Declaração de Abu Dhabi

Timor-Leste adota texto endossado pelo Papa

| 17 Mai 2022

papa francisco com ramos-horta foto fb ramos-horta

Papa Francisco recebeu Ramos-Horta, em outubro de 2021, na qual o bispo de Roma ofereceu ao presidente timorense uma cópia do documento. Foto do Facebook de Ramos-Horta.

 

Timor-Leste é o primeiro país do mundo a adotar um documento endossado pelo Papa que promove a paz e a harmonia entre cristãos e muçulmanos.

Segundo a agência asiática UCA News, todos os 60 deputados deste país do sudeste asiático, concordaram na sessão plenária de 12 de maio em adotar o documento sobre Fraternidade Humana para a Paz Mundial e a Convivência, que o Presidente recém-eleito José Ramos-Horta espera implementar o documento no currículo escolar e, assim, contribuir para manter a harmonia e a paz interreligiosa.

O documento, que busca promover uma “cultura de respeito mútuo” entre cristãos e muçulmanos, na descrição da agência, foi assinado em 4 de fevereiro de 2019 pelo Papa Francisco e Ahmed el-Tayeb, o grande imã de Al-Azhar, em Abu Dhabi, durante a visita papal aos Emirados Árabes Unidos. Por isso, o documento também é conhecido como a Declaração de Abu Dhabi.

Ramos-Horta tem pressionado ativamente os legisladores para a sua adoção. O presidente deste país de maioria católica também discutiu isso com o ex-primeiro-ministro Mari Alkatiri, um muçulmano, na reunião que mantiveram os dois a 28 de abril. “Timor-Leste será o primeiro país do mundo a adotar o documento no currículo escolar”, afirmou o novo Presidente. “Ele ensinará às crianças em idade escolar sobre religião, etnia, classe social e tolerância política na sociedade.”

Para Ramos-Horta, é importante para Timor-Leste, como país maioritariamente católico na Ásia, manter a sua reputação “de um país livre de violência motivada pela religião”.

O presidente do Parlamento, Aniceto Guterres, anunciou também que se reuniria com o encarregado de negócios da nunciatura apostólica em Díli, monsenhor Marco Sprizzi, para apresentar o decreto sobre a adoção da Declaração de Abu Dhabi.

Já o franciscano Roberto Fernandez, professor da Escola São Francisco de Assis, em Fatuberliu, distrito de Manufahi, a cerca de 190 quilómetros a sul de Díli, disse que a adoção do documento “é o passo certo para afirmar a posição de Timor-Leste como um país amante da paz”. “Estamos prontos para implementá-lo aqui… O princípio é que Timor-Leste precisa de continuar a ser um lar seguro para todos, especialmente para todas as religiões.”

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This