Texto da Santa Sé sobre paróquias mina o Caminho Sinodal da Alemanha mas também o do Papa, criticam bispos alemães

| 29 Jul 20

Imagem da página oficial da Conferência Episcopal Alemã sobre o “Caminho Sinodal”: o documento quer reorientar o que os católicos da Alemanha andam a debater.

 

Interferência, frustração, um texto que faz mais mal do que bem, travão. Na Alemanha, entre algumas vozes a favor, as críticas à instrução sobre as paróquias, do Vaticano, não pouparam nas palavras: vários bispos e responsáveis leigos sentiram o texto como visando precisamente as experiências que estão a ser tentadas no país, de modo a tentar estancar a hemorragia de crentes.

 

Chegaram de vários bispos algumas das críticas mais duras ao documento “A conversão pastoral da comunidade paroquial a serviço da missão evangelizadora da Igreja”, publicado dia 20 pela Congregação para o Clero (CC). O cardeal Reinhard Marx, arcebispo de Munique e Freising, ex-presidente da Conferência Episcopal e uma das personalidades de mais prestígio da Igreja alemã, contesta a oportunidade do documento, que “nunca” foi debatido com os bispos. “Será esta a coexistência de Igrejas universais e particulares que se desejaria? Nem por isso”, disse, avisando com as clivagens e tensões a que conduzem textos como este.

Ler os sinais dos tempos requer “capacidade de escuta” e “compreensão: só podemos compreender se nos ouvirmos uns aos outros e caminharmos juntos”, insistiu Marx, que integra também o restrito grupo de conselheiros do Papa, o C-6. Por isso, é preciso que o Vaticano também ouça as igrejas locais – algo que “falta no documento” em causa, diz, citado pelo Novena News. Além do mais, o texto “mina o desejo frequentemente repetido pelo Papa Francisco de uma Igreja sinodal”.

Não é casual a torrente de reacções: a Igreja Católica, na Alemanha, está a viver desde há meses um Caminho Sinodal em que vários temas que esta instrução trata estão a ser debatidos: lugar dos leigos, estruturas eclesiásticas, papel das mulheres são alguns deles. Por isso, os responsáveis católicos alemães sentiram o documento como sendo um “travão” ao debate e à tentativa de encontrar soluções novas que já estão em curso, como o 7MARGENS tem noticiado.

Vários outros bispos não pouparam nas palavras: o de Mogúncia (Mainz), Peter Kohlgraf, diz que não pode aceitar a “interferência” na sua missão. “Muitos padres queixam-se de estarem sobrecarregados com a administração e a burocracia. Segundo a instrução, porém, é precisamente isto que os padres devem fazer”, acusou.

Já os leigos podem sentir-se frustrados, critica ainda, para lembrar, numa outra notícia do Novena: “Eu preciso destas pessoas; a sociedade precisa do seu testemunho de fé. E ouço cada vez mais que não há qualquer motivação para aderir a uma Igreja que aparece desta forma. Não posso e não vou deixar que o empenho pastoral destas pessoas me seja retirado.”

 

“Teria sido melhor não publicar”

Sessão final da primeira assembleia do Caminho Sinodal da Igreja na Alemanha: os bispos não vêem alternativas ao modelo de colegialidade que têm tentado em várias dioceses e a nível nacional. Foto: Direitos reservados

 

O arcebispo de Bamberg foi mais longe: “Teria sido melhor não publicar esta instrução desta forma, porque faz mais mal do que bem à comunhão da Igreja”, criticou. A razão para publicar agora este documento “não é clara em parte alguma: nem a ocasião nem o propósito e o texto é “teologicamente deficiente”, porque o sentido eclesial do ministério dos padres não é tratado.

Gebhard Fürst, bispo de Rotemburgo-Estugarda, acrescentou, aos argumentos dos colegas, que ainda não vê alternativa à corresponsabilidade leigo-clérigo nas paróquias. Na sua diocese, há uma “forte participação dos leigos em todos os órgãos até ao conselho diocesano”, que é “uma grande vantagem para a Igreja local” e “uma clara consequência do Concílio Vaticano II”.

Também o bispo Franz-Josef Bode, de Osnabrück, vice-presidente da Conferência Episcopal, olha para o texto como um “forte travão à motivação e apreciação dos serviços dos leigos” e como uma “conversão à clericalização”.

“Receio que as normas, por mais vinculativas que sejam, não serão eficazes se estiverem em grande medida ultrapassadas pela realidade”, acrescentou o bispo, defendendo os novos “modelos de liderança” que tem introduzido na diocese e que implicam colocar leigos como responsáveis.

O bispo de Trier, Stephan Ackermann, manifestou-se “irritado” por não haver qualquer referência ao tema dos abusos sexuais no texto. “Não há consciência de que as paróquias foram e podem ser lugares de violência sexual”, lamentou. “Como pode uma congregação encarregada do clero escrever um documento em 2020 que nem sequer lhe faz referência? Isso incomoda-me”, afirmou, acrescentando que tão pouco reconhece na instrução a preocupação pelo tema da sinodalidade e da Igreja local.

O presidente do Conselho Diocesano de Católicos de Berlim, Bernd Streich, considerou que, ao contrário da visão do documento, “os leigos são mais do que simples conselheiros: eles asseguram a vida da Igreja e anunciam a boa nova através do seu testemunho”.

Em declarações ao katholisch.de, o site noticioso da Conferência Episcopal Alemã, citadas pelo Novena News, Streich acrescenta que tem havido uma “cooperação carismática entre leigos e clero em muitas paróquias e comunidades”, o que o documento não reconhece. O vigário geral da diocese de Speyer, Andreas Sturm, também critica a CC pela falta de apoio às “tentativas de encontrar novas formas de assistência pastoral”. A corresponsabilidade dos leigos “não é uma ameaça, mas uma oportunidade para as paróquias e também para os padres”, acrescenta.

O Novena News nota que o tom do documento pode “causar uma frustração generalizada” entre os católicos do país, que estão no meio do Caminho Sinodal, o processo de debates sobre a reforma da Igreja Católica.

 

Os críticos não entenderam, acusa Kasper

Walter Kasper

Walter Kasper: críticos ignoraram principal objectivo do documento, diz o cardeal. Foto ©  CTV/Wikimedia Commons

Do lado oposto, o arcebispo de Colónia, cardeal Rainer Maria Woelki, pensa que o texto apresenta “muitas sugestões para um despertar missionário da Igreja” e lembra “verdades fundamentais da fé. “Não somos nós que ‘fazemos’ a Igreja, e também não é a ‘nossa’ Igreja, mas a Igreja de Jesus Cristo” e o documento encoraja a “confiar inteiramente em Cristo para se tornar novamente uma Igreja missionária”, afirmou, citado pela Catholic News Agency. Quer Woelki, quer o bispo de Augsburgo, Bertram Meier, sublinharam o foco mais “espiritual” que estrutural das reformas propostas pela instrução.

Já Walter Kasper, cardeal muito próximo do Papa Francisco e que presidiu ao Conselho Pontifício para a Unidade dos Cristãos, defende o documento com o argumento de que os críticos “ignoram o principal objectivo” da instrução pastoral: a conversão pastoral a um caminho missionário.

Para Kasper, o texto é importante porque a discussão sobre o celibato, ordenação de mulheres e outros temas leva, independentemente da resposta que se lhes dê, a que “nenhum jovem sabe mais no que está envolvido quando decide prosseguir a vocação sacerdotal”. E é preciso, defende, recriar “um clima de aceitação, reconhecimento, significado e beleza da vocação sacerdotal nas paróquias”, sob penas de tornar inúteis as restantes reformas.

O cardeal destaca ainda como positivo o facto de ele “impedir o autoritarismo clerical”, já que estabelece critérios para nomeações e procedimentos que não devem ser deixados à discrição de cada bispo. Mesmo assim, Walter Kasper considera que teria sido melhor se a Congregação do Clero “tivesse consultado os presidentes das conferências episcopais do mundo” antes de publicar o texto e se este tivesse uma linguagem “mais positiva, encorajadora e grata” sobre os leigos e o seu papel muitas vezes decisivo para as paróquias em tantas situações difíceis.

 

Vaticano vive numa “bolha patriarcal”

O texto, que também já mereceu críticas em Portugal, foi igualmente condenado pelo movimento internacional Nós Somos Igreja (NSI), para o qual a instrução “confirma que o Vaticano está a viver numa bolha patriarcal” e que não é senão “uma tentativa de reafirmar a autoridade clerical masculina e a subordinação leiga (especialmente feminina)”.

Num comunicado enviado ao 7MARGENS, o NSI acrescenta que “o mais decepcionante” é que o Papa Francisco parece querer ter duas coisas ao mesmo tempo: “Ele tem falado repetidamente da necessidade de remover o mal do clericalismo da nossa igreja. No entanto, aprovou esta nova instrução, que procura reforçar um clericalismo rígido do século passado. Após sete anos no cargo, quando se levantará o verdadeiro Papa Francisco? Talvez abolisse a Congregação do Clero, cujo papel principal parece ser o de promover o clericalismo?”

O comunicado acrescenta que a mudança “não está a acontecer no Vaticano”, mas “em todo o mundo, onde os leigos e especialmente as mulheres lideram as suas comunidades”. E dá exemplos: “Eles são os evangelizadores que mantêm viva a mensagem de amor de Cristo no mundo dividido de hoje. Estão a liderar liturgias e eucaristias domésticas e eucaristias” transmitidas em vídeo. São pessoas que “compreendem a lei do amor”, enquanto o Vaticano se apega “ao amor da lei”. E conclui: “A mudança está a vir de baixo com o Espírito Santo presente no povo de Deus.”

 

[related_posts_by_tax format=”thumbnails” image_size=”medium” posts_per_page=”3″ title=”Artigos relacionados” exclude_terms=”49,193,194″]

Desta vez, o Papa desiludiu?

Desta vez, o Papa desiludiu?

Francisco é o primeiro a admitir que as mulheres continuam hoje, em muitos locais e circunstâncias, a ser “diáconos”. Faz sentido que seja negada às mulheres a graça sacramental da ordenação, em vez de celebrado e apoiado esse magistério que tão bem podem exercer – e que a Igreja Católica tanto precisa que exerçam?

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Bairro é embaixador dos ODS

No Zambujal, vai nascer um mural para defender a gestão sustentável da água

O Bairro do Zambujal, localizado na freguesia de Alfragide (Amadora), está cada vez mais perto de se tornar “o primeiro bairro embaixador dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)”. Com cinco dos seus edifícios a servir já de tela para uma série de murais que ilustram esses mesmos objetivos, prepara-se agora para receber a próxima pintura, dedicada à defesa do “ODS 6 – Água Potável e Saneamento”. Os trabalhos iniciais foram revelados nesta sexta-feira, 22 de março, data em que se assinala o Dia Mundial da Água.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças

Este fim de semana, em Roma

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças novidade

Foi há pouco mais de cinco meses que, para surpresa de todos, o Papa anunciou a realização da I Jornada Mundial das Crianças. E talvez nem ele imaginasse que, neste curto espaço de tempo, tantos grupos e famílias conseguissem mobilizar-se para participar na iniciativa, que decorre já este fim de semana de 25 e 26 de maio, em Roma. Entre eles, estão alguns portugueses.

É notícia

Dia dos Mártires

Igreja na Índia recorda massacre de 2008

Treze anos depois da onda de violência que varreu o Estado de Orissa, na Índia, provocando mais de 100 mortos, a justiça é ainda uma miragem, denuncia a Fundação AIS. Desde 2016 que é celebrado pela Igreja em Orissa o dia dos Mártires. 

Fundação AIS

Padre haitiano morto a tiro

Um padre que dirigia um orfanato no Haiti foi morto a tiro, Andrè Sylvestre, de 70 anos de idade, foi assassinado na tarde de segunda-feira, 6 de setembro, durante uma tentativa de assalto, revelou a Fundação AIS. 

IndieLisboa

Cinema: prémio Árvore da Vida atribuído a “Sopro”

O filme “Sopro”, realizado por Pocas Pascoal, uma cineasta angolana de 58 anos, foi distinguido na segunda-feira com o prémio Árvore da Vida, atribuído pelo Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura (SNPC), no final da 18.ª edição do festival de cinema independente IndieLisboa. 

Entre margens

O mundo precisa

O mundo precisa novidade

O mundo precisa, digo eu, de pessoas felizes para que possam dar o melhor de si mesmas aos outros. O mundo precisa de gente grande que não se empoleira em deslumbrados holofotes, mas constrói o próprio mérito na forma como, concretamente, dá e se dá. O mundo precisa de humanos que queiram, com lealdade e algum altruísmo, o bem de cada outro. – A reflexão da psicóloga Margarida Cordo, para ler no 7MARGENS.

Cristo levantado

Cristo levantado

A sacralização dos símbolos é uma velha tendência profundamente humana. Veja-se o caso das relíquias, das imagens de Jesus, Maria e dos santos. Um símbolo aponta para uma verdade espiritual profunda. Sacralizar um símbolo empobrece e desvia a tenção do que realmente importa.

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer?

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer?

A exposição, intitulada «Mês de Maio. Mês de Maria», que tem por curador o Prof. José Abílio Coelho, historiador, da Universidade do Minho, conta com as principais ‘apresentações’ de Nossa Senhora do Rosário, sobretudo em escultura e pintura, que se encontram dispersas por igrejas e capelas do arciprestado de Póvoa de Lanhoso. Divulgamos o texto, da autoria do Padre Joaquim Félix, publicado no catálogo da exposição  «A Senhora do Rosário no Arciprestado Povoense».

Cultura e artes

Uma estranha serenidade…

Uma estranha serenidade…

Talvez o leitor já tenha tido a estranha sensação de conversar com um monge e sair dessa conversação cheio de interrogações, mas também de entrar em si com o sentimento de uma estranha serenidade. Uma sensação enigmática que nos desloca da nossa condição habitual e doméstica, para um outro nível de relação com os demais, uma outra maneira de habitar o mundo e de nos sentirmos a nós próprios. [Texto de João Paulo Costa a propósito do filme de Wim Wenders Perfect Days]

“Estudar os textos antigos como quem estuda as grandes perguntas da actualidade”

Estudos de José Augusto Ramos reunidos

“Estudar os textos antigos como quem estuda as grandes perguntas da actualidade”

Estudar textos antigos “como quem estuda as grandes questões e interrogações da actualidade”. É esse o sentido dado por José Augusto Ramos, biblista e um dos grandes historiadores portugueses da Antiguidade e da História do Judaísmo, à publicação de dois volumes de estudos da sua autoria. As obras são apresentadas nesta quarta, em Lisboa.

Sete Partidas

Hospitalidade, foco e atenção

Hospitalidade, foco e atenção

Numa entrevista a Tolentino Mendonça ouvi uma palavra que, não sei bem porquê, não ouvia, ou não pensava, há muito tempo. Hospitalidade. “Modo generoso e afável de receber ou tratar alguém.” Assim diz o dicionário Priberam. A palavra ficou. Anda aqui por dentro, “da cabeça para o coração e do coração para a cabeça”.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This