ONG inter-religiosa denuncia

TotalEnergies desrespeita milhares de sepulturas para construir maior oleoduto do mundo

| 9 Nov 2023

EACOP, maior oleoduto, em construção pela TotalEnergies. Foto OxFam

O abandono do projeto tem vindo a ser exigido por vários ativistas e representantes religiosos que alegam estar-se em presença de um ataque à justiça climática, aos direitos humanos e à biodiversidade. Foto © OxFam.

 

São mais de duas mil as sepulturas localizadas ao longo do percurso daquele que se prevê que venha a ser o maior oleoduto do mundo, cruzando o Uganda e a Tanzânia. Com a sua construção, a cargo da petrolífera francesa TotalEnergies, a maioria destes túmulos está a ser destruída, danificada ou relocalizada, “sem qualquer respeito pelos ritos e tradições funerárias locais”, denunciou esta quinta-feira, 9 de novembro, a ONG inter-religiosa GreenFaith.

Num relatório intitulado “Como se nada fosse sagrado”, a GreenFaith destaca que o projeto do Oleoduto da África Oriental (EACOP, na sigla inglesa) que ligará o novo campo de petróleo de Tilenga (Uganda) ao porto de Tanga (Tanzânia), além de desrespeitar o meio ambiente, está também a exercer uma enorme “violência espiritual”, com “consequências psicológicas devastadoras para as famílias que vivem ao longo da rota do oleoduto”.

O documento conta com testemunhos de elementos das famílias afetadas, reveladores do desrespeito manifestado pela TotalEnergies. “Quando foi necessário trasladar os corpos, os caixões adquiridos eram do tamanho errado. O corpo do meu pai foi partido em pedaços para poder entrar no caixão que eles compraram”, partilha um dos entrevistados. Outra mulher conta: “Quando começou o novo enterro, supliquei-lhes que me dessem algum tempo para reunir os membros da família, a fim de oferecer ao nosso defunto um adeus digno. Recusaram e ameaçaram-me de gerir isso com o governo. Tive de enterrar o meu marido sozinha.”

“Já sabíamos que o EACOP é um projeto de morte, contra os vivos. Hoje, este relatório mostra-nos que nem sequer respeita os nossos mortos. Expressamos o nosso apoio e solidariedade com as nossas irmãs e irmãos no Uganda e na Tanzânia”, afirmou Martin Kopp, coordenador da GreenFaith em França, durante a apresentação do documento, que decorreu em Paris.

Em resposta às conclusões do relatório, os líderes religiosos da Tanzânia e do Uganda pediram a suspensão imediata do projeto. “As nossas religiões reconhecem o caráter sagrado que as comunidades africanas atribuem aos túmulos de seus entes queridos falecidos e a profunda importância das tradições espirituais e culturais dessas comunidades”, afirmaram. “Na sua busca de lucros do petróleo, a TotalEnergies negligenciou as coisas que são importantes para o nosso povo, como se não fossem sagradas. Trata-se de neocolonização e de abuso psicológico. A TotalEnergies beneficia da proteção de ambos Governos [do Uganda e da Tanzânia], ao contrário das nossas comunidades”, denunciaram.

Divulgada esta quinta-feira durante uma conferência de imprensa em Dar es Salaam, na Tanzânia, a declaração dos líderes religiosos conclui com um apelo: “A TotalEnergies deve reconhecer a natureza sagrada da vida e protegê-la. Exigimos justiça para as pessoas afetadas e o bem-estar das nossas comunidades e do meio ambiente”.

O abandono do projeto tem vindo a ser exigido por vários ativistas e representantes religiosos que alegam estar-se em presença de um ataque à justiça climática (provocando a emissão de 379 milhões de toneladas de CO2), aos direitos humanos (expropriando mais de 100.000 pessoas de forma inadequada, sob pressão e sem esclarecimento capaz) e à biodiversidade (nomeadamente no parque natural de Murchison Falls).

Crentes de diferentes religiões contra nova exploração de petróleo em África

 

 

Ortodoxos denunciam imoralidade do conluio de Cirilo com Putin e a sua guerra

Carta nos dois anos da guerra na Ucrânia

Ortodoxos denunciam imoralidade do conluio de Cirilo com Putin e a sua guerra novidade

No momento em que passam dois anos sobre a invasão russa e o início da guerra na Ucrânia, quatro académicos do Centro de Estudos Cristãos Ortodoxos da Universidade de Fordham, nos Estados Unidos da América, dirigiram esta semana uma contundente carta aberta aos líderes das igrejas cristãs mundiais, sobre o papel que as confissões religiosas têm tido no conflito.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Sessões gratuitas

Sol sem Fronteiras vai às escolas para ensinar literacia financeira

Estão de regresso as sessões de literacia financeira para crianças e jovens, promovidas pela Sol sem Fronteiras, ONGD ligada aos Missionários Espiritanos, em parceria com o Oney Bank. Destinadas a turmas a partir do 3º ano até ao secundário, as sessões podem ser presencias (em escolas na região da grande Lisboa e Vale do Tejo) e em modo online no resto do país.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This