Liberdade condicional

Testemunha de Jeová libertada na Rússia

| 8 Mai 2022

Valentina Baranovskaya e o seu advogado. Foto © DR

Valentina Baranovskaya e o seu advogado. Foto © DR

 

A 4 de maio de 2022, o Supremo Tribunal da República de Khakassia aprovou a decisão do Tribunal Distrital de Ust-Abakansky de conceder liberdade condicional a Valentina Baranovskaya, uma Testemunha de Jeová (TJ) de 71 anos. O tribunal considerou o recurso interposto pelo promotor contra a decisão da juíza do Tribunal Distrital de Ust-Abakansky, Maria Zablotskaya, de 22 de fevereiro de 2022. Alguns meses antes, esta TJ pediu liberdade condicional. O tribunal acedeu ao seu pedido, mas o procurador público Abakan V. Gasan apresentou uma queixa contra esta decisão, e esta mulher foi forçada a permanecer atrás das grades até à audiência de recurso. Isso agravou ainda mais a sua condição de saúde, já que Valentina sofreu um AVC em 2020, numa história já aqui contada pelo 7MARGENS, mas foi com enorme alegria que saiu da prisão e foi recebida por amigos.

Foi há quase três anos, em abril de 2019, que teve início um processo criminal contra Valentina Baranovskaya e o seu filho Roman Baranovsky, acusados de “participação nas atividades de uma organização ilegal”. Foi assim que os agentes da lei interpretaram a prática comum dos crentes de se reunirem e discutirem a Bíblia entre amigos. Mãe e filho receberam sentenças cruéis sem precedentes : Valentina dois anos de prisão, e Roman seis anos. Roman Baranovsky permanece preso, restando ainda cumprir cinco anos.

Atualmente, existem mais 13 Testemunhas de Jeová com mais de 60 anos na prisão. O mais velho deles é Vilen Avanesov, que completará 70 anos em 2022.

 

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança”

Tolentino recebeu Prémio Pessoa

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança” novidade

Na cerimónia em que recebeu o Prémio Pessoa 2023 – que decorreu esta quarta-feira, 19 de junho, na Culturgest, em Lisboa – o cardeal Tolentino Mendonça falou daquela que considera ser “talvez a construção mais extraordinária do nosso tempo”: a “ampliação da esperança de vida”. Mas deixou um alerta: “não basta alongar a esperança de vida, precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança e a deseje fraternamente repartida, acessível a todos, protagonizada por todos”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This