Timidez ou arrogância

| 13 Set 2023

A Menina (Estocolmo)

“Lembro-me de um júri, numa prova, me dizer que o meu maior erro era não encarar a plateia e encolher os olhos na direção do chão.” Foto: A Menina (Estocolmo) © Marcin / Pixabay

 

Desde sempre que engenho esquemas para camuflar a timidez; acho que me tenho saído bem, ninguém desconfia.

Ontem à noite uma simpática senhora aproximou-se do meu colega, sem reparar que eu estava logo atrás, e disse-lhe para dar os parabéns à menina do fogo, que gostou muito do espetáculo mas que a achava antipática, que fugia logo e nem sequer ficava um bocadinho ali no final a dar atenção ao público.

Obviamente que não me atrevi a mostrar que tinha ouvido o comentário – até porque ela, provavelmente, não me reconheceria. Como diz o meu querido encenador, eu tenho um qualquer poder de transformação que me faz não parecer eu quando estou “em cena”.

Sentei-me, como de costume, sob o escuro da noite e longe das pessoas. Esperava a hora de voltar a casa e matutei sobre um excerto que me lembro de ter lido, na “Morgadinha dos canaviais” – de Júlio Dinis, há tanto tempo, mas que nunca mais esqueci. Diz assim: «Não há quem sustente mais tremendas lutas do que os tímidos. A alma revolta-se neles, com toda a violência dos seus instintos, contra não sei que mistério de temperamento, que lhes reprime as expansões. Na aparência é fraqueza e serenidade, mas no íntimo há esforços realizados, que os fortes nem concebem sequer.»

Lembro-me de quando estudava teatro e o meu professor de expressão me dizia que eu desperdiçava a força que tinha no olhar. Lembro-me de um júri, numa prova, me dizer que o meu maior erro era não encarar a plateia e encolher os olhos na direção do chão. Lembro-me das lutas travadas para disfarçar esse medo de ser alguém, esse desconforto da presença de outros em quem não se confia. Era muito novinha, era adolescente, e comecei a imitar os extrovertidos. Admirava-me de encontrar coragem para consegui-lo. Mas facilmente passei a parecer uma jovem segura e extrovertida. Mal se notava a luta interna desenfreada – à qual Júlio Dinis se referia – que eu travava. Lembro-me da fase em que sair de casa me era desconfortável, o simples facto de estar na rua me causava pânico. E qual a melhor estratégia? fingir, simular.

Já confessei, em crónica anterior, que vi o meu pai queimado num incêndio, que o fogo é o meu maior medo e que, por isso mesmo, decidi familiarizar-me com ele. Com a timidez é a mesma coisa; esta vergonha de ter palavras para dizer, ideias a urgir no pensamento, levou-me a simular a segurança. Vou a palco todas as noites fingir que não me importo de ser vista por gente a mais.

Passaram 20 anos desde o dia em que o meu professor me disse que eu desperdiçava o olhar, desde o dia em que júri disse que eu não estava preparada porque me encolhia em direção ao chão e achei que a batalha estava ganha, que a timidez era coisa do passado.

A verdade é que a senhora de ontem à noite me confundiu a timidez com arrogância. A verdade é que passamos a vida a fingir que somos o que não somos. E esta é mais uma delas, das tais violências de que falava o Júlio Dinis.

 

Ana Sofia Brito começou a trabalhar aos 16 anos em teatro e espetáculos de rua; Depois de dois anos na Universidade de Coimbra estudou teatro, teatro físico e circo em Barcelona, Lisboa e Rio de Janeiro, onde actualmente estuda Letras. Autora dos livros “Em breve, meu amor” e ” O Homem do trator”.

 

Desfazendo três equívocos sobre Deus

Desfazendo três equívocos sobre Deus novidade

Existem três dificuldades ou equívocos religiosos sobre o carácter de Deus, e que revelam algum desconhecimento sobre Ele. Por isso convém reflectir no assunto. Esses três equívocos sobre os quais nos vamos debruçar de seguida são muito comuns, infelizmente. [Texto de José Brissos-Lino]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

sobre as águas

sobre as águas novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo XII do Tempo Comum B. ⁠Hospital de Santa Marta⁠, Lisboa, 22 de Junho de 2024.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This