[À volta do 1º de Maio] Trabalhadores cristãos: a luta continua – contra o vírus e a indignidade do trabalho

| 30 Abr 21

Manifestação sindical. UGT. 1º de Maio 2019

Manifestação sindical em Lisboa. UGT. 1º de Maio 2013. Foto © Arlindo Homem

O Movimento Mundial dos Trabalhadores Cristãos (MMTC) considera que “não estamos só a lutar contra um vírus destrutivo a nível mundial, mas também contra uma corrente sectária que diminui a primazia do trabalho”. Num comunicado divulgado a propósito das celebrações do Primeiro de Maio, Dia Mundial do Trabalhador, o movimento diz que o “valor social e pessoal, que eleva a dignidade de cada indivíduo” deve ser assumido “como um estandarte de humanidade”.

No documento enviado ao 7MARGENS, o MMTC faz várias perguntas: “Seremos capazes de zelar pela dignidade dos pobres que são constantemente despojados, dos marginalizados que fazem fila” para receber comida? “Seremos capazes de resistir com os trabalhadores e trabalhadoras à exploração económica?”

Vários direitos fundamentais “estão em retrocesso”, diz o texto, que refere o aumento dos desempregados, a falência de pequenas e médias empresas, o emprego precário, a perda de benefícios sociais, a falta de habitação digna e as desigualdades no tratamento entre homens e mulheres como algumas das realidades preocupantes.

Esta situação contemporânea “tem importantes repercussões no seio das famílas, onde o desemprego e a precariedade provocam isolamento e tensões intrafamiliares, violência e problemas de saúde e educação”, acrescenta o MMTC, do qual faz parte também a Liga Operária Católica/Movimento dos Trabalhadores Cristãos (LOC/MTC).

A sociedade desigual tende também a “considerar o trabalhador como uma engrenagem, um consumidor” e “o modelo económico preocupa-se mais com a sua economia do que com o ser humano”. E em consequência “as empresas multinacionais continuam a enriquecer na sua maioria com lucros colossais”.

A mensagem, que foi preparada pelo Movimento de Trabalhadores Cristãos de Reunião, que integra o MMTC, convida “a manter e prosseguir a luta por uma sociedade mais justa, mais fraterna e sustentável”.

“O Primeiro de Maio não é só uma manifestação de um dia, mas consiste numa chamada de atenção para uma luta diária. E para nós, cristãos, é uma luta centrada no ser humano, em nome de Cristo, com o Espírito Santo”, acrescenta o texto. No contexto actual, acrescenta o texto, serve também o exemplo de Jesus, que se deu “a conhecer através das curas”. “Deixemo-nos inocular pelo seu Espírito, para conseguir, com pequenas acções onde nos encontramos, uma mudança à escala global”, conclui o texto.

O novo “precariado”

Dedicada ao tema da precariedade, a LOC/MTC acabou de viver a sua 10ª “semana temática”, que pretendeu alertar para a nova realidade do “precariado: uma nova palavra nascida da conjugação das palavras precariedade e proletariado, para identificar uma classe social, constituída por homens e mulheres que trabalham e que executam as suas tarefas laborais sem um vínculo laboral permanente ou estável, com empregos incertos e inseguros, baixos salários, horários longos, sem contratos de trabalho efetivos e pobres apesar do trabalho”.

Esta realidade “ameaça a integridade das relações laborais e a vida familiar, onde a pobreza, a fome e a miséria têm de estender a mão à caridade”, diz o documento de conclusões, enviado entretanto ao 7MARGENS.

A situação é aproveitada por “empresas fantasma, criadas por grandes empresas, que se aproveitam da situação de vulnerabilidade e obrigam os trabalhadores ‘a dançar’ de contrato em contrato, até ao despedimento”. Também as plataformas digitais são objecto de crítica, pois concretizam a “mais recente uberização do trabalho, deixando os trabalhadores entregues a si mesmos, perante a sua desresponsabilização empresarial, num claro retrocesso civilizacional”.

O trabalho a partir de casa também criou problemas: casas sem condições, adultos com os filhos por perto, invasão da privacidade familiar, desregulação, isolamento das pessoas foram consequências notórias.

A LOC/MTC considera grave também o “conceito de empresa antissocial, que vive dos baixos salários, boicota a negociação coletiva, subcontrata à hora, não reconhece os sindicatos e os seus representantes” e cuja divisa é apenas o lucro e a fuga aos impostos e ao controlo das autoridades. Ao mesmo tempo, os sindicatos estão “fragilizados e dependentes do poder político, não têm apresentado ideias novas, passam por grandes dificuldades de resposta e adaptação a estas novas formas de exploração”.

Apesar deste panorama, o MTC considera como suas prioridades a afirmação dos valores cristãos no mundo do trabalho: “Temos como prioridade a promoção da dignidade e igualdade entre homens e mulheres e o respeito pelos direitos conquistados; somos chamados a combater a imoralidade do precariado, que mata a dignidade, a saúde, a família e desmantela a sociedade.” E conclui, citando o Papa Francisco: “Maior precariedade, trabalho irregular e chantagem sobre os trabalhadores tira dignidade, impede a plenitude da vida e exige resposta vigorosa.”

Jorge Sampaio, um laico cristão

Jorge Sampaio, um laico cristão novidade

Já tudo, ou quase tudo, foi dito e escrito sobre a figura do Jorge Sampaio. Assinalando a sua morte, foram, por muitos e de múltiplas formas, sublinhadas as diversas facetas definidoras da sua personalidade nos mais diversos aspetos. Permitam-me a ousadia de voltar a este tema, para sublinhar um aspeto que não vi, falha minha porventura, sublinhado como considero ser merecido.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja

Inquérito sobre o Sínodo

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja novidade

O Papa observava, no encontro sinodal com a sua diocese de Roma, no último sábado, 18, que escutar não é inquirir nem recolher opiniões. Mas nada impede que se consultem os cristãos sobre as “caraterísticas e âmbito” que “entendem dever ter a escuta que as igrejas diocesanas são chamadas a realizar, desde 17 de outubro próximo até ao fim de março-abril de 2022. Era esse o terceiro ponto da consulta feita pelo 7Margens, cujas respostas damos hoje a conhecer.

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro

União Europeia

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro novidade

A União Europeia (UE) deverá divulgar, no próximo mês de outubro, uma “nova estratégia de combate ao antissemitismo e promoção da vida judaica”. A iniciativa surge na sequência da disseminação do racismo antissemita em inúmeros países da Europa, associada a teorias da conspiração que culpabilizam os judeus pela propagação da covid-19, avançou esta quarta-feira, 22, o Jewish News.

Livrai-nos do Astérix, Senhor!

Livrai-nos do Astérix, Senhor! novidade

A malfadada filosofia do politicamente correcto já vai no ponto de apedrejar a cultura e diabolizar a memória. A liberdade do saber e do saber com prazer está cada vez mais ameaçada. Algumas escolas católicas do Canadá retiraram cerca de cinco mil títulos do seu acervo por considerarem que continham matéria ofensiva para com os povos indígenas.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This