Tiago Varanda, o primeiro padre cego português, quer privilegiar o sentido da escuta

| 14 Jul 19

Tiago Varanda antes da ordenação, com a sua cadela-guia. Foto © DACS-Braga

 

Chegou a pensar que pelo facto de ser cego não poderia ser padre. Neste domingo, 14 de Julho, essa hipótese ficou posta de lado: Tiago Varanda, 35 anos, natural de Lamego, foi ordenado em Braga, tornando-se o primeiro padre cego em Portugal. E quer fazer do seu ministério de presbítero um serviço de escuta, cujo valor diz ter aprendido durante os anos de seminário: “A questão da escuta, saber escutar as pessoas. É das coisas mais maravilhosas que levo daqui, posso dizer que aprendi a escutar no seminário. Vai ser um grande instrumento para a minha vida sacerdotal.”

Ficou sem vista aos 16 anos, mas no seminário já se imaginava responsável de uma qualquer paróquia onde o seu trabalho fosse necessário, como contava em Junho de 2015 na reportagem Sem mulher nem filhos, da TSF. “Porque não? Com os devidos auxílios…”, dizia.

Tendo sido professor de História, a vocação foi-se afirmando precisamente durante os anos em que ensinou. Tiago Varanda frequentou depois o Seminário Conciliar de Braga durante sete anos, que culminaram agora com a ordenação. Contará com livros em braille para celebrar a liturgia, de modo a poder ser “igual aos outros” padres e fazer tudo o que eles fazem: “Vou ser mais um entre tantos aqui na diocese, procurarei colaborar com o que o senhor arcebispo me pedir e com aquilo que as pessoas precisarem e for necessário e me pedirem”, afirmava, em declarações ao Departamento Arquidiocesano da Comunicação Social de Braga, citadas pela agência Ecclesia.

O novo padre nasceu com um glaucoma congénito e foi perdendo progressivamente a visão, dependendo da cadela-guia que o acompanha – primeiro Micha, agora Ibiza, que fica na sacristia enquanto Tiago entra na igreja ou na Capela Árvore da Vida, a “capela encantada” do seminário de Braga, que já ganhou vários prémios de arquitectura e tem sido objecto de admiração de todos os que a conhecem.

Tiago recorda-se que alguma coisas de quando ainda podia ver, mas agora admite que, além de livros litúrgicos em braille, necessitará de aprender e ensaiar alguns gestos que recorda menos. “Não vou ler com os olhos, vou ler com as mãos”, e precisar de ajuda para, no altar, pegar no cálice ou na patena.

Dias antes da sua ordenação, Tiago Varanda sublinhava que lhe importa continuar a ser capaz de mostrar às pessoas a sua “relação com Deus”. E insiste na ideia da escuta: “Se não estamos permanentemente a escutar o mundo e a ler para perceber o que se passa à nossa volta, definhamos e fechamo-nos no nosso mundo e deixamos de ter capacidade de dialogar.”

O futuro? “A realidade não é sempre como sonhamos mas é possível sempre fazer algo mais que seja bonito e belo e verdadeiro pelas pessoas. Aquilo que eu já vivi ajuda-me a perceber que haverá dificuldades, que haverá desafios a enfrentar que não devem ser encarados como problemas”, afirma.

(Em 2013, a Ecclesia fez uma reportagem televisiva sobre Tiago Varanda, que pode ser vista a seguir)

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

O Papa e os “teístas com água benta cristã”

“Quando vejo cristãos demasiado limpos, que têm toda a verdade, a ortodoxia, e são incapazes de sujar as mãos para ajudar alguém a levantar-se, eu digo: ‘Não sois cristãos, sois teístas com água benta cristã, mas ainda não chegastes ao cristianismo’”. A afirmação é do Papa Francisco, numa conversa sobre o Credo cristão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

“Qual é o mal de matar?” novidade

A interrogação que coloquei como título deste texto foi usada por Peter Singer que a ela subordinou o capítulo V do seu livro Ética Prática. Para este filósofo australiano, a sacralidade da vida humana é entendida como uma forma de “especismo”, uma designação que ele aplica a todas as teorias que sustentam a superioridade da espécie humana.

Auschwitz, 75 anos: uma visão do inferno

O campo da morte de Auschwitz foi libertado há 75 anos. Alguns sobreviventes do Holocausto ainda nos puderam narrar o que lá sofreram, antes de serem libertados pelos militares soviéticos, em 27 de janeiro de 1945. Tratou-se de um indescritível inferno, um lugar onde toda a esperança morria ao nele se entrar. Onde cada uma das vítimas foi reduzida a um número, tatuado no braço. Dizia-se então, quando se entrava através de um portão com a frase “o trabalho liberta”, que de lá só se podia sair através do fumo de uma chaminé.

Cultura e artes

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Uma história do universalismo cristão

The Devil’s Redemption: A New History and Interpretation of Christian Universalism (Baker Academic, 2018) foi classificado em 2018 pelo The Gospel Coalition, uma organização de Igrejas Evangélicas de tendência Reformada, como o Livro de Teologia do ano.

Sete Partidas

Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco