Timor-Leste: zero mortos por covid, graças à cooperação entre Estado, partidos, Igreja e ONG

| 9 Jan 21

Fronteira Indonésia Timor-Leste

Fronteira Indonésia Timor-Leste: o seu encerramento foi uma das medidas tomadas para conter o avanço da pandemia. Foto: Wikimedia Commons

 

Dez meses depois do início da pandemia, Timor-Leste é dos poucos países do mundo onde não registo de mortes por covid-19, com o número de casos, até ao passado dia 5 de Janeiro, a chegar aos 46. Ao contrário, na vizinha e poderosa Indonésia, que foi potência ocupante de Timor entre 1975 e 1999, o novo coronavírus já provocou mais de 772.000 casos e quase 23.000 mortes.

Estes números resultam de uma abordagem multifacetada, explica a UCA News: desde o início de Março de 2020, além de ter decretado o estado de emergência, o país cortou os laços com o mundo exterior e proibiu todos os voos comerciais internacionais, com excepção de algumas transportadoras de repatriamento.

Ao mesmo tempo, fechou as fronteiras terrestres com a outra metade da ilha (Timor Indonésio), permitindo a abertura de 17 em 17 dias para um máximo de 200 travessias de cada vez; todas as mercadorias eram desinfectadas e era aplicada uma quarentena obrigatória de duas semanas às pessoas que entram no país; as pessoas nas zonas fronteiriças autorizaram o Governo a utilizar as suas casas como instalações de quarentena. Agora, a fronteira está a ser aberta uma vez por semana, com medidas rigorosas de controlo fronteiriço, incluindo testes e quarentena.

De acordo com a mesma fonte, houve um conjunto de medidas rápidas e decisivas por parte do Governo de Taur Matan Ruak, mas também dos responsáveis eclesiásticos e de várias organizações não-governamentais, cuja cooperação contribuiu para o combate eficaz à pandemia.

Logo após o primeiro caso de covid-19 ter sido diagnosticado num cidadão que regressara de uma viagem ao estrangeiro, a 21 de Março, o arcebispo de Díli, Virgílio do Carmo da Silva, ordenou a suspensão das celebrações públicas e das actividades eclesiásticas. Ao mesmo tempo, o uso de água benta, o toque em imagens e o contacto físico entre pessoas nas igrejas, foi também desaconselhado, quer na diocese de Díli, quer nas de Baucau e Maliana, as outras duas daquele país lusófono asiático, onde 95% da população se considera católica.

 

Dinheiro da Igreja “desviado” para apoio aos mais pobres

O gesto mais importante, no entanto, terá sido o de redirecionar, para apoio a pessoas mais atingidas pelos efeitos da pandemia e do seu combate, verbas doadas pela Igreja da Coreia do Sul. Esse dinheiro era para construir uma nova nunciatura e foi destinado pelo bispo de Díli à ajuda na luta contra a pandemia, como noticiou a agência Fides, do Vaticano.

Virgílio da Silva referiu-se às diferentes medidas tomadas como um acto de solidariedade com a Igreja universal e o Papa Francisco, que anunciou em meados de Março que o Vaticano celebraria a Páscoa sem a presença dos fiéis.

Além disso, a Igreja Católica criou um grupo pastoral composto por padres, religiosos e leigos para aconselhamento espiritual. E vários grupos católicos, além da Cáritas, mobilizaram-se para tentar apoio os mais pobres e mais desfavorecidos, num país onde 40 por cento dos 1,3 milhões de habitantes estão classificados como pobres – o rendimento nacional per capita é ligeiramente superior a 1.500 dólares.

Também várias organizações não governamentais e empresas do sector privado se mobilizaram, relata ainda a UCA News, para oferecer às pessoas arroz, ovos e sabão, entre outras coisas.

O Governo, por seu lado, atribuiu um subsídio mensal de 100 dólares (cerca de 82 euros) às famílias com rendimentos mensais inferiores a 500 dólares (410 euros).

A nível político, aliás, o combate à pandemia permitiu um consenso raro entre partidos políticos que se têm enfrentado com veemência. O Presidente da República, Francisco Guterres, foi autorizado a declarar o estado de emergência entre o final de Março e Junho, e os vários rivais políticos aceitaram cortar direitos políticos e constitucionais em nome do combate à pandemia.

O Governo criou também um Centro Integrado de Gestão de Crise, destinado a coordenar os esforços de combate à pandemia por parte do Estado. Mas foi ao nível do sistema de saúde do país, muito incipiente, que também se verificaram progressos importantes, nota ainda a UCA News: no início, o país nem sequer tinha capacidade para analisar os testes, que tinham de ser enviados para a Austrália, implicando quatro dias até saber os resultados. Agora, não só essa capacidade já está instalada, como mais de 16.400 pessoas já foram testadas – um número limitado, mas, como ficou dito, o número de casos não é grande.

Por outro lado, havia um único ventilador, no hospital nacional em Díli, um exemplo de como o país estava mal apetrechado ao nível dos equipamentos de saúde.

O restante quadro social e político do país não é muito melhor: pobreza endémica, administração pública muito ineficiente, políticas voláteis, muitos projectos de desenvolvimento dependentes em grande parte da ajuda estrangeira – Timor é a 20ª nação do mundo com mais dependência de ajuda. E, apesar desse facto, foi possível financiar o apoio a famílias mais pobres ou com mais baixos rendimentos.

Uma forma de aprender, conclui o articulista Rock Ronaldo Rozario, que seria possível, com a cooperação entre toda a sociedade, “derrotar outros males como a pobreza, a corrupção, o desemprego e a instabilidade política da vida nacional”.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

O Mercado e o Templo (15): Quando o conhecimento era um bem comum e gratuito

O Mercado e o Templo (15): Quando o conhecimento era um bem comum e gratuito novidade

As proibições teológicas souberam gerar meios de liberdade para mercadores e intelectuais, como seguros e universidades. A antiga cultura sabia que bem precioso, mesmo divino, era o conhecimento e protegia-o do lucro. Agora, na lógica do capitalismo, vêem-se apenas custos e benefícios. Este é o décimo quinto dos textos da série de crónicas que o 7MARGENS publica todas as quartas-feiras e sábados, da autoria de Luigino Bruni.

Breves

“Tragédia brasileira: risco para a casa comum?”

  Entre os dias 4 e 6 de Maio (terça a quinta-feira), um seminário internacional que se realiza em formato digital irá debater se a tragédia brasileira é um risco para a casa comum, numa iniciativa de várias organizações religiosas, de defesa dos direitos humanos...

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

APAV lança vídeo sobre violência sexual contra crianças

A APAV – Associação Portuguesa de Apoio à Vítima acaba de lançar o primeiro de um conjunto de vídeos que visam a prevenção da violência sexual contra crianças e jovens, procurando capacitar as pessoas sobre estes crimes e a informá-las sobre como pedir ajuda.

Xexão (um poema e uma evocação em Lisboa)

No 30º dia após o falecimento de Maria da Conceição Moita, a comunidade da Capela do Rato, em Lisboa, vai celebrar, a 30 de Abril, às 19h, eucaristia evocando a sua vida. Tendo em conta as regras de segurança em vigor, e o número restrito de lugares na capela, é necessária uma inscrição prévia, que deve ser feita na página digital da Capela do Rato.

Quebra de receitas da principal Igreja financiadora do Vaticano

A Igreja Católica alemã, que é líder no contributo que dá habitualmente para as despesas da Santa Sé (juntamente com a dos EUA), teve “um verdadeiro colapso” nas receitas, em 2020, segundo dados divulgados pelo jornal Rheinische Post, citados por Il Messaggero.

Entre margens

O desaparecimento dos gigantes da fé novidade

De vez em quando temos a sensação de que se está a passar na porta giratória para um mundo diferente. Em especial quando se toma consciência de que alguns dos maiores gigantes do mundo cristão nos deixaram. O mais recente foi o grande teólogo e pensador protestante latino-americano René Padilla (1932-2021), o “pai” do conceito de “missão integral” que revolucionou as teologias do continente, em particular a missiologia.

Alma mutilada

Samuel caminhava dançante num jogo de toca e foge com a suave rebentação da extensa e espelhada beira-mar de Keri Beach. Entusiasmado com a chegada à nova cidade, discursava e gesticulava comparações entre as imensas praias por onde passara. O fiel Odara escutava-o ao longe, absorto no encantamento da devoradora paisagem. Caminhava a passos curtos e lentos, sentindo atentamente a incomum textura da areia que se lhe entranhava nos dedos dos pés a cada novo pisar

José Augusto Mourão… o frade, poeta e professor

Fazemos memória, nesta quarta-feira, 5 de maio, do décimo aniversário da partida para o Senhor de frei José Augusto Mourão op. Nascido em Lordelo, Vila Real, em 12 de junho de 1947, deixou-nos aos 64 anos. Conheci Frei Mourão quando, há já muitos anos, comecei a participar nas eucaristias do Convento de S. Domingos de Lisboa, levado pelo meu amigo Luís de França, também ele frade dominicano, entretanto já desaparecido do meio de nós

Cultura e artes

Alusões a um corpo ausente

Cada pessoa que fizer uma evocação de José Augusto Mourão fá-lo-á de um modo diferente. O percurso biográfico de Mourão presta-se a essa pluralidade quase heterodoxa, diferente das narrativas oficiais com as quais se canoniza uma vida e uma determinada biografia da mesma.

Flannery O’Connor e “Um Diário de Preces”

Flannery O’Connor foi uma escritora norte-americana (1925-1964), falecida aos 31 anos de lúpus, doença degenerativa precocemente diagnosticada (aos 12 anos) e que, depois de lhe terem sido dados cinco anos de vida, Flannery conseguiu, com uma vontade indomável, prolongar por mais 10 anos. Católica convicta, viveu em Savannah, na Geórgia, no sul protestante e conservador. Escreveu sobretudo sobre a decadência do sul da América. Fez uma licenciatura em Inglês e Sociologia e uma pós-graduação através de um writer’s workshop (oficina de escrita) na Universidade de Iowa. Escreveu 32 contos e dois romances.

O teatro da vida na leitura cristã de Luís Miguel Cintra

A revista E, do Expresso, deste fim-de-semana traz em várias páginas a súmula de mais de duas horas de conversa de Luís Miguel Cintra com a jornalista Luciana Leiderfarb, com as imagens da objetiva do repórter António Pedro Ferreira. Destaca-se dela não só uma grande personalidade do teatro, mas também uma pessoa de enorme sensibilidade e riqueza humanas.

Verbalizar o desejo

Em Rezar de Olhos Abertos, José Tolentino Mendonça assume a missão de guiar o crente e a comunidade (alguns textos surgem nesse contexto) na verbalização orante, inserindo-se assim numa tradição espiritual que conhece nos Salmos a sua expressão talvez mais plena e fecunda.

Sete Partidas

O regresso à escola má

Custa-me imenso falar de educação. A sério. Dói-me. Magoa fundo. O mal que temos tratado a educação escolar nas últimas décadas. Colectivamente. Geração após geração. Incomoda-me a forma como é delegada para planos secundários perante a suposta urgência de temas tão mais mediáticos e populares. Quando nada me parece mais urgente.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This