“Todo o mundo é composto de mudança”

| 15 Set 19

Com a sua intuição e sensibilidade poética, o nosso velho e saboroso Camões enunciava, neste célebre soneto (“Mudam-se os Tempos, Mudam-se as Vontades”), a mais notável característica do mundo habitado e de todo o universo: “tudo muda”. Mas a expressão mais famosa deste conceito vem de 500 anos antes de Cristo, quando o filósofo grego Heráclito, contra certas ideias feitas, escreveu: panta rhei(“tudo flui”, desliza, desaparece…). Alguns eruditos defendem que não teria escrito rheimas khorei(“está em movimento, dança”), donde deriva “coreografia”. Dir-se-ia que tudo vai evoluindo como uma coreografia sempre nova.

Todas as mudanças na vida – na ligação com as pessoas que amamos, nos projectos, ao mudar de casa ou de país (para melhor ou pior)… – são momentos fortes em que “dançamos com a vida”, a vida que por vezes nos arrebata ou nos deixa meio estonteados. Mas depois, passada a “ressaca”, recordamos como essa experiência fortaleceu o entusiasmo para nunca desistirmos de khorein, “dançar” – não como a “fera amansada” no circo, mas com aquela arte de quem transforma em peças dignas de exposição as velhas latas e garrafas (nem sempre de vinho do Porto…).

Li há dias uma notícia com o título: “Troca de padres não agrada a paroquianos” (Diário de Aveiro, 29 de Agosto). Casos como este são excelente ocasião para esclarecer valores ou razões escondidas, concorrendo para o crescimento espiritual de todos (não só dos paroquianos). Por outro lado, valorizaria o ideal do “grupo perfeito”: é difícil saber ouvir, saber responder, saber concordar e saber discordar – e por isso precisamos de bons exemplos e bom treino. Recorrendo de novo a um antiquíssimo provérbio filosófico: amicus Plato magis amica veritas(“Sou amigo de Platão mas mais amigo da verdade”).

Esta “dança dos párocos”, se em boa “coreografia”, impede o cheiro a mofo e a cristalização num lugar ou tarefa – como se os artistas ficassem colados ao lugar. Também evita uma espécie de idolatria dos bons líderes (como podem ser os sacerdotes bem formados). A vida ensina que não devemos “prender” as pessoas que amamos; e a saber interpretar o sentido das grandes separações, incluindo aquela “grande separação” em que passamos o testemunho da vida.

Os primeiros discípulos de Jesus Cristo não percebiam o porquê de muita coisa dita ou feita pelo seu “coreógrafo” – mas perguntavam e discutiam, obtendo por vezes a resposta de que “a seu tempo” compreenderiam as razões desconhecidas. Se  não tivessem motivos para acreditar na autoridade de quem lhes prometia explicar a seu tempo, não teriam tanto sucesso no “espectáculo de Pentecostes” – em cena já lá vão dois milénios, embora o estilo e qualidade de “palcos e actores” tenha muitos altos e baixos.

Ninguém anda sempre na mesma escola, mesmo se conceituada. E muitas vezes é saudável mudar de local e até de estilo de trabalho. Para bem de quem parte, de quem fica e de quem recebe. O que também aviva a consciência e sentimento positivo de que este mundo é um palco de teatro. O melhor actor é o que mais se treina e não atropela as “falas” dos outros. Quantas vezes, aquele que deixa mais e melhor impressão é apenas um “actor secundário”: aparece menos, mas a ele se deve, mais do que a muitos outros, o sucesso do grande teatro da vida.

Saudades? O citado soneto de Camões não evita um final pessimista: “do mal ficam as mágoas na lembrança – e do bem, se algum houve, a saudade”. Mas não será a saudade a expressão intensa do nosso permanente e profundo desejo do Bem? E não deverá a saudade motivar-nos para criar um mundo cada vez mais justo e agradável?

Nem nos podemos ficar pelo queixume final do Poeta: que o tempo “não se muda já como soía”. É que todos nós temos a tentação de só “votar” naquele tipo de mudança a nosso gosto ou a que estamos habituados…

Contudo, seria grave erro provocar a mudança pela mudança. Não corramos o risco de “deitar fora o bebé com a água do banho”, ou de provocar uma futura catástrofe devido à preguiça e comodismo, que não se dão ao trabalho de pesar as consequências.

Na verdade, se não ensaiamos a coreografia dentro de nós, o grande espectáculo não corre bem. Valha-nos o “grupo perfeito”, para discutir, com realismo, a organização de “coreografias” ao mais alto nível artístico.

Uma boa coreografia tem este encanto: movimento vertiginoso e súbita forma de estátua combinam-se para nos deixar o saudável sentimento de que, no palco da vida, tudo – na natureza, na amizade… –  se pode transformar em beleza sempre nova e sem nunca deixar de surpreender.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Um Manual de Desintoxicação nos dois anos do PontoSJ novidade

Manual de Desintoxicação é o título do livro que a editorial A.O., dos jesuítas, apresenta esta quinta-feira, 27, no centro cultural Brotéria, no Bairro Alto, em Lisboa. Para o efeito, a partir das 19h, haverá uma conversa entre os jornalistas Isabel Lucas e Luís Osório e o professor universitário Viriato Soromenho-Marques.

Situação “catastrófica” no Líbano, sem “ninguém” para ajudar cristãos novidade

Cerca de 40 mil famílias cristãs podem deixar o Líbano, nos próximos tempos, se a grave crise económica persistir no país, agravando duras condições de vida das pessoas. A irmã Maria Lúcia Ferreira, religiosa portuguesa do Mosteiro de São Tiago Mutilado, em Qara (Síria), perto da fronteira com o Líbano, diz que o agravamento da situação neste último país pode afectar ainda mais os cristãos, que “não têm ajuda de ninguém”, enquanto “os xiitas têm a ajuda do Irão e os sunitas têm a ajuda da Arábia Saudita…”

Epidemia de dengue mata crianças na Bolívia novidade

A diocese de Santa Cruz (centro-sul da Bolívia) decidiu apoiar a prevenção da luta contra a epidemia de dengue que atinge várias regiões do país e que, naquela diocese, matou já 20 pessoas, a maior parte das quais eram crianças.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Olhar a mulher com Alfredo Cunha novidade

O Tempo das Mulheres, em exposição no Museu de Lisboa (Torreão Poente da Praça do Comércio) até 29 de março, oferece um conjunto de fotografias de mulheres com o comentário de Maria Antónia Palla. A objetiva de Alfredo Cunha percorreu diversas regiões do globo, diferentes épocas e vivências culturais. A exposição divide-se em quatro tempos: infância, juventude, idade adulta, e terceira idade; numa alusão aos tempos que percorrem a vida e se constituem como marcos da sua evolução.

Da eutanásia às Cinzas

Viveremos (os cristãos), nesta quarta-feira, a imposição das Cinzas, lindíssima celebração pela qual muitos cristãos (incluindo eu) têm verdadeira devoção, sejam quais forem as interpretações, significados pessoais (ou teológicos) desse gesto: para mim, é sagrado. Passada a Quarta-Feira de Cinzas iniciaremos a caminhada quaresmal.

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Sete Partidas

Sankt Andreas Kirke, Copenhaga – Uma igreja nómada

Gothersgade 148, 1123 København K, Igreja de Skt. Andreas. Era este o sítio a que nos devíamos dirigir quando nos interessámos por um concerto de música clássica, de entrada gratuita, por altura do Natal de 2009. Estávamos em fase de descoberta daquela que seria a nossa casa por 10 anos – Copenhaga, Dinamarca.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Mar
3
Ter
Seminário “Ecologia e Espiritualidade” @ ISTA - Convento de S. Domingos
Mar 3@18:00_20:15

O seminário consta de oito sessões semanais, de 3 de Março a 28 de Abril e tem preços reduzidos de participação para estudantes e desempregados.

 

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco