"Este pontificado é um desastre"

Textos atribuídos a cardeal Pell revelam amargas críticas ao Papa Francisco

| 12 Jan 2023

papa francisco com cardeal george pell, foto vatican media

Papa Francisco e cardeal Pell. “Comentadores de todas as escolas, embora por diferentes razões (…) concordam que este pontificado é um desastre em muitos ou na maioria dos aspetos; uma catástrofe”, terá escrito o australiano. Foto © Vatican Media.

 

Apenas um dia após a morte do cardeal George Pell, surgiram notícias de que este terá escrito recentemente dois textos em que tece pesadas críticas ao Papa Francisco, usando palavras como “desastre” e “catástrofe” para descrever o seu pontificado e referindo-se ao sínodo dos bispos por ele convocado como um “pesadelo tóxico”.

No blogue Settimo Cielo, o vaticanista italiano Sandro Magister assegurou esta quarta-feira, 11 de janeiro, que Pell foi o autor de um memorando que começou a circular em março de 2022 entre os cardeais e que foi publicado nesse mesmo blogue. O documento divide-se em duas partes – “O Vaticano hoje e “O próximo conclave” – e lista uma série de pontos que vão desde a pregação “enfraquecida” do Evangelho por parte de Francisco até à precariedade das finanças da Santa Sé e à “falta de respeito pela lei” no Vaticano.

“Decisões e políticas são muitas vezes ‘politicamente corretas’, mas há graves falhas no apoio aos direitos humanos na Venezuela, Hong Kong, China continental e agora na invasão russa”, pode ler-se no texto.

“Comentadores de todas as escolas, embora por diferentes razões (…) concordam que este pontificado é um desastre em muitos ou na maioria dos aspetos; uma catástrofe”, terá escrito Pell, na altura sob o pseudónimo de “Demos”.

No memorando, Pell dedica particular atenção à investigação de fraude financeira a decorrer no Vaticano, a qual havia inicialmente saudado por seguir na linha dos seus esforços para expor a corrupção na Santa Sé, depois de ter sido escolhido por Francisco para o cargo de prefeito da Secretaria para a Economia, em 2013.

Em março de 2022, no entanto, a sua postura já seria diferente, tendo colocado em causa o direito de defesa num sistema legal sobre o qual Francisco tem poder absoluto, sublinhando que o Papa emitiu quatro decretos secretos durante o curso da investigação “para ajudar a acusação” sem que os afetados tivessem o direito de apelar.

Pell saiu também em defesa de um dos arguidos, o cardeal Angelo Becciu, que Francisco demitiu em setembro de 2020 antes de ter sido formalmente acusado e de quem se suspeitou ter financiado o processo de acusação do próprio Pell por abusos sexuais. “A falta de respeito pela lei no Vaticano corre o risco de se tornar um escândalo internacional”, disse o cardeal australiano.

No mesmo dia, a revista conservadora The Spectator publicava um artigo (disponível apenas para subscritores) que diz ter sido escrito por Pell nos dias anteriores à sua morte. Nesse texto, Pell refere-se ao processo sinodal promovido por Francisco em toda a Igreja como um “pesadelo tóxico”.

O cardeal queixa-se da “crescente confusão, ataque à moralidade tradicional e inclusão no diálogo do jargão neomarxista sobre exclusão, alienação, identidade, marginalização, sem voz, LGBTQ”, bem como do “deslocamento das noções cristãs de perdão, pecado, sacrifício, cura e redenção”, cita a agência Associated Press.

A missa fúnebre com a presença do corpo do cardeal George Pell será celebrada no próximo sábado, 14 de janeiro, pelas 11h30 (10h30 na hora de Lisboa), na basílica de São Pedro. A liturgia fúnebre ficará a cargo do decano do Colégio Cardinalício, o cardeal Giovanni Battista Re, juntamente com os cardeais e bispos presentes em Roma, e na presença do papa Francisco, que no final celebrará o rito da Ultima Commendatio e Valedictio.

O corpo de Pell será enviado para a Austrália e sepultado na cripta da Catedral de St. Mary, em Sydney, em data ainda a confirmar. O estado australiano de Victoria rejeitou veementemente nesta quinta-feira, 12 de janeiro, a realização de uma cerimónia pública para o falecido cardeal George Pell, com a justificação de que seria “profundamente angustiante” para os sobreviventes de abusos sexuais.

 

Desfazendo três equívocos sobre Deus

Desfazendo três equívocos sobre Deus novidade

Existem três dificuldades ou equívocos religiosos sobre o carácter de Deus, e que revelam algum desconhecimento sobre Ele. Por isso convém reflectir no assunto. Esses três equívocos sobre os quais nos vamos debruçar de seguida são muito comuns, infelizmente. [Texto de José Brissos-Lino]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

sobre as águas

sobre as águas novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo XII do Tempo Comum B. ⁠Hospital de Santa Marta⁠, Lisboa, 22 de Junho de 2024.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This