasan apresentou uma queixa contra esta decisão, e esta mulher foi forçada a permanecer atrás das grades até à audiência de recurso. Isso agravou ainda mais a sua condição de saúde, já que Valentina sofreu um AVC em 2020, numa história já aqui contada pelo 7MARGENS, mas foi com enorme alegria que saiu da prisão e foi recebida por amigos.

Foi há quase três anos, em abril de 2019, que teve início um processo criminal contra Valentina Baranovskaya e o seu filho Roman Baranovsky, acusados de “participação nas atividades de uma organização ilegal”. Foi assim que os agentes da lei interpretaram a prática comum dos crentes de se reunirem e discutirem a Bíblia entre amigos. Mãe e filho receberam sentenças cruéis sem precedentes : Valentina dois anos de prisão, e Roman seis anos. Roman Baranovsky permanece preso, restando ainda cumprir cinco anos.

Atualmente, existem mais 13 Testemunhas de Jeová com mais de 60 anos na prisão. O mais velho deles é Vilen Avanesov, que completará 70 anos em 2022.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“A grande substituição”

[Os dias da semana]

“A grande substituição” novidade

Outras teorias da conspiração não têm um balanço igualmente inócuo para apresentar. Uma delas defende que estamos perante uma “grande substituição”; não ornitológica, mas humana. No Ocidente, sustentam, a raça branca, cristã, está a ser substituída por asiáticos, hispânicos, negros ou muçulmanos e judeus. A ideia é velha.

Humanizar não é isolar

Humanizar não é isolar novidade

É incontestável que as circunstâncias de vida das pessoas são as mais diversas e, em algumas situações, assumem contornos improváveis e, muitas vezes, indesejáveis. À medida que se instalam limitações resultantes ou não de envelhecimento, alguns têm de habitar residências sénior, lares de idosos, casas de repouso,…

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This